Israel vai deixar de financiar a ONU, diz Netanyahu

Resolução que condena os colonatos "é vergonhosa". Primeiro-ministro israelita assume que está a retaliar contra decisão do Conselho de Segurança que EUA deixaram passar.

Foto
Entre Netanyahu e Obama as hostilidades estão declaradas Kevin Lamarque/REUTERS

Israel vai deixar de contribuir para o orçamento das Nações Unidas, em retaliação contra a adopção pelo Conselho de Segurança da ONU de uma resolução que exige o fim da construção de colonatos em Israel. Isso foi possível porque, pela primeira vez, os Estados Unidos abstiveram-se, permitindo que o documento passasse, numa atitude que o primeiro-ministro israelita considera “vergonhosa”.

“Dei instruções ao Ministério dos Negócios Estrangeiros para completar, no prazo de um mês, uma reavaliação de todos os nossos contactos com as Nações Unidas, incluindo o financiamento das instituições da ONU e a presença de representantes da ONU em Israel”, afirmou Netanyahu, num discurso transmitido em directo. “Já dei ordens para travar a transferência de 30 milhões de shekels (7,5 milhões de euros) de financiamento para cinco agências da ONU que são especialmente hostis a Israel… E esperem por mais”, declarou, sem especificar quais as entidades em causa, diz a Reuters.

Esta será uma das primeiras crises que António Guterres terá de enfrentar, quando tomar posse como secretário-geral das Nações Unidas, a 1 de Janeiro

Netanyahu lamentou “o absurdo” de a Administração de Barack Obama e do Conselho de Segurança atacarem “a única democracia no Médio Oriente”. Prometeu que a resolução será “cancelada”, ainda que possa demorar, e “não será por concessões de Israel, mas antes pela nossa firmeza e dos nossos aliados”, relata o site Ynetnews.

A política de construção de colonatos em território conquistado por Israel na guerra de 1967 aos seus vizinhos árabes, incluindo a Cisjordânia e Jerusalém Oriental é vista por muitos países como ilegal e um obstáculo à paz com os palestinianos – e outras nações, visto que este é um conflito que toma proporções regionais. Israel não concorda com esta visão, usando argumentos de direito ao solo que radicam no Velho Testamento.

Mas os Estados Unidos têm sempre evitado que resoluções condenando a política de Israel passassem no Conselho de Segurança, usando o seu direito de veto. Até sexta-feira, em que deixaram passar este texto, que não prevê sanções nem define abertamente como ilegais os colonatos israelitas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Defende, no entanto, que Israel deve “cessar imediata e totalmente as actividades de colonização nos territórios ocupados”, sublinhando que a expropriação de terras e construção de bairros naquelas zonas “não tem validade legal” à luz do direito internacional e “põe perigosamente em risco a viabilidade da solução de dois Estados”, sobre a qual assenta o consenso internacional para a paz.

Netanyahu reagiu com grande violência imediatamente, assegurando que Israel não iria cumprir a decisão da ONU. Donald Trump, o Presidente eleito dos EUA, disse no Twitter que as “coisas seriam diferentes na ONU” quando ele tomasse posse, a 20 de Janeiro.

Para já, o primeiro-ministro israelita conta com um novo aliado norte-americano: David Friedman, o próximo embaixador norte-americano em Israel, nomeado por Trump, é um fervoroso defensor dos colonatos nos territórios ocupados da Cisjordânia, que quer levar a embaixada para Jerusalém e é um defensor da construção de colonatos nos territórios ocupados da Cisjordânia. A Autoridade Palestiniana encara Jerusalém – onde estão localizados alguns dos principais templos das religiões cristã, judaica e muçulmana – como a capital de um futuro Estado palestiniano. 

A absenção dos EUA no Conselho de Segurança não foi uma decisão que surgiu do nada. Nos últimos anos, a Administração Obama trm endurecido a sua posição em relação à construção de colonatos apoiada pelo Governo israelita. Sem nunca se pronunciar quanto à ilegalidade, o mais comum é a utilização, nos meios diplomáticos, do termo “ilegítimo”, explica o Council on Foreign Relations. A Autoridade Palestiniana encara os colonatos como um dos maiores obstáculos ao estabelecimento de um Estado.