Casas para os moradores do Bairro do Aleixo alteradas

Construção nova prevista para a Travessa de Salgueiras ocupa mais terreno e as casas da Avenida de Fernão Magalhães devem mudar-se para as Eirinhas

Duas das cinco torres do Bairro do Aleixo foram demolidas pelo executivo de Rui Rio
Foto
Duas das cinco torres do Bairro do Aleixo foram demolidas pelo executivo de Rui Rio Paulo Pimenta

A Câmara do Porto deverá aprovar, na próxima terça-feira, uma alteração ao contrato referente à operação do Bairro do Aleixo que, na prática, altera a localização e o número de casas novas que serão construídas para realojar o bairro social semi-demolido. Na proposta que leva ao executivo, o presidente da câmara, Rui Moreira, justifica as mudanças com o tempo decorrido, que levou a “uma reponderação das necessidades sociais que o contrato visa suprir”.

Em causa estão as construções previstas para a Travessa dos Salgueiros e para a Avenida de Fernão de Magalhães. No primeiro caso, a câmara procedeu à “reformulação do projecto inicial com vista a optimizar o aproveitamento de áreas e aumentar o número de fogos a construir”. Na proposta a que o PÚBLICO teve acesso, Rui Moreira refere que esse projecto reformulado “já possui parecer prévio não vinculativo favorável homologado” pelo vereador do Urbanismo, Manuel Correia Fernandes. A nova proposta prevê que sejam construídas 29 habitações em 2473 metros quadrados de terreno (a proposta anterior, de 2012, apontava para 2149 metros quadrados). Estas casas novas deverão estar prontas e entregues ao município 13 meses após o visto do Tribunal de Contas à adenda do contrato.

A outra alteração refere-se à construção prevista para a Avenida de Fernão Magalhães, que é abandonada e trocada pela zona das Eirinhas, conforme já fora anunciado. Em Julho de 2012, previa-se que fossem construídas casas novas neste local em 3085 metros quadrados de terreno. Agora esta área é trocada por 2725 metros quadrados nas Eirinhas, onde serão construídos 36 novos fogos (e não os 48 inicialmente anunciados).

Na proposta que vai à reunião do executivo, Rui Moreira justifica esta alteração com a decisão, por um lado, de “não inviabilizar a ligação da Avenida de Fernão de Magalhães com os terrenos a nascente” e com o facto de o novo local “permitir construção nova com menores custos de escavação, tendo em conta que a zona alternativa das Eirinhas não corresponde a um maciço rochoso como o terreno inicialmente previsto”.

O documento ressalva, contudo, que o projecto de reparcelamento das Eirinhas ainda “aguarda visto do Tribunal de Contas”, pelo que o ante-projecto de arquitectura para a construção municipal nesta zona em vez da Avenida de Fernão de Magalhães “fica sujeita à condição de obtenção do referido visto pelo Tribunal de Contas e de parecer prévio não-vinculativo”. Tal como no caso da Travessa dos Salgueiros, o prazo para a entrega das casas novas à autarquia é de 13 meses após o visto do Tribunal de Contas.

Em Setembro, o executivo aprovou a cedência da posição da Gesfimo no Invesurb à Fund Box, que passou a ser a entidade gestora do fundo imobiliário do Aleixo. Agora, Rui Moreira argumenta na proposta que, agora, o contrato do Bairro do Aleixo está “numa nova fase” e que “estão finalmente reunidas as condições necessárias à conclusão das obras de reabilitação e de construção nova contratualmente previstas”.

Além das duas áreas de construção referidas, o fundo entregou já, em 2015, ao município, casas reabilitadas na Rua de Mouzinho da Silveira e das Musas. Está ainda prevista construção e reabilitação na zona do Bairro do Leal, no total de 5121 metros quadrados. Estas obras devem ser entregues à câmara 22 meses após a entrega do Bairro do Leal pelo município ao fundo.

As alterações que vão agora ser autorizadas pelo executivo terão ainda que ser submetidas à aprovação da Assembleia Municipal.