Atleta olímpico substituído por protagonista de publicidade abandona o desporto

A polémica estalou na passada semana quando um atleta do Sudão do Sul foi desconvocado para dar lugar a uma outra desportista, protagonista de uma campanha da Samsung.

Foto
O atleta de dupla-nacionalidade escolheu competir pelo Sudão do Sul em homenagem ao seu pai, morto durante a guerra civil do Sudão DR

A estreia do Sudão do Sul nos Jogos Olímpicos irá ficar marcada na história por um escândalo na escolha dos atletas em competição. Em causa está a desconvocação de Mangar Makur Chuot, um velocista de 25 anos, e sua substituição por uma atleta que foi escolhida não com base no seu desempenho desportivo, mas por protagonizar uma campanha publicitária para a Samsung.

O atleta recorreu da decisão da comitiva olímpica do Sudão do Sul, que lhe foi comunicada por email uma semana antes dos Jogos, mas o Tribunal Arbitral do Desporto não lhe deu razão, avança o Guardian. É o fim de uma história que começou num campo de refugiados e queria terminar no Rio de Janeiro.

Depois de tomar conhecimento da decisão do departamento ad hoc do Tribunal Arbitral do Desporto para os Jogos do Rio 2016, cujos fundamentos ainda não são conhecidos, Makur Chout anunciou que iria abandonar o desporto de vez. “Neste momento, abandonar o desporto que amo parece ser a única opção que mantém a minha integridade pessoal”, afirmou.

“Por favor compreendam que não posso ser associado a um desporto que ignora uma corrupção descarada e abandona as regras de uma forma tão casual”, escreveu o atleta na sua página de Facebook.

A federação sul-sudanesa apoiou o atleta no caso, desclassificando os atletas nomeados pelo comité olímpico do Sudão do Sul, mas o o comité permaneceu irredutível. O secretário-geral do Comité Olímpico sul-sudanês admitiu que a presença de Margret Rumat Rumar na campanha de um dos patrocinadores oficiais dos Jogos pressionou a escolha. “Ela foi contratada pela Samsung para um anúncio rumo ao Rio, por isso temos de completar a história dela no Rio”, afirmou Tong Chor Malek Deran num email enviado ao Guardian.

Chout tinha sido seleccionado em Dezembro do último ano, depois de ter falhado a presença nos Jogos Olímpicos de Londres por lesão.

Em declarações ao jornal britânico, a Samsung afirma não ter "qualquer acordo de patrocínios com a equipa olímpica sul-sudanesa e não esteve envolvida nas decisões do Comité Olímpico do Sudão do Sul".

O atleta nasceu e cresceu num Sudão em plena guerra civil, onde perdeu o pai. Esteve num campo de refugiados no Quénia, com a mãe e irmãos e em 2008 foram colocados na Austrália, onde conseguiu dupla-nacionalidade. Foi descoberto por um técnico - que ainda o acompanha -, enquanto corria num parque australiano, tinha ele 16 anos. Apesar de estar radicado em Perth, na Austrália, Chuot tinha optado por correr pelo Sudão do Sul em homenagem ao seu pai.