Resposta da Madeira aos incêndios é um exemplo para o país, diz Marcelo

Presidente iniciou visita de três dias à região autónoma, onde vai visitar as ilhas Desertas e as Ilhas Selvagens.

Foto
Marcelo Rebelo de Sousa comparou os apoios dados à Madeira com os do sismo em Itália Daniel Rocha

O Presidente da República afirmou este domingo que a Madeira pode servir de exemplo para o continente, na forma como respondeu aos problemas causados pelos incêndios que assolaram a região autónoma há menos de duas semanas.

Aqui, notou Marcelo Rebelo de Sousa, os problemas são mais “complexos e concentrados” do que em São Pedro do Sul, que visitou recentemente, mas a Madeira pode ser um exemplo para o continente, na maneira como o governo regional tem vindo a trabalhar no auxílio às vítimas.  

Falando aos jornalistas durante uma visita ao bairro da Cancela, nos arredores do Funchal, onde 16 das 233 famílias vítimas dos incêndios foram realojadas provisoriamente, o chefe de Estado disse ter encontrado “sinais muito impressionantes” na recuperação da cidade, principalmente para quem, como ele, visitou as zonas mais afectadas logo após os fogos. “Para quem aqui veio há duas semanas, acho que se virou uma página”, disse, garantindo que não vai deixar que os incêndios caiam no esquecimento até ao próximo Verão.

Durante parte da viagem para a Madeira, confidenciou, Marcelo foi a falar com a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, já sobre o próximo ano. Não adiantou pormenores da conversa – a ministra, questionada depois pelos jornalistas, também nada acrescentou –, e recusou alimentar “debates prematuros” sobre o reforço de meios aéreos.

Preferiu sim, valorizar a resposta do país à tragédia que se viveu em Agosto, em particular na Madeira. “Aqui já houve, entre linhas de crédito e decisões apalavradas, 60 e tal milhões avançados. Em Itália, com aquela tragédia [terramoto] o Governo de Renzi anunciou 50 milhões”, comparou, elogiando a “generosidade financeira” dos portugueses.

Marcelo, que começou este domingo a terceira visita oficial à Madeira desde que chegou a Belém em Fevereiro passado, passou primeiro pelo Regimento de Guarnição n.º3 (RG3), o quartel militar que serviu de abrigo aos deslocados pelos incêndios. Uma visita protocolar, onde depositou uma coroa de flores do Monumento aos Combatentes, e assistiu à demonstração de capacidades daquela unidade.

Partiu depois para a Cancela, onde se encontrou com famílias com quem tinha estado há duas semanas no RG3, quando estas tinham sido alojadas naquele local. Encontrou também Margarida, uma menina de 9 anos, feitos a 15 de Agosto, cuja casa da família foi destruída nos incêndios. A criança leu uma carta ao Presidente, agradecendo a visita e o apoio. Recebeu dois beijinhos e teve direito a uma sefie.

Esta capacidade de “olhar o futuro” depois de tudo perder admirou Marcelo, que continuou a ser surpreendido mais tarde, já num dos centros históricos do Funchal, quando ouviu o autarca local, Paulo Cafôfo, dizer que a reposta aos incêndios será repensar toda a cidade.

Para já, explicou Cafôfo, foi criado um gabinete e convidado o arquitecto Paulo David, que terá a cargo a componente científica do projecto, cujo esboço estará concluído até ao final do ano. “Queremos reinventar a cidade”, disse Paulo David, explicando que a intervenção terá contributos internacionais, através da Universidade de São Paulo e do Instituto Politécnico de Milão.

A visita à região prossegue segunda-feira, com uma visita a um centro de maricultura, uma deslocação às ilhas Desertas, situadas ao largo da Madeira, com Marcelo a terminar o dia num jantar de apoio aos bombeiros no Funchal.

Terça-feira, último dia da deslocação, o chefe de Estado viaja até às ilhas Selvagens, onde vai conhecer aquela reserva natural, e visitar o posto da Polícia Marítima recém-instalado naquele sub-arquipélago.

Esta deslocação, justificou Marcelo quando anunciou em Junho passado o desejo de conhecer as Selvagens, é motivada apenas pela “curiosidade”, mas o facto de aquelas ilhas terem um histórico de conflitualidade entre Portugal e Espanha não será alheia a esta visita. Espanha classifica as Selvagens como rochedos, o que a luz do direito marítimo as impede de ter uma Zona Económica Exclusiva (ZEE). Lisboa tem visão diferente, e tem insistido que são ilhas, e como tal têm direito a ter uma ZEE.

Marcelo Rebelo de Sousa é quarto chefe de Estado a visitar aquelas ilhas, depois de Mário Soares (1991), Jorge Sampaio (2003) e Cavaco Silva (2013).