Anúncio do regresso de Lula ao Governo do Brasil foi adiado

A confirmar-se a entrada no executivo, o ex-Presidente ganha imunidade judicial em relação ao Ministério Público de São Paulo, que pedira a sua prisão preventiva por lavagem de dinheiro.

Foto
Lula informou vários dos seus assessores de que irá nesta terça-feira a Brasília aceitar o convite de Dilma Rousseff Reuters

O anúncio da entrada de Lula da Silva para o governo brasileiro foi adiado, com o Palácio do Planalto a marcar para quarta-feira uma tomada de posição sobre o assunto — se o ex-Presidente passa a ser titular de um super-ministério, como estava previsto, ou se o processo é suspenso.

Na origem desta mudança de planos está a decisão do Supremo Tribunal Federal, que validou esta quarta-feira as denúncias do senador do Partido dos Trabalhadores (PT) Delcídio do Amaral, que no âmbito de um acordo com a justiça (está em prisão domiciliária, cedeu informações em troca de redução de pena) disse que Lula e Dilma tentaram interferir nas investigações à rede de corrupção na Petrobras, conhecida por operação Lava Jato.

Dilma Rousseff, que esta terça-feira deveria receber Lula da Silva para fechar em definitivo o “formato” do seu futuro trabalho no Governo, convocou uma reunião de emergência do executivo para avaliar o impacte da validação das denúncias do senador do PT, que aumentaram a já alta tensão que se vive em Brasília.

De acordo com a Folha de São Paulo, a Presidente ficou “atónita” quando soube que um dos seus ministros, Aloizio Mercadante, tentou comprar o silêncio de Delcidio: há uma gravação de um dos seus assessores a oferecer dinheiro a um homem de confiança do senador para impedir que este assinasse o acordo de delação.

Dilma, que sempre defendeu publicamente que o Governo não interfere nas investigações da Lava Jato, é desmentida pela gravação e quer avaliar que efeito isso terá no seu Governo, antes de anunciar novas decisões.

Um dos efeitos possíveis é a saída do PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) do Governo, o que pode precipitar a queda do executivo — o PMDB fizera saber que se Lula entrasse na equipa continuaria a apoiar o Governo e Dilma, que enfrenta uma outra frente de guerra uma vez que tem pendente no Parlamento um processo de destituição.

Rousseff parece apostar numa vitória em todas as frentes e a decisão de não anunciar esta terça-feira a entrada de Lula prende-se também com não querer contaminá-lo com mais esta crise.

A nomeação parece, no entanto, garantida e o próprio Lula terá dito aos seus assessores, segundo a imprensa brasileira, que não tinha forma de recusar o convite da Presidente e que partiria na mesma para Brasília, esperando por novos desenvolvimentos na quarta-feira. Com a "reentrada" no governo, o ex-Presidente ganha imunidade judicial em relação ao Ministério Público de São Paulo, que pedira a sua prisão preventiva por lavagem de dinheiro, na sequência de uma investigação sobre a posse de um apartamento de luxo.

Os planos de Rousseff, revelados pelos jornais do Brasil, passam por entregar a Lula da Silva um "mega-ministério", o que na prática lhe dava a governação do país, com Dilma a manter o cargo de Presidente mas a delegar no seu antigo chefe as decisões. No executivo, Lula teria duas prioridades: a recuperação da economia e a articulação política com o Congresso, para travar o processo de destituição que paira sobre a Presidente.

Fonte do Palácio do Planalto disse à Reuters que "o mais provável é que o ex-Presidente assuma a Secretaria de Governo, no lugar de Ricardo Berzoini".

Fontes próximas de Dilma Rousseff disseram que o ex-Presidente exigiu que seja feita uma viragem no rumo da política económica, de forma a que o Governo recupere a confiança dos sindicatos e dos movimentos sociais, o que contraria os ajustes fiscais que têm vindo a ser feitos.  

"Mas o grande desafio de Lula é convencer a opinião pública de que não está tentando fugir do juiz Sérgio Moro, na Operação Lava Jato, para que seu processo seja julgado no Supremo Tribunal Federal", escreve O Globo.

A justiça de São Paulo transferira para o juiz Sérgio Moro, que lidera a investigação à rede de corrupção na Petrobras (conhecida por Lava Jato),  a decisão sobre o pedido de prisão de Lula da Silva feito pelo Ministério Público estadual. Ao integrar o Governo, a investigação contra si aberta pela Operação Lava Jato sairá das mãos do juiz Sérgio Moro e passa para o Supremo Tribunal Federal. Segundo o jornal O Estado de São Paulo, esta transferência pesou na decisão de Lula em aceitar integrar a equipa de Dilma Rousseff.

Após a divulgação da notícia do regresso de Lula ao Governo do país, a bolsa brasileira caiu 4% e a moeda brasileira desvalorizou-se 2%, diz a Reuters.