Fenprof propõe que 20 mil professores entrem no quadro até 2019

Propostas para a vinculação extraordinária foram divulgadas nesta quinta-feira e abrangem cerca de 20 mil docentes.

"O Ministério da Educação está em falta", acusou Mário Nogueira
Foto
"O Ministério da Educação está em falta", acusou Mário Nogueira Sergio Azenha

Sem que se conheça ainda qual a nova proposta do Ministério da Educação sobre o tempo mínimo necessário para a entrada no quadro dos professores a contrato ( o projecto inicial apontava para 20 anos), a Federação Nacional de Professores (Fenprof) avançou nesta quinta-feira com uma proposta de vinculação extraordinária repartida em três fases. De acordo com a Lusa, as estimativas apresentadas nesta quinta-feira pelo líder da Fenprof, Mário Nogueira, são estas: as propostas da federação levariam a uma entrada de cerca de 20 mil professores nos quadros até 2019. Actualmente existem de  23 mil professores colocados com contrato a termo.

Ainda segundo a Fenprof, a proposta inicial do Ministério da Educação que impunha 20 anos de serviço como tempo mínimo para a vincualção, abrageria apenas 100 professores.

Na proposta da Fenprof, a primeira fase, a aplicar já a partir de 1 de Setembro de 2017, abrange os professores com 15 ou mais anos de serviço, que nos últimos quatro tenham completado, pelo menos, 365 dias na rede de estabelecimentos públicos; a segunda fase, a concretizar-se um ano depois, será destinada a abranger os docentes com 10 ou mais anos de serviço e a terceira fase, reservada para 2019, aplicar-se-á aos que têm cinco ou mais anos de serviço.

Na última ronda de negociações com vista à revisão da legislação dos concursos de colocação de docentes, realizada em meados deste mês, a equipa do ministério questionou a Fenprof se estaria disponível para aceitar um processo faseado de vinculação extraordinária, ao que a federação respondeu pela positiva. Nessa mesma reunião, o ministério ter-se-á comprometido, segundo a Fenprof, a enviar aos sindicatos a sua proposta sobre a vinculação extraordinária até dia 28 de Dezembro. Tal não aconteceu.

Governo "está em falta"

“O Ministério da Educação está em falta”, frisou nesta quinta-feira o líder da Fenprof, Mário Nogueira, durante uma conferência de imprensa em que foram divulgadas as propostas que a federação enviou para o ministério nesta manhã.

Quanto à chamada norma-travão, elaborada pelo anterior ministro Nuno Crato para responder a um directiva europeia que proíbe a utilização abusiva dos contratos a prazo, a Fenprof dispõe-se a aceitar que, durante o período da vinculação, esta seja aplicada aos docentes que celebrem quatro contratos sucessivos em horário completo e anual. Depois deste período seriam aplicados os três anos de contrato para a entrada no quadro, como sucede com outros trabalhadores da função pública e do sector privado.

Na sua proposta sobre a norma- travão, a Fenprof defende também, ao contrário do que se encontra em vigor e que é também defendido pelo actual Governo, que os anos de contrato sejam contabilizados independentemente do grupo de recrutamento (disciplina) em que tenham sido prestados.

Num ofício dirigido à secretária de Estado Alexandra Leitão, a propósito da revisão do regime de concursos, o Provedor de Justiça alertou que as condições cumulativas existentes na norma travão [horários anuais sucessivos no mesmo grupo de recrutamento] “não são, em si mesmas, aptas a prosseguir os objectivos da Directiva [europeia], contendo, pelo contrário, a virtualidade de pôr em causa a consecução dos fins que esta proclama” ou seja, o fim da utilização abusiva dos contratos a prazo.