Uma livraria criada por curadores de todo o mundo

Florentin Bosse escolheu o stock da sua livraria – a Letters Matters, que abriu a 1 de Julho em Lisboa – a partir dos dez livros favoritos de cerca de 500 pessoas.

Fotogaleria
Florentin Bosse, o romeno de origem alemã que abriu uma livraria em Lisboa DR
Fotogaleria
A Letters Matters quer criar uma atmosfera convidativa à leitura DR
Fotogaleria
A Letters Matters quer criar uma atmosfera convidativa à leitura DR
Fotogaleria
Cerca de 500 pessoas de vários países do mundo escolheram os livros que estão à venda na Letters Matters DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
A livraria também tem uma área de restaurante DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Florentin Bosse é dono de uma postura descontraída e de um olhar nómada que contém o mundo. À primeira vista, ninguém adivinharia o número de anos que trabalhou de fato e gravata num banco, com o sonho de adquirir uma vinha e gozar a reforma confortavelmente.

Quando a sua vida sofreu uma reviravolta pessoal, decidiu isolar-se da sociedade e imergir na Natureza, fazendo 3800 quilómetros a pé em seis meses, entre Berlim e Santiago de Compostela. Mas não sentiu que a sua jornada estivesse completa.

Florentin, romeno de origem alemã, seguiu viagem até Lisboa e mudou radicalmente o seu objectivo. “Apercebi-me de que era um sonho egoísta e quis fazer algo para os outros”, começa por contar.

Foi esse sentido de propósito que, aliado ao gosto de sempre pela leitura, alertou Florentin Bosse para a necessidade de sobrevivência da literatura no mundo digital em que vivemos. “Conheci pessoas que me disseram que já não lêem porque, se precisarem de saber alguma coisa, podem ver um resumo ou consultar as redes sociais”, lamenta.

Foi então que pediu a amigos e a desconhecidos espalhados pelo mundo que lhe dessem uma lista com os seus dez livros favoritos para poder reunir a “herança cultural de todos nós” no mesmo espaço e, assim, “resgatar a paixão das pessoas pela leitura”. A experiência procurou, também, combater as pressões do mercado. “Quis aqui colocar os melhores livros de sempre e os bestsellers normalmente não são os melhores livros”, diz.

Assim nasceu, no dia 1 de Julho, a livraria Letters Matters, em Lisboa, que conta com mais de 2000 livros seleccionados por cerca de 500 curadores. Quem entra no nº21 da Rua Rodrigo da Fonseca, ao Largo do Rato, encontra um espaço familiar e acolhedor, com um lounge à entrada ladeado, à esquerda, por uma estante decorada com retratos de escritores como Virginia Woolf, Fernando Pessoa e Oscar Wilde. Na parede da direita, mais imagens de autores como Gabriel García Márquez, “todos propositadamente sem legendas, para criar curiosidade nas pessoas e ver se elas reconhecem as caras”.

O que chama mais a atenção do olhar é o grande painel da parede à direita, que eterniza os nomes dos leitores que cederam as suas listas de “livros que acham tão bons que sentem que toda a gente tem de os ler”. Carmen Padgoeran (Argentina), Felipe Carneiro (Brasil), Sara Gröte (Alemanha), Vincent Boilay (França), Cristina Cormanac (Roménia) e Louise Carmichael (Reino Unido) são apenas alguns dos curadores que fazem parte da história da Letters Matters. O escritor e colunista do PÚBLICO Miguel Esteves Cardoso doou a sua lista a Florentin Bosse, “porque ouviu falar do projecto e gostou da ideia”. Mas também os livros da vida de Gabriel García Márquez (Colômbia) e Ernest Hemingway (Estados Unidos) estão ali. “Fiz um pouco de batota, admito, vi as listas dos favoritos deles on-line”, confessa Florentin, divertido.

Os curadores da Letters Matters vêm dos quatro cantos do mundo e têm idades, religiões e orientações sexuais diferentes. Factor esse que ajudou à surpresa de Florentin Bosse quando olhou para os dez favoritos de toda a gente e percebeu que havia cerca de 50 livros comuns a grande parte dos leitores. É o caso de títulos como O Príncipezinho, de Antoine Saint-Exupéry, O Alquimista, de Paulo Coelho, À Espera no Centeio, de J.D. Sallinger e Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez. “É muito recompensador verificar que encaramos a qualidade da mesma maneira”, diz.

A Letters Matters foi criada a pensar nas diferentes personalidades dos visitantes, com o objectivo de criar uma atmosfera convidativa à leitura. “Temos uma área de estudo e intelectual, temos uma área mais de conversa e outra de restaurante”, conta Florentin. Os próprios livros que habitam as estantes são companheiros para todos os gostos. Há os thrillers misteriosos de Dan Brown, as aventuras de Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle, os grandes volumes de fantasia de Ken Follett, as sagas de Harry Potter e Senhor dos Anéis, os filósofos Jean-Paul Sartre e Noam ChomskyFernando Pessoa e os seus heterónimos.

Florentin pretende devolver a leitura às pessoas num presente digital em que a imagem predomina, seja através da televisão, do cinema, do YouTube ou do Instagram, e fazê-las perceber que tudo tem origem nas letras. “Um filme, por exemplo, tem sempre um guião escrito e uma equipa que o lê e nos apresenta a sua interpretação dele”, explica o fundador, que acredita que cada pessoa deve mergulhar no livro e criar a sua própria história. “Se lermos, ficamos mais inteligentes e perspicazes e com um vocabulário mais alargado.”

Ainda a dar os primeiros passos, a Letters Matters deverá tornar-se, aos poucos, um centro de debate cultural onde as pessoas se devem dirigir “se quiserem sonhar de olhos abertos e explorar outros mundos que talvez sejam a única realidade verdadeira”. Um sítio onde se possa jogar xadrez, ler e trocar ideias, assistir a debates literários e lançamentos de livros, visitar exposições.

Florentin Bosse é guiado por uma fé inabalável que contraria os cépticos que clamam que o fim dos livros em papel será inevitável. “O livro é parte da Natureza; se olharmos através de um microscópio, há bactérias. Há sempre alguma forma de vida”, diz. E, venham Kindles, e-books, ou outros substitutos, nada pode matar a magia de ter um livro na mão, de poder folheá-lo e apreciar o cheiro do papel.

Texto editado por Inês Nadais

Notícia corrigida às 10:40 do dia 2 de agosto, rectificando o número de títulos apresentados na livraria: são mais de 2000 (em vez de 200) os livros disponíveis.