José Cid disse mal dos transmontanos há seis anos, o Facebook puniu-o hoje

Entrevista de Nuno Markl ao músico em que este fala de "pessoas medonhas, feias, desdentadas" gera indignação nas redes sociais e cancelamento de concerto. Ambos já pediram desculpas.

Fotogaleria
Um detalhe da casa e estúdio de José Cid em Mogofores, Anadia Adriano Miranda
Fotogaleria
José Cid em concerto em Vila Chã de Ourique em 2006 NUNO FERREIRA SANTOS

Uma entrevista feita há seis anos motivou o cancelamento de um concerto de José Cid no próximo dia 11 de Junho: o cantor criticou os habitantes de Trás-os-Montes numa conversa com Nuno Markl que o canal Q retransmitiu por estes dias e as redes sociais implodiram em torno dele, motivando pedidos de desculpas do cantor e do apresentador, mas também o cancelamento de um concerto em Alfândega da Fé.

Meses depois da polémica que envolveu o livro de Henrique Raposo sobre a sua experiência familiar do Alentejo e das críticas de alentejanos ofendidos por Alentejo Prometido, as palavras ácidas de José Cid sobre os transmontanos voltaram a ecoar na televisão e criaram um novo caso em torno do orgulho regional, amplificado pelas redes sociais. No vídeo com um excerto de Showmarkl, que está a circular nas ditas redes sociais – e sobretudo nas páginas criadas para lamentar as suas declarações –, ouve-se José Cid afirmar: “Digo na brincadeira que deviam fazer uma Muralha da China em Trás-os-Montes para não deixarem passar alguma música que vem de lá." Com um riso de Markl a entrecortar a conversa, o músico prosseguia, em 2010: “Essas pessoas do Portugal profundo já deviam ter evoluído. Vêm excursões de pessoas que nunca viram o mar para o Pavilhão Atlântico, pessoas assim medonhas, feias, desdentadas e efectivamente isso não é Portugal."

A conversa era sobre a música popular portuguesa e nela José Cid teceu comentários de que diz agora estar arrependido. A reacção nas redes sociais foi de indignação e foram criadas páginas como Todos contra José Cid, que à hora de publicação desta notícia tinha já mais de sete mil seguidores, ou Trás-os-Montes sem José Cid, esta com mais de três mil “gostos”, bem como uma petição online em que cerca de 1.700 pessoas exigem algo que já foi cumprido: um pedido de desculpas do músico.

“Injustamente, falei mal do público e do povo transmontano, apresento, por esta via, as minhas mais sinceras desculpas", disse Cid esta segunda-feira num comunicado divulgado pela sua editora, a ACid Records. E acrescenta: “Estou muito triste comigo."  José Cid encerrou ou suspendeu a sua página no Facebook, que se encontra agora inacessível.

Também Nuno Markl, apresentador do programa entretanto desaparecido, e considerado um influencer nas redes sociais portuguesas – tem mais de 705 mil seguidores na sua página de Facebook –, já pediu desculpas. Riu-se das afirmações de Cid no programa da polémica e foi também muito criticado por utilizadores do Facebook e transmontanos indignados. Tanto na sua rubrica na Rádio Comercial O Homem que Mordeu o Cão quanto no seu Facebook, Markl endereçou um pedido de desculpa aos “amigos de Trás-os-Montes”. “Se isto serve para alguma coisa, peço-vos desculpa por me ter rido dos desvarios do Cid no Canal Q há tantos anos. Se não servir para nada – porque toda a gente prefere a guerra do que a paz, nas redes sociais –, tudo o que posso dizer é que continuarei a gostar de Trás-os-Montes como gostei toda a minha vida até aqui. Se me quiserem bater ou insultar, é convosco. Não vou entrar em guerra com pessoas de quem sempre gostei."

Acrescenta Markl, mais à frente, que “é impossível uma pessoa não se rir com os delírios” de José Cid e que se vê na posição do “novo alvo a abater do Facebook". “Rir de uma observação sobre muralhas e falta de dentes não é partilhar uma opinião  é só rir”, remata o humorista num outro post, feito ao início da tarde desta segunda-feira.

Um dos efeitos práticos desta polémica foi o cancelamento de um concerto que o músico tinha agendado para 11 de Junho em Alfândega da Fé, no âmbito da Festa da Cereja, como disse ao Diário de Trás-os-Montes a própria presidente da câmara da localidade “Claro que vamos cancelar a vinda dele e vamos substituí-lo por outro. É evidente que temos de repudiar essas afirmações", disse Berta Nunes, que argumenta que manter o concerto seria um sinal de conivência com as afirmações do músico, que com ou sem pedido de desculpas “irá ser sempre uma persona non grata em Trás-os-Montes”.

Além de Berta Nunes, também o presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, comentou o tema – aliás, segundo o Jornal de Notícias, foi o primeiro autarca a reagir –, manifestando “profundo desagrado, repúdio e desilusão pelas lamentáveis declarações”, e ironizando que a construção da muralha pode avançar, mas “para impedir a vinda [de José Cid], para impedir que as suas palavras e a sua música perturbem (...) tão nobres terras”.