Ministro do Ambiente apresenta investimentos de 32 milhões no Litoral Norte

Os investimentos serão feitos em vários pontos dos concelhos de Caminha, Viana do Castelo, Esposende, Póvoa de Varzim, Matosinhos, Porto, Gaia e Espinho.

O Plano prevê intervenções na costa em Espinho
Foto
O Plano prevê intervenções na costa em Espinho Paulo Pimenta

O Ministro do Ambiente, visita este sábado intervenções de protecção do litoral na zona envolvente à Capela de Paramos, em espinho, e nas praias da Granja e Valadares, em Gaia. Na Estação Litoral da Aguda, João Pedro Matos Fernandes preside à sessão de apresentação do Plano de Açção para o Litoral Norte, um conjunto de investimentos na ordem dos 32 milhões de euros.

As medidas de protecção da costa – incluindo, também, intervenções nas margens do Douro, em Gaia – vão decorrer entre 2016 e 2019 na zona costeira entre Caminha e Espinho. Prevêem a reabilitação de esporões, obras de reconstituição dunar, demolições de construções que estão em Domínio Público Marítimo, a construção de Ecovias, o ordenamento de áreas de estacionamento e a recuperação de passadiços, adiantou esta sexta-feira o Ministério do Ambiente.

É sabido que a costa Norte enfrenta problemas de erosão, nomeadamente a subida da linha de costa o que, associado a fenómenos meteorológicos extremos provoca galgamentos e o emagrecimento das praias balneares, afectando também, algumas zonas habitadas. Os investimentos, cuja necessidade estava já identificada na Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Orla Costeira deverão mitigar os efeitos das alterações climáticas em vários pontos dos concelhos de Caminha, Viana do Castelo, Esposende, Póvoa de Varzim, Matosinhos, Porto, Gaia e Espinho, que estão sob alçada do mesmo Plano de Ordenamento da Orla Costeira.   

Curiosamente, uma das obras mais dispendiosas deste pacote que é apresentado neste sábado não será executada na costa mas sim nas margens do Douro, em Gaia, com o objectivo de prevenção das cheias. A intervenção de reforço da protecção da margem do rio Douro entre a quinta dos cubos (Oliveira do Douro) e o cais do Esteiro (Avintes) – Fase I representa um investimento de 2,5 milhões de euros, o que atira o total de investimento previsto para Gaia para cerca de dez milhões de euros, ou seja, quase um terço deste bolo de 32 milhões .

No início desta jornada direccionada para os problemas na costa, Matos Fernandes visita a intervenção de reabilitação da estrutura longitudinal aderente da envolvente à Capela de Paramos, em Espinho. Uma obra que custa apenas 50 mil euros mas que é considerada “vital para manter um nível de risco controlável”, no conjunto de esporões de que este faz parte.