Teodora Cardoso alerta para o aumento das taxas de juro

A presidente do Conselho de Finanças Públicas diz que Portugal necessita de estabilidade financeira e de crescimento.

ENRIC VIVES-RUBIO/Arquivo
Foto
ENRIC VIVES-RUBIO/Arquivo

A presidente do Conselho de Finanças Públicas avisa que os juros da dívida portuguesa, actualmente baixos, vão aumentar. Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Teodora Cardoso que essa subida, aliada à elevada dívida de Portugal, pode originar um cenário económico prejudicial ao país.

“Portugal deve programar e levar por diante uma política económica que dê estabilidade financeira ao país e produza crescimento”, aconselha Teodora Cardoso. “O problema que a dívida põe é que temos uma dívida muito elevada e por enquanto os juros estão muito baixos porque as políticas monetárias têm ido nessa direcção. Mas isto vai mudar. E vai mudar porque a política americana vai mudar. Por isso, sem fazermos nada, sem ser nossa responsabilidade, as taxas de juro a que nos financiamos subirão”.

Ou seja, numa altura em que Portugal procura financiamento, esta possibilidade pode ser potencialmente prejudicial, diz a presidente do Conselho de Finanças Públicas.

Sobre o limite máximo da subida das taxas de juro para Portugal, Teodora Cardoso afirma que uma taxa de 5% já seria “extremamente difícil” de aguentar. “É extremamente difícil, e cada vez mais difícil. É difícil sobretudo porque implica uma restrição cada vez maior em termos orçamentais”, defende.

Em relação ao crescimento económico, Teodora Cardoso pede calma e prudência, afirmando que ainda é cedo para “cantar vitória” pelo crescimento registado em 2016: “Para já não vou tão longe quanto dizer que a economia também cresceu. A surpresa foram os dados do terceiro trimestre, que estão muito longe de estar suficientemente detalhados e percebidos”.