Quem é o novo líder da Caixa Geral de Depósitos

Aos 59 anos, António Domingues tem a missão de conduzir o maior banco português de volta aos lucros.

António Domingues, novo presidente da CGD, quer garantias do aval de Bruxelas
Foto
António Domingues foi ontem oficializado como presidente executivo da CGD Fernando Veludo/NFactos

De número dois de um dos banqueiros mais mediáticos -- Fernando Ulrich --, António Domingues passa a partir desta quarta-feira a liderar o maior banco português, detido a 100% pelo Estado. A sua escolha foi noticiada, pela primeira vez, a 16 de Abril, dia em que o Expresso deu conta de que o vice-presidente do BPI iria substituir José de Matos, que esteve dois mandatos à frente do banco público.

Desde então, António Domingues não falou publicamente uma única vez sobre a sua nomeação ou sobre a CGD, apesar de o seu nome, e o do banco, terem já feito correr muita tinta, nomeadamente por causa do plano de recapitalização negociado com Bruxelas, dos nomes do conselho de administração e dos trabalhos da comissão parlamentar de inquérito. 

Formalmente, António Domingues só se desligou do BPI a 30 de Maio, e, na segunda-feira, deixou o cargo que detinha no conselho de administração da NOS (da qual o BPI é accionista). Aos 59 anos (nasceu a 30 de Dezembro de 1956), o gestor tem a missão de aplicar o que foi acordado com Bruxelas, no âmbito do plano de recapitalização, e colocar a CGD de volta aos lucros. Para já, conseguiu acumular a presidência executiva com a presidência do conselho de administração, mas o modelo de governação irá ser reanalisado dentro de seis meses.

Licenciado em economia pelo ISEG, António Domingues trabalhou no gabinete de estudos e planeamento do Ministério da Indústria e Energia, foi economista do Iapmei e, entre 1982, foi director do departamento de estrangeiro do Instituto Emissor de Macau. Daqui, passou em 1986 para o Banco de Portugal, onde foi técnico assessor do departamento de estrangeiro durante cerca de três anos. Entre 1988 e 89, antes de entrar para o BPI, foi ainda director-geral adjunto da sucursal em França do BPA.

Enquanto membro da comissão executiva do BPI, tinha a seu cargo áreas como a financeira, auditoria, e o sector empresarial do Estado, além de estar ligado aos negócios do banco em Angola e Moçambique. Estes dois últimos países são, aliás, geografias onde a CGD quer continuar a apostar (no caso de Moçambique, a CGD é parceira do BPI no BCI). E foi ao banco do BPI em Angola que Domingues foi buscar um dos novos administradores executivos da CGD: Emídio Pinheiro, até aqui presidente do BFA. Ligados ao BPI estiveram também outros executivos: João Tudela Martins e Tiago Marques, bem como Paulo Silva (embora este último estivesse agora na Vodafone). A estes nomes juntam-se os de Cabral Menezes (já estava na CGD, no Brasil) e Pedro Leitão (ex-PT). Tanto António Domingues como os restantes gestores irão beneficiar de um novo modelo remuneratório.