P3
Foto
P3

Estudante descobre como acabar com beatas nas universidades

Proposta de aluno da FEUP quer promover comportamentos ambientalmente responsáveis e pode vir a ser replicada em outras faculdades da Universidade do Porto

As contas não são fáceis de fazer mas, numa estimativa conservadora, podem chegar às mil as beatas que diariamente são atiradas para o chão na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

Daniel Freitas identificou o problema — “que é transversal” a outras faculdades e espaços públicos do país — e pensou numa forma de o combater. O projecto que apresentou, o "FEUP sem beatas", venceu o concurso Mais Ideias Sustentáveis, promovido no seio da comunidade da FEUP.

"Tentei inspirar-me em coisas bem feitas e que pudessem ser replicadas no ‘campus’ da FEUP”, conta ao JPN o também presidente da Federação Académica do Porto (FAP) que, neste concurso, participou na qualidade de aluno do mestrado em engenharia de serviços e gestão. "Há uma ideia que foi implementada em Londres por uma ONG e que consiste na construção de uns cinzeiros especiais, transparentes, que aliciam as pessoas a colocarem as beatas nesse recipiente, com uma pergunta apelativa", continua.

PÚBLICO -
Foto
Clica na imagem para a aumentar

O depósito da beata no recipiente A ou B acaba por funcionar como uma espécie de resposta. “A pergunta de exemplo que usei foi: qual é o melhor jogador do mundo? E tinha um recipiente para o Ronaldo e outro para o Messi e isso alicia as pessoas a participarem”, considera o estudante. As hipóteses são inúmeras. “A ideia é que essas perguntas possam ser mudadas ao longo do tempo aproximando-se da comunidade académica. Qual é a unidade curricular mais difícil? Análise matemática I ou análise matemática II?”, exemplifica.

A FEUP conta com uma comunidade que ronda as 9.000 pessoas. Se 25% fumarem, contando que reflictam a média do país, são 2250 pessoas fumadoras. Como nem todas vão à faculdade todos os dias, Daniel Freitas fez as contas a 60% de frequentadores diários e estimou que cada um fume três cigarros. Destes, estimou que cerca de 30% atire cigarros para o chão para chegar ao número próximo de mil.

Ao Comissariado da Sustentabilidade da FEUP chegaram mais de 50 propostas. A ideia é desafiar a comunidade a apresentar soluções que contribuam para um ambiente mais sustentável na faculdade, seja no campo do tratamento de resíduos, da limpeza ou dos gastos energéticos. O concurso está dividido em duas fases. A segunda fase, que chama novamente os estudantes, docentes, investigadores e colaboradores da FEUP a participarem, arranca a 1 de Outubro e prolonga-se até ao final de Novembro.

Entretanto, o "FEUP sem beatas" vai ser implementado e Daniel acredita que estará a funcionar já no início do próximo ano lectivo. “É um projecto-piloto que, correndo bem, pode ser replicado noutras faculdades da universidade ou, eventualmente, mais generalizado no contexto nacional”, conclui. O responsável pela ideia vencedora destaca ainda a importância de iniciativas do género. "Este tipo de concursos, de auscultação da comunidade, são muito importantes. Há muito boas ideias. Eu acredito sempre que várias cabeças pensam melhor que uma. Foi uma forma interessante de chamar a comunidade académica a dar ideias para um espaço que também é seu, particularmente o ‘campus’."