Entrevista

Na Internet estamos todos numa conversa global? Não

Frédéric Martel viajou por 50 países e entrevistou 1500 pessoas sobre a Internet. Na rede “quem produz bom conteúdo tem o poder”, afirma.

Martel quis perceber como a net é utilizada, dos movimento radicais no Médio Oriente à telemedicina na Índia ou às redes alternativas da China
Foto
Martel quis perceber como a net é utilizada, dos movimento radicais no Médio Oriente à telemedicina na Índia ou às redes alternativas da China Enric Vives-Rubio

Jornalista e escritor, o francês Frédéric Martel esteve em Portugal e conversou com o Ípsilon sobre o seu mais recente trabalho, Smart (publicado em português no Brasil, na Civilização Brasileira), investigação que o levou a 50 países, onde fez perto de 1500 entrevistas, para tentar perceber como é que a Internet é utilizada nas diferentes partes do mundo, dos movimento radicais no Médio Oriente à telemedicina na Índia, passando pelas redes alternativas criadas pela China (e à forma como são contornadas).  

A principal conclusão é a de que a Internet é muito mais local do que se imagina – os conteúdos globais são apenas uma pequena parte da “conversa” na rede. E isso tem consequências, nomeadamente na relação entre os produtores de conteúdos, sejam eles músicos, jornalistas ou youtubers, e os grandes distribuidores como o Google ou o Facebook.

Martel – que é também autor de Mainstream, sobre a “guerra global pela cultura e os media”, e jornalista na Slate.fr, para além de ter um programa semanal na radio France Culture chamado Soft Power – defende que “o Facebook ou o Google não serão capazes de produzir a informação que as pessoas vão querer ler aqui em Portugal”. Por isso, “eles precisam de nós”.

Em Smart traça o retrato de uma Internet mais democrática do que tendemos a pensar. É correcta esta leitura?
A minha hipótese de partida era que por causa da Internet estaríamos todos mais ligados e haveria mais conteúdo global. É verdade que a rede é global, as redes sociais são as mesmas em todo o lado, excepto na China. Mas o que fui descobrindo é que o conteúdo não viaja bem na Internet.

Apesar de podermos aceder a todo o tipo de conteúdo e partilhar tudo, não o fazemos. A Internet é ainda muito localizada, territorializada, geolocalizada. E as fronteiras continuam a existir. Mesmo quando não há censura, as fronteiras são sobretudo as línguas, a cultura em que se vive, o território e a comunidade a que se pertence.

PÚBLICO -
Foto
Rapariga acede à net num cyber café na Malásia Bazuki Muhammad/Reuters

A ideia de que toda a gente participa numa conversa global, partilha o mesmo conteúdo, discute as mesmas questões, com uma cultura cada vez mais uniformizada e que usa o inglês, é profundamente errada.

Mas dá-se muita atenção aos fenómenos virais, ao vídeo que toda a gente viu, à foto de que todos estamos a falar.
Claro que esses conteúdos existem, mas existiam antes da Internet. Uma foto como a do miúdo que morreu na praia [a criança síria refugiada que se afogou junto à Turquia] já estaria na primeira página de todos os jornais antes da Internet. Lembra-se do chinês em frente aos tanques na praça Tiannanmen em 1989?

Claro que a Internet nos permite ter mais conteúdo que se torna global. Mas isso é apenas uma pequena parte do que consumimos. Mark Zuckerberg do Facebook ou Eric Schmidt da Google dizem que estamos todos numa conversa global. Estou convencido de que não é assim.

Em Portugal – e isso é uma boa notícia – as pessoas discutem temas ligados a Portugal, em português. Julgo que os amigos do Facebook de cada estudante português serão portugueses, da cidade onde ele vive e muitas vezes da escola que frequenta. É um conteúdo muito local.

