É uma "arrogância" pensar que só existe vida na Terra, diz astronauta canadiano

Chris Hadfield escreveu Guia de um astronauta para viver bem na Terra.

O astronauta em funções em 2013
Foto
O astronauta em funções em 2013 REUTERS/Sergei Remezov

O astronauta canadiano Chris Hadfield, autor de um livro autobiográfico, Guia de um astronauta para viver bem na Terra, editado em Junho, em Portugal pela Pergaminho, considera "uma arrogância" pensar-se que só existe vida na Terra, sustentando que a exploração espacial "vai continuar", porque faz parte da "natureza humana".

Chris Hadfield, 56 anos, reformou-se em 2013, ao fim de 21 anos de carreira como astronauta. Participou em três missões espaciais, a última das quais, há três anos, como comandante de uma expedição à Estação Espacial Internacional, onde esteve durante cinco meses.
Foi o primeiro astronauta canadiano a fazer uma caminhada espacial e a comandar uma expedição à estação.

Apesar de reformado, continua a assumir-se como astronauta, o que decidiu ser aos nove anos, quando o homem pisou a superfície da Lua. Ser astronauta não é um emprego, é o que o define como pessoa, vincou. Hoje, dá palestras a relatar a sua experiência.

O livro, traduzido em 21 línguas, vê-o como "um esforço" de "ser útil" às pessoas, para que percebam "algumas das ideias que tornam a vida no espaço possível", e de que modo podem tomar diferentes decisões nas suas vidas, para que sejam "produtivas e úteis".

No seu caso, determinou as decisões, nomeadamente a formação de base em engenharia mecânica e como piloto da aviação militar, em função de "um desafio" de vida de "longo prazo": quis ser astronauta quando o Canadá não tinha ainda sequer uma agência espacial e a NASA, agência espacial norte-americana, só aceitava cidadãos dos Estados Unidos.

O que parecia impossível, o de participar na "aventura espacial", tornou-se possível, tal como a chegada do homem à Lua, em 1969, que o inspirou: a oportunidade de ser astronauta surgiu quando, anos mais tarde, em 1992, foi recrutado pela agência espacial canadiana, a CSA, criada em 1989.

Teve "o privilégio" de ver o mundo a cada 92 minutos, o tempo que a Estação Espacial Internacional demora a dar uma volta à Terra. O mundo, que fazia parte "dos sonhos" dos exploradores marítimos, é agora "uma realidade que passa em hora e meia", sublinhou. Do espaço, Portugal atravessa-se num minuto.

A percepção que se tem habitualmente do mundo "é extremamente limitada e filtrada", apontou, numa referência aos problemas do dia-a-dia. Do espaço, vê-se o mundo como ele é, "com as suas 'cicatrizes', a sua natureza, a sua idade", advogou.

Para Hadfield, os maiores desafios na exploração do espaço serão sempre tecnológicos. "Estamos muito limitados pela tecnologia". Mas, a seu ver, isso não é um entrave. A "compreensão do nosso planeta" é o "resultado directo de riscos" assumidos pelo homem e da "superação dos desafios tecnológicos", frisou.

A exploração espacial, sim, "vai continuar", acentuou, porque, de outra maneira, seria "contrariar a história, a natureza humana", que levou navegadores a percorrerem mares nunca antes navegados.

O astronauta entende que existe uma verdadeira civilização de exploradores do espaço desde 1961, ano em que o primeiro homem, o cosmonauta Iuri Gagarin, viajou para o espaço, e lembrou que o homem já aterrou na Lua, em 1969, e sai da Terra e vive permanentemente no espaço, na Estação Espacial Internacional, desde 2000.

"Eventualmente, vamos viver permanentemente mais longe... a Lua será a seguir", admitiu, recordando que o satélite natural da Terra está ao alcance de "três dias de viagem". Chegar a Marte, para onde a NASA e a congénere europeia ESA apontam baterias, face à possível existência de sinais de vida, "vai levar algum tempo", é uma missão "complicada, perigosa e cara". "Assim que provarmos que a tecnologia é suficiente, na superfície da Lua... [isso] talvez nos dê a confiança de que vale a pena viajar para tão longe quanto Marte", defendeu.

Segundo Chris Hadfield, "é uma arrogância" pensar-se que só existe vida na Terra, perante um "número tão grande de planetas" no Universo, que "vale a pena explorar". "Uma das principais razões para explorar o espaço é descobrir quais são as limitações da nossa existência", sustentou.

Ser-se astronauta implica "treinar durante décadas e memorizar tudo". "Aprender, compreender e lembrar", enfatizou. É isso que, afirmou, faz a diferença entre a vida e a morte, o que está sempre em jogo numa viagem espacial.