Um cristão nunca poderia ser mayor numa cidade muçulmana?

A pergunta foi feita por muitos depois da eleição de Sadiq Khan como mayor de Londres. O escritor sul-africano Emlyn Pearce começou a fazer uma lista com vários exemplos de responsáveis cristãos em países muçulmanos.

Foto
Februniye Akyol (à dir.) é presidente da Câmara de Mardin, na Turquia DR

Para além das muitas reacções positivas à eleição do muçulmano Sadiq Khan para mayor de Londres, na semana passada, houve também várias manifestações de repúdio em mensagens partilhadas nas redes sociais ou nas caixas de comentários de jornais um pouco por todo o mundo.

"Gostava de ver um não muçulmano presidente de uma câmara de [um] país muçulmano", escreveu um leitor numa das notícias sobre o assunto publicadas no jornal PÚBLICO.

No mesmo dia, um utilizador do Facebook chamado Emlyn Pearce, que se apresenta como um escritor nascido na África do Sul residente no Reino Unido, publicava uma mensagem que recebeu até esta quinta-feira 29 mil "gostos" e foi partilhada quase 20 mil vezes.

A mensagem tem como título uma frase, em forma de citação, como que partindo do ponto de vista de quem considera que "um cristão nunca poderia ser eleito mayor numa cidade muçulmana".

"Desde a eleição de Sadiq Khan como mayor de Londres, muitas pessoas parecem estar a sugerir que nenhuma cidade muçulmana é suficientemente aberta para eleger um cristão como mayor", escreve Emlyn Pearce.

"Por isso, no interesse do rigor e porque os factos são nossos amigos, apresento-vos uma lista de alguns dos muitos cristãos que conseguiram aquilo que o sr. Khan conseguiu – serem eleitos para altos cargos em países muçulmanos onde fazem parte de uma minoria religiosa", prossegue o autor.

Desde a publicação da mensagem, muitas outras pessoas foram contribuindo com mais exemplos.

"A cidade turca de Mardin elegeu recentemente a sua primeira mulher cristã como mayor, Februniye Akyol. A população na Turquia é 96,5% muçulmana."

E a lista continua:

"Em 2005, Alees Salman tornou-se na primeira cristã e primeira mulher a presidir à câmara alta do Parlamento do Bahrain. A população do Bahrain é 70% muçulmana."

"O Paquistão tem actualmente um ministro da Autoridade Portuária que é cristão, Kamran Michael. A população do Paquistão é 96,4% muçulmana."

"Boutros Boutros-Ghali, um cristão copta e antigo secretário-geral da ONU, foi ministro dos Negócios Estrangeiros do Egipto durante 14 anos. A população do Egipto é 90% muçulmana."

"A capital do país muçulmano mais populoso, a Indonésia, tem um governador cristão, Basuki Tjahaja Purnama. A população da Indonésia é 87,2% muçulmana."

"O Senegal teve um Presidente católico, Léopold Sédar Senghor, durante 20 anos. O Senegal é 92% muçulmano."

"O Líbano teve um Presidente cristão, Michel Suleiman, entre 2008 e 2014. A população do Líbano é 54% muçulmana."

"A mayor de Ramallah, a capital da Palestina, é Janet Mikhail, uma católica."

A primeira parte da mensagem de Emlyn Pearce termina com uma referência ao Irão: "No Irão, cinco lugares no Parlamento estão reservados a minorias religiosas reconhecidas – um para o judaísmo, dois para o cristianismo e dois para o zoroastrismo. É mesmo verdade – por lei, o Irão tem de ter um deputado judeu. Ninguém ensina isto na Escola da Intolerância."

Sugerir correcção