As pessoas usam uma Internet muito ligada ao sítio onde vivem e ao que lhes interessa mais e isto é uma boa notícia, porque significa que a Internet não é uma coisa totalmente controlada a partir de Silicon Valley e que nos chega sem que possamos reagir, mas é sobretudo algo que construímos aqui. Com a excepção da tecnologia ou das redes sociais – e é por isso que precisamos de regulação, que é muito importante para evitar abusos de posição dominante do Google, Facebook e os outros.

Há a questão dos algoritmos que nos dão o conteúdo que é aquele que imaginam que procuramos impedindo-nos dificultando a descoberta de coisas novas e inesperadas. Isso é um problema?
Algumas pessoas criticam os algoritmos dizendo que nos trazem as coisas mais mainstream. Não é verdade. Apesar de não serem perfeitos, os algoritmos conseguem pessoalizar muito, a partir do que procurámos antes na Amazon, Spotify ou outros, do que a maioria das pessoas procura e de outros elementos que podem por vezes depender da publicidade (é o caso da Amazon), dos influenciadores (é o caso do Spotify) ou de micro-nichos, como os 78 000 micro-géneros que por exemplo a Netflix identifica para nós.

Não é uma tendência para o mainstream, pelo contrário, é um serviço à medida e ainda muito local. Se você gostar de filmes portugueses, o algoritmo dá-lhe filmes portugueses. Claro que existem muitos filmes americanos por isso, por defeito, haverá sempre mais filmes americanos nas sugestões.

Mas recebo sempre aquilo de que já gosto e isso limita a minha capacidade de descoberta.
Um algoritmo é algo construído por um humano. Há sempre um engenheiro que faz o código. E podemos fazer o que quisermos com isso. Não é algo que exista por si. O algoritmo do Spotify (Discover Weekly), em que todas as manhãs recebemos uma selecção de músicas de que poderemos gostar baseada em quatro factores – aquilo que gostamos de ouvir, o que a maioria das pessoas gosta, o que os opinion makers gostam e o que os artistas gostam – é uma combinação de várias fontes.

Há imensos engenheiros a trabalhar nos algoritmos. É uma máquina muito complexa que pode até pode dar-nos uma música que podemos não gostar para ver a reacção. Se gostarmos, isso abre mais o espaço para outras direcções.

PÚBLICO -
Foto
Jovem chinesa navega numa rede controlada pelo Governo GOU YIGE/AFP
PÚBLICO -
Foto
Rapazes juntam-se numa praça com wi-fi em São Tomé e Príncipe Daniel Rocha

O principal problema da Internet é que a abundância é imensa. O crítico tradicional, de livros, de música está morto e não acredito que possa sobreviver porque tecnicamente eles próprios não conseguem encontrar o conteúdo. Temos que inventar o bom algoritmo, ou aquilo a que chamo smart curation, que é uma mistura de algoritmo, matemática e avaliação humana, que possa ajudar a criar algo mais rigoroso e personalizado.

Como é que isso funciona? Como é que um crítico tradicional pode reciclar-se para passar a ser um smart curator?
Infelizmente não acredito que o possa fazer. O algoritmo do Spotify é um tipo de smart curation.

Portanto a smart curation não pode ser apenas uma pessoa?
Precisa de máquinas, porque se não se consegue encontrar o conteúdo. Mas veja o exemplo dos booktubers, são muitas vezes jovens mulheres, e há muitas em Portugal, que gostam de um livro, falam dele no YouTube e o algoritmo torna-as virais ou não.

Portanto é sempre fundamental que o conteúdo seja bom, que agrade. Assim sendo, podemos também seguir um crítico tradicional.
Sim, mas a grande diferença é o número de pessoas influentes. Até agora, nos suplementos literários eram poucas pessoas que falavam por todos. Agora existe um grande número de referências. Cada um torna-se um pouco crítico. Quando faz um like no Facebook, você faz parte do sistema de crítica porque está a dizer gosto disto e partilho-o com os meus amigos. Terá um impacto nisso.

