À terceira, Ministério Público pediu prisão suspensa para “carteirista” de 85 anos

Joaquina Gonçalves, conhecida como “Quina carteirista”, insistiu na inocência: “Que Deus me mate. Que me pare a pilha do coração!”

Foto
Joaquina Gonçalves, 85 anos, à saída do Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto Fernando Veludo/NFACTOS

Uma saia preta, um casaco cinzento e um cachecol negro à volta do pescoço. Joaquina Gonçalves, 85 anos, assumiu a sua condição de viúva nesta quarta-feira, no julgamento pelo furto de uma carteira no desfile da Queima das Fitas que decorreu no Tribunal de Pequena Instância Criminal, no Porto. A idosa, com duas condenações pelo mesmo crime, não se cansou de clamar por inocência. “Que Deus me mate. Que me pare a pilha do coração!”, desabafou em tribunal, depois de chamar mentirosos aos agentes que a incriminaram.

Após ouvir o relato dos dois polícias que a detiveram e da vítima, a procuradora não se comoveu. E pediu mesmo que a idosa fosse condenada a uma pena de prisão, suspensa. Justificou que as duas penas de multa aplicadas anteriormente não lhe “serviram de lição” e que, por isso, se mostravam “insuficientes”. Realçou ainda que Joaquina não mostrara arrependimento. A juíza ouviu e marcou a leitura da decisão para dia 25 de Maio, às 10h.

Antes, um polícia da 1.ª Esquadra de Investigação Criminal da PSP explicara como tudo se tinha passado. Raul Freitas explicou que conhece Joaquina Gonçalves desde o ano passado, quando a apanhou igualmente no desfile da queima, numa situação similar. Uma das muitas vezes que a idosa conseguiu escapar entre as intrincadas malhas da Justiça. Isto porque a vítima, uma mulher de 91 anos residente em Vila do Conde, acabara por desistir da queixa para evitar deslocações demoradas e dispendiosas ao tribunal. Também já houve quem se comovesse com a história da suspeita e retirasse as queixas. A idosa é, por isso, uma cliente habitual da polícia, onde é conhecida como “Quina carteirista”.

O agente da PSP e um colega tinham ido à paisana para a zona dos Clérigos, a 3 de Maio, exactamente para detectarem carteiristas. O aglomerado de pessoas e as ruas estreitas tornam o local um alvo apetecível para estes criminosos, especialmente no dia do cortejo, explicou Raul Freitas.

Foi aí que detectaram a presença da Joaquina Gonçalves, a quem vigiaram os passos. Raul Freitas relatou que a idosa, que subiu e desceu várias vezes os Clérigos, já tentara abordar outros idosos. Mas acabou por se concentrar na carteira de Emília Teixeira Vaz, 71 anos, que tinha ido ver desfilar a neta, finalista do curso de Medicina. A vítima contara antes que não se apercebera de nada, até ser confrontada por um homem que a informou que tinha sido roubada e lhe pediu para verificar o que lhe faltava.

Era Raul Freitas. Emília Teixeira Vaz confirmou que lhe faltava um porta-moedas com 25 euros, dois santinhos e um terço da Santa Rita. O polícia comunicou com o colega que já estava no encalço da idosa, que entretanto atravessara a rua. Outro agente, Nelson Costa, contou que apanhou Joaquina com o dinheiro na mão, quando se preparava para deitar o porta-moedas ao lixo.

Os dois explicaram o modus operandi da octogenária. Na mão levava um kispo, que usava para camuflar a mão, que introduziu calmamente na carteira da vítima. “A suspeita abriu o fecho éclair da carteira, arrumou uma garrafa de água que a impedia de chegar ao porta-moedas e depois tirou-o”, descreve Raul Freitas, enquanto a idosa, sentada uns metros ao lado, abanava com a cabeça em sinal de reprovação. 

A versão dos polícias desconstruiu por completo a tese apresentada antes por Joaquina. A suspeita explicara que ia apanhar o comboio à Estação de São Bento quando deu um pontapé numa “coisinha brilhante” que lhe parecia ser um telemóvel. Viu depois que era uma carteira e, no depoimento, garantiu que ia entregá-la à polícia. “Não tirei nada a ninguém”, garantiu. A juíza quis saber porque não tentara perguntar à volta de quem era o porta-moedas. “Estava lá tanta gente, ia perguntar a quem?”, ripostou. Antes contara que o marido, já falecido, a abandonara com seis filhos e que actualmente vivia com três netos e com uma pensão de 300 euros.