Facebook cede e permite partilha de fotografia histórica da Guerra do Vietname

Uma icónica imagem da Guerra do Vietname foi várias vezes removida pela rede social, porque mostrava uma criança nua.

Fotogaleria
Captura de ecrã do post original do "Aftenposten" DR
Fotogaleria
Comentário da cartonista Inge Grødum para o "Aftenposten". O jornal questiona se o algoritmo do Facebook deixará passar a fotografia de Nick Ut desta forma "Aftenposten"
Fotogaleria
A fotografia de Nick Ut é uma das mais icónicas da Guerra do Vietname

A decisão do Facebook de apagar uma publicação com uma fotografia icónica da guerra do Vietname fez estalar uma polémica que envolve jornais e a primeira-ministra da Noruega, e que veio sublinhar o poder de uma plataforma que é um dos maiores distribuidores de informação do mundo, mas que não se rege pelas regras dos meios de comunicação tradicionais. A rede social acabou por ceder e na tarde desta sexta-feira passou a permitir que a fotografia fosse partilhada pelos utilizadores.

A histórica começou há umas semanas, quando o escritor norueguês Tom Egeland publicou sete fotografias que considerou terem mudado o curso de conflitos armados. Entre elas, estava a conhecida imagem de uma criança vietnamita descalça e nua, rodeada de outras crianças e de soldados, a fugir de um ataque com bombas de napalm. Então com nove anos, Kim-Phuc ficou queimada nas costas e braços na sequência do ataque. O irmão mais novo morreu. A fotografia, que daria ao fotógrafo Nick Ut um prestigiado prémio Pulitzer, ajudou a corrente de opinião que se opunha à guerra.

O Facebook, que tem um historial de proibir imagens com pessoas nuas (incluindo, até recentemente, quadros famosos) decidiu remover a fotografia. Egeland protestou e acabou suspenso da rede social.

O jornal norueguês "Aftenposten" relatou a suspensão, numa notícia que foi partilhada no Facebook e que estava ilustrada com a fotografia em causa. De acordo com o que o próprio "Aftenposten" narrou, o jornal recebeu então uma mensagem do Facebook com a indicação de que a imagem deveria ser removida ou pixelizada (uma técnica usada frequentemente para distorcer partes de uma fotografia). Antes que o jornal respondesse, a rede social decidiu remover o artigo e a respectiva fotografia.

A actuação do Facebook levou o jornal a fazer uma edição com uma capa inteiramente dedicada ao tema e o director da publicação, Espen Egil Hansen, escreveu uma carta aberta ao presidente da rede social, Mark Zuckerberg, em que o acusa de abuso de poder e de não ter estado à altura da responsabilidade que tem na qualidade de “editor mais poderoso do mundo”.

“Acho que está a abusar do seu poder, e tenho dificuldades em acreditar que tenha pensado nisto a sério”, afirma Hansen, na carta que foi publicada nesta quinta-feira à noite. “Os media livre e independentes têm a importante tarefa de dar informação, incluindo fotografias, que por vezes pode ser desagradável, e que as elites no poder e talvez até os cidadãos comuns não aguentam ver ou ouvir, mas que podem ser importantes precisamente por essa razão”.

O texto do jornalista argumenta que o Facebook se tornou demasiado grande para que os jornais possam prescindir dele e que o controlo que o Facebook exerce condiciona a liberdade das redacções para darem informação. A carta aberta está a ser amplamente citada na imprensa internacional. 

O caso da fotografia do Vietname não se ficou pela remoção da notícia do jornal. Nesta sexta-feira, a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, bem como outros políticos daquele país, publicaram a fotografia do ataque de Napalm. “Aprecio o trabalho do Facebook e de outros media para evitar imagens e conteúdos que mostram abuso e violência. Mas o Facebook está errado quando censura imagens como esta. Contribui para restringir a liberdade de expressão”, afirmou Solberg.

A publicação da primeira-ministra, no entanto, acabou também por ser apagada. Em resposta, Solberg fez uma outra publicação, com seis fotografias históricas em que elementos-chave surgem ironicamente tapados com um rectângulo negro. “Espero que o Facebook use esta oportunidade para rever as suas políticas de edição, e assumir a responsabilidade de uma grande empresa que gere uma vasta plataforma de comunicação”, escreveu.

A rede social acabou por voltar atrás. “Normalmente, seria de presumir que a imagem de uma criança nua viola os nossos padrões de comunidade, e em alguns países pode até ser considerada pornografia infantil. Neste caso, reconhecemos a história e a importância global desta imagem em documentar um momento particular no tempo”, afirmou a empresa, num comunicado. O Facebook acrescentou que as imagens já removidas serão repostas e que o sistema será adaptado para permitir que a fotografia continue a ser partilhada.

O Facebook é, de longe, a maior rede social do mundo, com 1130 milhões de utilizadores diários. É também a principal fonte de informação para milhões de pessoas. Um estudo do Instituto Reuters indica que 44% de todos os utilizadores recorrem ao Facebook para consumir notícias.

Os algoritmos e as políticas de publicação seguidas pela rede social determinam aquilo que o utilizador vê quando acede à plataforma e que é, em grande medida, determinado pelas suas preferências, comportamentos anteriores e relacionamento com quem publica. A informação apresentada pela rede a cada pessoa já várias vezes foi criticada. No mês passado, a empresa decidiu despedir funcionários que estavam encarregues de escrever descrições dos temas de actualidade populares ou dignos de nota, passando a apresentá-los de forma mais simples. A medida seguiu-se a críticas de que a apresentação daqueles temas tinha inclinações políticas.