Putin ordena inquérito à queda de avião que eliminou famoso coro militar

Aparelho fabricado há 33 anos transportava o coro Alexandrov Ensemble, que ia cantar numa base aérea na Síria.

Fotogaleria
Homenagem ao principal maestro do Alexandronov Ensemble, Valeri Khalilov, em Moscovo, uma das vítiimas da queda do avião ALEXANDER UTKIN/AFP
Fotogaleria
Grande parte dos passageiros pertencia a coro militar AFP/JACQUES DEMARTHON
Fotogaleria
Homens do exército russo empurram carrinho com destroços do Tupolev que caiu perto de Sochi, no Mar Negro Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Imagem de arquivo de uma actuação do coro e corpo de bailado, em Paris, em 2015 AFP/JACQUES DEMARTHON
Fotogaleria
Uma foto de Elisaveta Glinka, fundadora de organização de solidariedade, que também viajava no avião AFP/VASILY MAXIMOV
Fotogaleria
Memoriais criados em memória das vítimas AFP/EKATERINA LYZLOVA
Fotogaleria
Menina presta homenagem aos que morreram no acidente AFP/ALEXANDER UTKIN
Fotogaleria
AFP/ALEXANDER UTKIN
Fotogaleria
AFP/ALEXANDER UTKIN
Fotogaleria
Reuters/SERGEI KARPUKHIN
Fotogaleria
Reuters/SERGEI KARPUKHIN

O Presidente russo, Vladimir Putin, pordenou a criação de uma comissão de inquérito, dirigida pelo primeiro-ministro, sobre a queda do avião militar que transportava o famoso coro do Exército Vermelho, o Alexandrov Ensemble, que ia actuar numa festa de Ano Novo numa base militar na Síria. Morreram as 92 pessoas a bordo. 

Foram já encontrados destroços do Tupolev Tu-154, que desapareceu dos radares às 2H27 TMG (a mesma hora em Lisboa) dois minutos após ter decolado do aeroporto da estância balnear de Sotchi, na costa do Mar Negro. O seu destino era a base aérea de Hmeimim, em Latakia, na Síria. Putin declarou um dia de de luto nacional.

"A zona da catástrofe foi determinada. Não há sinais de sobreviventes", disse um porta-voz do Ministério da Defesa esta tarde. “Os destroços do avião foram encontrados a quilómetro e meio do litoral de Stochi, a uma profundidade de 50 a 70 metros”, indicou o ministério, de acordo com o qual o aparelho tinha sido fabricado há 33 anos. 

"Apenas três dos cantores do coro não seguiam a bordo", explicou um dos membros que ficou em terra. No voo também viajavam músicos e bailarinos do Alexandrov Ensemble, bem como nove jornalistas, de várias televisões, dois altos funcionários públicos e a responsável de uma organização não governamental famosa na Rússia, Elizavéta Glinka, conhecida como "Dra. Liza", que levada medicamentos para o Hospital Universitário de Latakia. Durante os quase seis anos de guerra na Síria, esta zona litoral manteve-se sempre nas mãos das forças do Presidente Bashar Al-Assad, que Moscovo apoia.

As autoridades russas não estão a avançar como explicação o tratar-se de um atentado terorrista - mas o Alexandrov Ensemble é "como um cartão de visita da Rússia", deplorou o célebre pianista russo Denis Matsuiev, citado pela agência Ria-Novosti, que disse tratar-se de uma "terrível injustiça". E a "Dra Liza" era uma figura também bastante conhecida. Seriam alvos valiosos, no contexto da guerra na Síria, em que a Rússia se envolveu.

O ministro dos Transportes russo, Maxim Sokolov, começou o dia afastando qualquer possibilidade de atentado terrorista, dizendo que certamente haveria uma avaria ou falha humana por trás deste acidente. Mas à tarde, relata o Washington Post, disse que "todo o espectro" de motivos está a ser considerado, mas é cedo para especulações. 

Mais de 3000 pessoas, 27 embarcações, 37 mergulhadores, quatro helicópteros e drones foram mobilizados para tentar recuperar os cadáveres e os destroços, relata a AFP. Mais cem mergulhadores devem chegar em breve à zona do acidente. Até agora, só foram recuperados dez corpos.

O avião tinha partido originalmente de Moscovo, do aérodoromo Tchkalovski. Tinha parado em Sotchi apenas para reabastecer de combustível.

As autoridades militares abriram por seu turno um inquérito criminal e estão já a interrogar as pessoas responsáveis pela preparação do voo, com o objectivo de saber o que correu mal. Os media russos estão a passar uma gravação daquela que terá sido a última comunicação entre o piloto e a torre de controlo, na qual não se ouve qualquer referência a anomalias. Por fim, o Tupolev desaparece dos radares enquanto os controladores aéreos tentam, em vão, restabelecer o contacto com o avião. 

Desde 2015 que bombardeiros russos ajudam o presidente Bashar al-Assad a combater os seus opositores na guerra civil síria. A Rússia justifica o seu envolvimento com a ameaça da disseminação da violência perpetrada por grupos radicais islâmicos.

Sugerir correcção