E se se tornar muito influente pode ganhar a vida assim.
Essa é uma das questões: como é que vamos viver como críticos? Os booktubers partilham a publicidade. Encontrei-me com uma delas que vive em Nova Iorque e é paga pelo YouTube, que não escolhe o conteúdo, não está interessado nisso, mas basicamente porque ela tem muito sucesso e um milhão de seguidores, partilha com ela uma percentagem da publicidade gerada pelo canal dela no YouTube.

Não é paga pelas editoras?
Não, espero que não. Embora isso também exista, claro. Fui uma das primeiras pessoas a escrever sobre isso. As sugestões de livros que a Amazon faz quando compramos um livro, o “talvez goste também de”, estão ligadas a vários factores, um dos quais é o pagamento por parte das editoras. Não é uma pura recomendação, é influenciada pela publicidade.

Mas porque que é que o YouTube, Google, Facebook, estarão dispostos a pagar? Já têm os conteúdos e não pagam, por exemplo, aos jornais tradicionais.
Pagam aos youtubers porque o que querem é ter mais vídeos e vídeos mais virais, por isso se alguém é bom querem encorajá-lo a ser ainda melhor e evitar que essa pessoa vá para outro sítio. Porque existem outros canais, o Facebook, o Snapchat.

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

E porque é que isso não funciona com os jornais?
Mas funciona. Uma das razões pelas quais o Facebook criou os Instant Articles foi para ter o conteúdo dentro e não fora. Até agora, se punha um artigo de um jornal, as pessoas clicavam e saíam do Facebook. Daí que eles estejam dispostos a pagar aos jornais se o conteúdo ficar dentro dele.

E qual o resultado?
Os editores de jornais não estão muito satisfeitos porque a percentagem de dinheiro pago pelo Facebook não é suficiente e porque o Facebook não quer partilhar as informações sobre os leitores. Se as pessoas vão ao site do seu jornal, o jornal sabe quem elas são, mas se ficam no Facebook o jornal não tem essa informação. Por isso, as coisas não estão ainda fechadas. Não digo que é bom ou mau.

A questão do desejo de visibilidade está no início dos problemas porque os meios de comunicação social começaram a divulgar o conteúdo gratuitamente para chegar a mais gente e agora não conseguem fazer dinheiro com ele.
Sou bastante optimista. Acredito que a tecnologia não é suficiente. Google, Facebook, Apple ou Amazon não produzem conteúdo. Sabem como o comprar como o distribuir, mas precisam desse conteúdo. Se você produz bom conteúdo, você tem o poder.

E empresas como o Google ou o Facebook têm consciência disso?
O Google o que faz? Você procura informação e eles dão-lhe a lista dos links onde a poderá encontrar. Recebem alguma publicidade, o tráfego e os dados, sabemos disso, mas quando as pessoas lêem a história elas estão dentro do jornal, não estão no Google. O Facebook ou o Google não serão capazes de produzir a informação que as pessoas vão querer ler aqui em Portugal. Eles precisam de nós. Ninguém fará isso na Califórnia, ninguém escreverá um artigo sobre um acidente com um comboio em Portugal ou as questões da política portuguesa. São vocês que o fazem. Por isso, o vosso conteúdo tem um grande valor para eles.

É preciso negociar com essas grandes empresas ou regulamentar?
Ambas as coisas. Precisamos de negociar, e estamos a fazê-lo, em França, na Alemanha, em Espanha, precisamos também de regular. Acredito que os EUA acabarão por o fazer porque as questões de abuso de posição dominante e da privacidade estão no centro do sistema americano. As indústrias culturais são muito fortes nos Estados Unidos e querem também proteger-se.

E se os EUA não o fizerem, acredito que a União Europeia acabará por o fazer. Somos o primeiro mercado do mundo – 500 milhões de consumidores, somos maiores que o mercado americanos por isso as empresas americanas precisam de nós para nos vender o seu produto. Temos poder para ter uma influência. Isto não significa ser contra a Internet ou a tecnologia. Sou um grande defensor da tecnologia, mas acho que a liberdade total não é uma coisa boa.