“Prodígio” da música erudita estreia ópera em Viena aos 11 anos

Cinderella conta a história de uma jovem compositora que oferece ao seu príncipe, um poeta, uma melodia.

Alma Deutcher ao piano. (foto retirada da página de facebook da artistas)
Foto
Alma Deutcher ao piano, numa fotografia retirada da página de Facebook da artista DR

Com apenas 11 anos, Alma Deutscher prepara-se para estrear em Viena uma ópera. É o mais recente feito de uma jovem prodígio que começou a compor com seis anos – sonatas para piano e concertos para violino – e editou o primeiro álbum aos oito.

A ópera Cinderella terá a sua primeira apresentação a 29 de Dezembro no Casino Baumgarten Wien, na mesma cidade onde tocaram Schubert e Mozart, compositores a quem é muitas vezes comparada. Alma tocará violino e piano juntamente com a orquestra que a acompanhará.

O palco não assusta este pequeno prodígio, há muito habituada a dar espectáculos. Em Fevereiro, Alma confidenciou ao Guardian que nunca ficava “nervosa em palco”. “Quando toco, tenho o controlo, sei o que estou a fazer e por isso não vejo por que ficar nervosa”, disse.

Foi esta confiança que arrebatou o maestro indiano Zubin Mehta, director musical honorário do Teatro de San Carlo, em Nápoles, conhecido por apoiar jovens talentos e actual patrono na produção de Cinderella em Viena.

Apesar de tão tenra idade, Alma Deutscher tem no curriculum trabalhos que lhe valeram a atenção do meio artístico. Prova disso são as declarações da soprano australiana Anna Voshege, que nesta ópera interpreta a meia-irmã da heroína. “Ouvi a música antes de saber a sua idade, e fiquei em choque. Ela tem nuances verdadeiramente complexas, verdadeiramente especiais”, afirmou a soprano, citada pelo Le Figaro.

"Quando ela começou a escrever as suas próprias canções, percebemos que estávamos perante alguém realmente especial", disse o pai da jovem compositora, Guy Deutscher, ao mesmo jornal francês. Alma vive com os pais no Sul de Londres e é em casa que aprende o que as outras crianças da sua idade aprendem na escola – foi a forma encontrada pelos pais para a criança conseguir responder a todas as solicitações para espectáculos.

A história de Cinderella passa-se num país imaginário habitado por músicos imaginários. A heroína é uma jovem compositora que oferece ao seu príncipe, um poeta, uma melodia.

Texto editado por Hugo Torres