Experiência em três países: tablets contra a malnutrição dos seniores

Fraunhofer, Sonae e Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desenvolvem experiência. Objectivo é fomentar o envelhecimento activo e ajudar a melhores escolhas alimentares.

Os equipamentos começam a ser distribuídos em Outubro de 2017
Foto
Os equipamentos começam a ser distribuídos em Outubro de 2017 Daniel Rocha (arquivo)

Mais de 100 equipamentos tecnológicos — que tanto poderão ser tablets como smartwatches — vão ser distribuídos a um grupo de pessoas entre os 55 e os 85 anos. O objectivo é que estes objectos os ajudem a fazer melhores escolhas alimentares, financeiras e de actividade física.

O projecto CordonGris — que está a ser posto em prática em Portugal, no Reino Unido e nos Países Baixos — começou a ser desenvolvido há seis meses. Actualmente está a ser feito o levantamento das principais barreiras e dificuldades que a população sénior enfrenta, explicou ao PÚBLICO a investigadora da Fraunhofer Portugal, Ana Correia de Barros. Numa fase posterior, os participantes desta experiência vão ser ouvidos — para que, de facto, os equipamentos dêem resposta às necessidades que vierem a ser identificadas. Em Outubro de 2017, os equipamentos serão distribuídos.

Em Portugal, o CordonGris é desenvolvido pela Fraunhofer, em parceria com a Sonae e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) e tem como objectivo criar uma plataforma de apoio aos idosos para combater a malnutrição. A ideia é desenvolver um sistema inteligente de recomendação, com base no “perfil específico de cada pessoa, tendo em conta as suas preferências e as suas características”, explicou Ana Correia de Barros.

O projecto pretende ainda combater o desperdício alimentar e ajudar os seniores na sua gestão financeira. Para isso, integrará retalhistas de modo a tornar possível a obtenção de descontos em certos produtos essenciais para a boa nutrição, diz ainda Ana Correia de Barros. “Este será um serviço de equilíbrio entre procura e oferta e, por isso, um serviço que contribui para a redução do desperdício alimentar, podendo responder de forma específica às necessidades nutritivas de cada pessoa com entrega de alimentos que precisam de ser escoados pelos produtores”, acrescenta. 

Os equipamentos a distribuir no âmbito do CordonGris também permitirão fornecer aos seus utilizadores recomendações ao nível da actividade física — registando, por exemplo, o número de quilómetros de uma caminhada ou o tempo dispensado.

“A forma de comunicar com as pessoas ainda está a ser decidida”, afirma a investigadora da Fraunhofer, e os investigadores ainda não sabem que tipo de equipamento concreto vai ser utilizado — se tablets, se smartwatches, se telemóveis, entre outros. “O tablet, por exemplo, é um dispositivo mais ou menos intuitivo para as pessoas mais velhas usarem”, e tendo em conta que os idosos só terão contacto com o produto em Outubro de 2017, data em que será lançado o projecto-piloto, “a tecnologia vai ser mais acessível”, acredita.

Para a realização do estudo e aplicação do projecto-piloto, em parceria com a SCML e outros parceiros internacionais, serão escolhidas mais de 100 pessoas, nos três países, com diferentes características: que vivem de forma independente; dependentes de apoio domiciliário; utentes de centros de dia, lares e residências assistidas. Utilizarão o produto durante seis meses, até Abril de 2018. Ana Correia de Barros espera que o produto final esteja no mercado acessível a todos os seniores até 2020.

Texto editado por Andreia Sanches