O fascismo tem mesmo origem no marxismo?

O jornalista e escritor José Rodrigues dos Santos já afirmou duas vezes, em diferentes entrevistas, que “o fascismo é um movimento de origem marxista”. Tem razão?

José Rodrigues dos Santos
Foto
José Rodrigues dos Santos Daniel Rocha

A frase

 

O contexto

José Rodrigues dos Santos é jornalista, apresentador do principal telejornal da RTP, mas deu esta entrevista enquanto romancista. Esta é a primeira advertência que há a fazer. Enquanto ficcionista, José Rodrigues dos Santos poderia criar a realidade que mais lhe conviesse – jogando com a verosimilhança e a memória. Mas a frase deixa subentendida uma “verdade” histórica e não um artifício literário. “Continuo a escrever livros polémicos. As Flores de Lótus e O Pavilhão Púrpura mostram realidades, porém politicamente incorrectas. O facto de que o fascismo é um movimento que tem origem marxista, por exemplo, é uma das demonstrações feitas nesta saga que poderá parecer polémica.” A palavra “realidades” pode ter sido mal usada, e o próprio autor reconhece que a afirmação que faz é “polémica”. Mas esta já não é a primeira vez que Rodrigues dos Santos revela conhecer uma relação de filiação ideológica entre as duas correntes que marcaram a primeira metade do século XX. Dias antes de o ter afirmado ao DN, o mesmo Rodrigues dos Santos usara uma formulação quase idêntica em resposta às perguntas do i: "Uma das coisas que hoje não se sabe, mas que é verdadeira, é que o fascismo é um movimento de origem marxista. Pouquíssima gente sabe isto. Em certos aspectos, é mais ortodoxamente marxista do que o comunismo. Por exemplo, a crença que os fascistas tinham de que não era possível haver revolução do proletariado sem capitalismo.”

Aqui é claro o duplo papel do autor – jornalista e escritor – e é o próprio Rodrigues dos Santos que o confunde ao atestar que é “verdadeiro” aquilo que diz e, por alguma razão que não acrescenta, “pouquíssima gente sabe”. E é isso que justifica esta Prova dos Factos, que não verificaria a veracidade de uma opinião do romancista, nem um facto literário assumidamente criado pela sua imaginação.

Os factos

O marxismo é, de facto, cronologicamente anterior ao fascismo. Mas acaba aqui a verosimilhança na tese de José Rodrigues dos Santos. Todas as outras hipóteses que podiam ser apresentadas em sua defesa – de que há uma “origem” marxista nas ideias fascistas – são circunscritas. De facto, Benito Mussolini foi militante do Partido Socialista Italiano e editor do jornal marxista Avanti!, antes de ser expulso e fundar, em 1919, o que viria a ser o embrião do Partido Fascista. Mussolini não é caso único dessa transição abrupta entre ideologias adversárias, naquela época. Um dos seus ideólogos, o francês Georges Sorrel, parecia admirar igualmente o nacionalista Maurras e o comunista Lenine. O mesmo se pode dizer da arte, e das várias manifestações vanguardistas associadas a estas correntes políticas, que muitas vezes se aproximaram, sobretudo antes da I Guerra Mundial. Mas argumentar que essa relação demonstra uma “origem” ideológica comum seria tão absurdo como considerar que por Mário Soares e Durão Barroso terem sido marxistas na sua juventude, o PS e o PSD partilham a mesma origem ideológica que o PCP.

A prova de que não há uma origem comum entre as duas ideologias é avançada pelo historiador inglês Tony Judt no seu livro Pensar o Século XX: “Quando falamos de marxistas podemos começar com os conceitos. Os fascistas não tinham, na realidade, conceitos. Tinham atitudes. Têm respostas distintivas a questões como a guerra, a depressão e o atraso. Mas não começam com um conjunto de ideias que depois tentam aplicar ao Mundo.”

Ou seja, o marxismo, antes de ser uma prática política, é uma doutrina. Por isso, ainda hoje, há quem se reivindique das ideias, renegando a prática. Já no fascismo é inseparável a sua realidade histórica do seu arsenal teórico. Foram as “atitudes”, como diz Judt, que moldaram a teoria.

