Projecto apoia empresas portuguesas para aplicar tecnologia espacial na Terra

A iniciativa Small ARTES conta com um financiamento de até 25 mil euros apoiado por parte da Agência Espacial Europeia.

Foto
DR

Um programa dinamizado pelo Instituto Pedro Nunes (IPN), sediado em Coimbra, está a apoiar financeiramente três empresas portuguesas que estão a desenvolver ideias que tragam para a Terra tecnologia e conhecimento desenvolvido a pensar no espaço.

Os três projectos agora apoiados pela Small ARTES (Programa de Investigação Avançada em Sistemas de Telecomunicações) incidem sobre meteorologia espacial para apoio à navegação aérea, controlo e prevenção de danos em estruturas de energia eólica e comunicação entre máquinas e gestão de sistemas de forma remota aplicável na distribuição de gás e luz.

A iniciativa Small ARTES, que conta com um financiamento de até 25 mil euros apoiado por parte da Agência Espacial Europeia (ESA) para cada projecto, está a apoiar estas empresas até Junho, sendo que vai abrir "em breve" candidaturas para mais três projectos serem apoiados.

Segundo a coordenadora do Small ARTES, Inês Plácido, há a expectativa de as três ideias agora apoiadas serem "materializadas em projectos maiores, com consórcios nacionais e internacionais", de forma a conceber o produto até "uma fase pré-operacional".

Até Junho, as três empresas vão avaliar "a viabilidade da ideia, em termos técnicos e de negócio", de forma a tentar depois candidatura a programas maiores da ESA, explanou, sublinhando que a "reciclagem" de tecnologia espacial "está claramente a crescer", havendo 14 projectos já apoiados pelo IPN dentro de outra iniciativa.

Um dos projectos do Small ARTES é desenvolvido pela Deimos Engenharia, empresa sediada em Lisboa, que pretende utilizar algoritmos que são aplicados "nos sistemas de simulação de falhas" em veículos espaciais na melhoria dos sistemas de controlo e prevenção de falhas das unidades de produção de energia eólica, afirmou Elsa Alexandrino, da Deimos. A aplicação dos algoritmos "permite acções correctivas quase automáticas", garantindo "a prevenção de potenciais avarias, redução de custos de manutenção e diagnóstico remoto" destas unidades eólicas, acrescentou a responsável de desenvolvimento e de negócio da empresa.

Já a Present Technologies, de Coimbra, procura aplicar o conhecimento da meteorologia espacial no sistema de navegação e localização por satélite utilizado pelos aviões. Segundo o seu director-executivo, Paulo Martins, a meteorologia espacial pode criar interferências "nos sinais de satélite", o que pode ser um problema para a aviação, em que a dependência de sistemas de localização e navegação por satélite é cada vez maior.

A tecnologia que desenvolvem permite "ajudar os operadores de tráfego aéreo", emitindo um alerta num curto espaço de tempo sobre a possibilidade de interferência no sinal de satélite, explicou, salientando que a ideia está a ser desenvolvida em conjunto com a empresa Bluecover e o Centro de Investigação da Terra e do Espaço da Universidade de Coimbra.

Também dentro do programa está a VisionSpace, de Matosinhos, que utiliza a tecnologia "de comunicações via satélite" para a poder aplicar, por exemplo, em empresas de distribuição de gás e luz, que têm "redes que se espalham para zonas rurais onde é mais difícil os equipamentos fazerem um reporte automático", referiu Bruno Flávio, da equipa de projecto.

Aplicando esta tecnologia, o operador pode ter "mais controlo e fiabilidade", reduzindo custos, aclarou.