Lisboa sobe na lista de cidades mais caras do mundo

O custo de vida na capital portuguesa aumentou durante o último ano. A cidade subiu 11 lugares no ranking das cidades mais caras do mundo.

O aumento do preço das rendas é uma das causas apontadas à subida do custo de vida
Foto
O aumento do preço das rendas é uma das causas apontadas à subida do custo de vida ENRIC VIVES-RUBIO

Lisboa está – mesmo – mais cara. No último ano, a capital portuguesa subiu 11 posições na lista de cidades mais caras do mundo, passando da 145.ª posição para o 134.ª lugar. Apesar de se manter, globalmente, como uma das cidades menos dispendiosas para expatriados, a verdade é que a desvalorização do euro face ao dólar deveria ter reduzido o custo de vida relativo. Segundo a consultora Mercer, empresa autora do estudo, existe uma explicação, que, de resto, não é uma novidade para os lisboetas. A inflacção do custo de vida em Lisboa assenta essencialmente no aumento dos valores das rendas, que reflectem o crescimento da procura associado também ao turismo.

A acompanhar a subida de Lisboa estão também algumas cidades norte-americanas, algo proporcionado pela valorização do dólar americano. A distinção de cidade mais cara vai para Hong Kong. Luanda fica em segundo lugar. Zurique e Singapura mantêm a terceira e quarta posições, e Tóquio assume o quinto lugar, registando uma subida de seis lugares face ao ranking do ano passado.

Na lista das dez cidades mais caras, duas são europeias. Zurique lidera enquanto cidade europeia mais cara e tem a companhia de Genebra, em oitavo lugar, que ainda assim desce três lugares este ano, numa queda acompanhada por Berna (13.º), que perdeu quatro lugares face ao ano passado, seguindo o enfraquecimento do franco suíço face ao dólar americano. O mesmo aconteceu com Oslo (59.º) e Moscovo (67.º), que desceram 21 e 17 lugares respectivamente. Londres (17.º) e Birmingham (96.º) caíram cinco e 16 posições.

Tiago Borges, responsável Ibérico da área de estudos de mercado da Mercer, explica que “mesmo com o aumento de preços nesta região, algumas moedas locais europeias enfraqueceram face ao dólar americano, o que as 'empurrou' algumas posições para baixo no ranking”. “Além disso, outros factores, como os recentes eventos de ameaça à segurança, a instabilidade social e preocupações quando às perspectivas económicas tiveram um claro impacto”, analisa.

Já Copenhaga (24.º) e São Petersburgo (152.º) mantiveram as mesmas posições e Paris (44.º), Milão (50.º), Viena (54.º) e Roma (58.º) registaram praticamente os mesmos lugares do ano passado. Já na Europa Central e de Leste algumas cidades subiram. É o caso de Kiev (176.º) e Tirana (186.º), que este ano se encontram oito e 12 lugares mais acima. Também as cidades alemãs de Munique (77.º), Frankfurt (88.º) e Dusseldorf (107.º) viram os seus custos de vida aumentar.

Cerveja é dos bens mais baratos

Nos dados analisados, é possível, por exemplo, comparar os custos de arrendamento de um apartamento T2. Se olharmos para os preços praticados em Lisboa, os preços rondam uma média de 1500 euros. Em Hong Kong, a média de arrendamento de um apartamento com esta tipologia ultrapassa os seis mil euros.

Outra das comparações feitas pela empresa é o preço da gasolina sem chumbo 95. Em Lisboa, um litro deste combustível custa cerca de 1,36 euros. Em Pequim, o mesmo valor dá para comprar o dobro da gasolina. Se formos para Moscovo, a mesma quantidade não ultrapassa os 50 cêntimos.

Em bens essenciais, como água e pão, Lisboa surge com valores mais elevados do que a capital do Reino Unido. Por oposição, um dos bens mais acessíveis para os lisboetas é o leite, que custa cerca de 0,75 euros. Em Hong Kong, um litro do mesmo tipo de leite custa mais de 3,50 euros.

Se o assunto for cultura e lazer, Lisboa não é das piores cidades. Olhando para o preço de um bilhete normal de cinema, em Lisboa o custo é de cerca de 6,7 euros por pessoa, menos de metade do valor praticado em Nova Iorque e Londres, por exemplo. Não obstante, se falamos de roupa os lisboetas têm de fazer esforço maior comparativamente aos nova-iorquinos e londrinos.

Lisboa é também, nas cidades analisadas pela Mercer, uma das capitais onde beber cerveja é mais económico. Com cerveja importada a custar menos de 90 cêntimos, Lisboa apresenta preços mais convidativos do que Sydney, por exemplo, onde a mesma bebida custa quase três vezes mais.

A capital portuguesa é a única cidade do país a entrar neste ranking que inclui mais de 375 cidades em todo o mundo. O ranking de 2016 inclui 209 cidades dos cinco continentes e mede o custo comparativo de mais de 200 itens em cada local, incluindo habitação, transportes, comida, roupa, bens de uso doméstico e entretenimento. O objectivo do estudo da consultora passa por fornecer uma base de comparação às empresas e organizações interessadas em expandir a nível global.