Ao contrário, o que se pode afirmar com alguma certeza é que o fascismo cresceu como resposta – antagónica – ao marxismo. Diz Tony Judt: “Se virmos país a país, começando na Itália, vemos que sem a ameaça da revolução comunista teria havido muito menos espaço para os fascistas se apresentarem como guardiões da ordem tradicional.” Algumas das principais características atribuídas ao fascismo (nacionalismo, corporativismo, racismo) são respostas ao internacionalismo, à ideia da “luta de classes” e ao igualitarismo das ideias socialistas.

O marxismo é uma corrente fácil de classificar. Tem as suas origens (não é preciso recuar muito mais que à ideia de Rousseau de que os homens nascem livres e em todo o lado estão agrilhoados), os seus autores, de Marx a Engels, passando pelos neo-marxistas que ainda hoje assim se assumem, como Zizek e Negri. O fascismo é bastante menos dado a bibliografias incontestadas. Poderá ter a sua origem no nacionalismo conservador francês de Maurras, mas as suas várias modalidades (da Itália ao nazismo alemão, passando pela Roménia, pelo falangismo espanhol e o integralismo lusitano) ocupam, por exemplo, as 960 páginas do livro Labirintos do Fascismo, do historiador português João Bernardo (ed. Afrontamento). É de João Bernardo uma difícil tentativa de explicar, em três palavras, a ideia de fascismo: “A revolta no interior da coesão.”

Ambos, marxistas e fascistas, defendiam a ideia de “revolução” anti-liberal. No seu auge, do início do século XX até ao fim da II Guerra Mundial, ambos os movimentos apresentavam uma resposta – muito diferente à crise económica e ao desespero de muitas camadas sociais. Com uma diferença importante: enquanto os marxistas glorificavam as massas populares como “sujeito da História”, os fascistas, como Pequito Rebelo, em Portugal, usavam a mobilização popular, mas não deixavam de desdenhar da “multidão com a sua baixa psicologia e as suas inferiores reacções de sentimentos” (citado em Os camisas azuis, de António Costa Pinto, ed. Estampa).

É na forma como encaravam a governação dos países “capitalistas” que encontramos uma derradeira diferença. Os marxistas seguiram com atenção o New Deal e são conhecidas as ligações de sectores comunistas à administração de F.D. Roosevelt. Já Hitler fazia uma crítica ao Presidente dos EUA que parece tirada de um debate do presente: "Aumentou enormemente a dívida do seu país, desvalorizou o dólar, perturbou a economia... O New Deal deste homem foi o maior erro jamais cometido por alguém... Num país europeu a carreira deste homem teria terminado num tribunal por desperdiçar o tesouro público, e dificilmente evitaria uma pena por gestão criminosa e incompetente."

A prova do antagonismo é evidente. E tem um momento simbólico: a Guerra Civil de Espanha (1936/39). Foi aí, combatendo por uma facção de inspiração marxista e libertária (o POUM), que George Orwell ganhou consciência de uma outra realidade, que aplicou à forma como os fascistas e alguns regimes que se reclamavam marxistas exerciam o poder: Totalitarismo. O termo, que os fascistas italianos usavam com um significado positivo, tornou-se uma das principais formas de criticar o Estado soviético no pós-guerra, sobretudo depois de Hannah Arendt publicar As Origens do Totalitarismo. Onde, apesar de tudo, se distingue bem o ponto de partida de ambas as versões “totalitárias”.

Em resumo

Fascismo e marxismo foram duas correntes que marcaram a política mundial na primeira metade do século XX. O antagonismo entre os seus defensores não precisa de muito mais ilustração do que os milhões de mortos, dos dois lados, na batalha de Estalinegrado. Ou a oposição do PCP ao Estado Novo. Ainda hoje se assiste, numa reminiscência do século passado, a violentos confrontos nas ruas entre herdeiros do fascismo e do marxismo (a Grécia será apenas o exemplo mais visível). Mas nada, a não ser o poder criador da ficção, permite descortinar uma origem comum entre estes dois “ismos”. É mais certo afirmar que Passos Coelho e António Costa partilham um conjunto de ideias sobre política (apesar das diferenças diariamente enunciadas) do que encontrar um tronco comum de pensamento entre Álvaro Cunhal e Oliveira Salazar.

PÚBLICO -
Aumentar