Enchente em Serralves para ver Mirós

Neto de Miró comovido com "resposta popular" que levou este domingo milhares de pessoas à exposição em Serralves.

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Fotogaleria

Entre os milhares de pessoas que aproveitaram a ensolarada manhã deste domingo no Porto para visitar a exposição Joan Miró: Materialidade e Metamorfose na Casa de Serralves - a fila era tão grande que extravasou para a rua e chegou a ocupar todo o quarteirão -, contava-se um neto do artista, Joan Punyet Miró, que garante que esta é “uma colecção única, com uma personalidade própria, que pode ser levada à Austrália ou às Américas como uma exposição antológica de Joan Miró”.

O neto do artista catalão integra as administrações das fundações Miró em Barcelona e Palma de Maiorca, a que recentemente se veio juntar outra na pequena povoação de Mont-Roig, na Catalunha. Profundo conhecedor da obra do avô, Joan Punyet chegou discretamente a Serralves com a mulher e alguns amigos, aos quais proporcionou uma verdadeira visita guiada pela exposição.

Para o neto de Miró, “foi uma sorte” esta colecção ficar em Serralves, já que, diz, isso permitirá um trabalho conjunto com o Museu Reina Sofía, em Madrid, e com as fundações de Barcelona e Palma de Maiorca, “cumprindo a grande ambição de [Miguel de] Unamuno de unir os povos ibéricos”. E a quem possa achar a declaração um pouco hiperbólica, nota que “a inauguração desta exposição já foi uma espécie de cimeira hispano-lusa, um acontecimento de relevância internacional”.

Confrontado com a multidão que fazia fila para ver a exposição - funcionários do Museu de Serralves dizem que não se lembravam de nada assim desde a exposição de Paula Rego, em 2004 -, o neto de Miró “ficou muito comovido com a resposta popular”, disse ao PÚBLICO a sua mulher, a jornalista Marisol Ramírez. Elogiando o “trabalho fantástico” do comissário Robert Lubar Messeri e o “génio de Siza”, Joan Punyet Miró explicou que nunca tinha visto ao vivo muitas destas peças, e que só as conhecia de fotografias. “Impressionou-me a grande quantidade de obras extraordinárias, quer do ponto de vista artístico, quer no plano dos materiais e das formas”, disse. “Estamos aqui perante 60 anos da criação do meu avô, e todos os períodos importantes estão representados: esta é uma colecção com uma personalidade única, compacta, que muitos museus do mundo invejariam”.

Punyet Miró acha que “é um privilégio para Portugal ter uma relação tão importante com a obra de Miró”, e está satisfeito por esta colecção ir permanecer no Porto. “Claro que é muito interessante que fique aqui, na cidade onde esteve Sonia Delaunay, a fugir da I Guerra Mundial, onde Eiffel desenhou pontes, que tem a Casa de Chá de Siza, uma cidade de grande cultura artística e literária, e também gastronómica”.

Confrontado com o facto de bastantes visitantes parecerem particularmente impressionados com as tapeçarias de Miró representadas na exposição - algumas das 33 que o pintor realizou em 1972 e 1973, conhecidas como sobreteixim (sobretecidos) -, Joan Punyet classifica-as como “anti-pintura” e acha que a sua força tem a ver com o facto de ter sido nelas que o avô espelhou “toda a fúria, raiva e frustração de um homem que via o que ele via naquela época”, lembrando o golpe de Pinochet e a “grande convulsão política” de Espanha no final do franquismo. “Em 1975, não queríamos outra guerra civil, e o meu avô, que se tornara o pintor mais importante do mundo após a morte de Picasso, em 1973, sentia que tinha de ajudar a que houvesse uma transição democrática em Espanha”. Uma “responsabilidade cultural e social” que lhe impunha cautelas diplomáticas, de modo que “toda essa tensão e frustração que sentia eram direccionadas para a sua obra”. 

Ganzolas e ar condicionado

Como as manhãs do primeiro domingo de cada mês são gratuitas em Serralves, a exposição de Miró recebeu ainda mais visitantes no domingo do que recebera no sábado, o primeiro dia em que esteve aberta ao público, após a inauguração de sexta-feira, limitada a convidados. E embora a segurança de Serralves fosse assegurando que o número de pessoas dentro da Casa não ultrapassasse as 200, o que obrigou muita gente a esperar mais de uma hora, mesmo assim, para ver a obra seguinte, era muitas vezes preciso esperar que quem ia adiante acabasse de se fazer fotografar diante dela.

Mas quem já tinha visto a exposição, achava que a espera tinha valido a pena. Luc Gagné e Louise Barière, um casal de canadianos do Quebeque em férias no Porto, já tencionavam visitar o Museu de Serralves: “Gostamos muito de arte contemporânea, mas encontrámos uns portugueses no restaurante que nos disseram que não podíamos perder esta exposição”. O que não sabiam é que nesta precisa manhã as entradas eram gratuitas e assustaram-se um bocado com a fila: “Oh-lá-lá, era muita gente! Chegamos às 10h45 e entrámos às 12h30”, diz Louise. Mas não dá o tempo por perdido. “A exposição é magnífica - não sabia que ele também fazia tapeçarias - e a casa é lindíssima, tem um ar muito contemporâneo”.

Nina, uma espanhola que vive em Madrid e conhece bem a colecção de Miró do Museu Reina Sofía, diz que esta é “uma exposição muito completa e que vale a pena ver”. A passar uns dias no Porto, já conhecia Serralves e também ela elogia a beleza da casa cor-de-rosa agora ocupada por este novo inquilino. “Conheci a Casa quando estava vazia e é maravilhosa, um lugar estupendo”.

Tiago e Gonçalo, ambos de 17 anos, ouviram falar da exposição nos noticiários e resolveram vir vê-la com os seus próprios olhos. Tiago já tinha ouvido falar de Miró, mas não conhecia a obra, e o amigo nunca ouvira falar do pintor catalão. Agora que já viram as peças, parecem ter ficado com vontade de repetir: “Acho óptimo isto ter ficado no Porto e podermos vir aqui quando quisermos”, diz Tiago.

Como lisboeta, era inevitável perguntar a Francisco Queiroz, que estava no Porto a apresentar uma peça que encenou a partir de um texto de Joaquim Pessoa, e que achou que “não podia ir embora sem ver a exposição”, o que pensava da decisão de manter a colecção Miró no Porto. “Digamos que as obras merecem este espaço e que o espaço merece estas obras”.

Quando já parecia que o Porto era um alfobre de fãs incondicionais de Miró, Helena Dias quebrou a unanimidade. “A mim, isto realmente não me impressiona nada, dou mais valor ao artista que fez o ar condicionado”. E está convencida, embora não fume, que “basta fumar umas ganzolas e faz-se isto”. Já a Casa de Serralves, que não conhecia, acha-a “fantástica, fabulosa”. E se não aprecia os Mirós, parece-lhe bem que fiquem no Porto: “Valorizam a cidade, e lá por não me dizerem nada a mim, não falta gente a quem digam”.