Cientista portuguesa retira artigo após suspeita de ter manipulado imagens

Sónia Melo ficou sem uma bolsa de 50 mil euros anuais na sequência do caso e estão suspensas as suas funções de investigadora principal do laboratório I3S, no Porto. Este tipo de casos é raro em Portugal.

Foto
A investigadora Sónia Melo Adriano Miranda

É um caso que promete dar que falar na comunidade científica portuguesa. Sónia Melo, que até há bem pouco tempo era apontada como uma das mais promissoras investigadoras do país, enfrenta agora acusações de manipulação do seu trabalho, que já a levaram a retirar um artigo publicado na revista Nature Genetics, em 2009. Há outros quatro artigos científicos (papers) por si publicados desde então que estão sob suspeita. Face às acusações, a Organização Europeia de Biologia Molecular (EMBO, na sigla em inglês), que em Dezembro lhe tinha atribuída uma bolsa de 50 mil euros, retirou-lhe o prémio na segunda-feira. E as suas funções no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (I3S), no Porto, foram suspensas também esta semana.

As dúvidas sobre o trabalho científico de Sónia Melo foram levantadas pela primeira vez no final de Setembro do ano passado, no PubPeer, um site que se dedica a fazer revisão de pares após publicação (post-publication peer review). O portal divulgou então os primeiros indícios de que a investigadora tinha repetido imagens microscópicas de uma mutação genética de um cancro, num artigo de 2009. Nos dias seguintes, noutras publicações na mesma plataforma, os autores apresentaram outras provas, sugerindo que o processo seria sempre semelhante: a cientista repetia, invertia e fazia rotações das mesmas imagens, de modo a reforçar a solidez dos resultados alcançados na sua investigação.

O assunto acabaria por ganhar novo fôlego no final do ano, quando Sónia Melo foi um dos nove cientistas europeus a receber uma bolsa de instalação da EMBO, no valor de 50 mil euros anuais atribuídos por um período de três a cinco anos. As imagens do PubPeer chegaram então a outros sites que fazem revisão de artigos científicos como o For Better Science e o Retraction Watch. As atenções da comunidade científica centravam-se no primeiro artigo publicado por Sónia Melo, em 2009, na revista Nature Genetics, e que era resultado do trabalho de doutoramento que estava a realizar no Instituto de Investigação Biomédica de Bellvitge (Idibell), em Barcelona.

A 27 de Janeiro, Sónia Melo assumiu a duplicação de imagens, numa “notícia de retractação” publicada na mesma revista científica. Contactada pelo PÚBLICO, a cientista, actualmente a trabalhar no novo instituto I3S, no Porto, não quis pronunciar-se sobre a situação. Mas, ao Retraction Watch, tinha garantido “não ter havido um esforço para cometer fraude”. “Lamento a falta de diligência que mostrei com o manuscrito da Nature Genetics, o meu primeiro artigo como estudante de doutoramento”, justificava a investigadora.

Também Manel Esteller, orientador de Sónia Melo no Ibibell e co-autor da publicação, é parco em palavras. O cientista espanhol assegura apenas: “Quando foi detectada uma apresentação inadequada de parte dos dados desse estudo, decidimos apoiar a retracção do artigo, para preservar os padrões de alta qualidade científica que sempre nos caracterizaram.”

Vínculo ao I3S em análise
Os problemas para Sónia Melo podem, porém, não ficar por aqui. O site PubPeer, que levantou as primeiras dúvidas sobre o seu trabalho, assinala outros quatro artigos sob suspeita, dois deles publicados na revista Cancer Cell (em 2010 e 2014), outro na Proceedings of the National Academy of Sciences (2011) e o mais recente, do ano passado, publicado na Nature. Em todos eles, há imagens que, tal como no artigo de que a investigadora já se retractou, parecem ter sido duplicadas ou manipuladas.

Estas acusações começam já a ter consequências para Sónia Melo, de 36 anos. Além de ter perdido do currículo pelo menos um artigo científico numa revista prestigiada, a bolsa da EMBO atribuída em Dezembro – e que se destinava a apoiar a instalação do grupo da investigadora sobre exossomas – foi-lhe retirada e o financiamento de 50 mil euros anuais cancelado. Desde a última segunda-feira que junto do nome da cientista do I3S aparece no site da EMBO uma nota anunciando a decisão.

Face às dúvidas levantadas sobre a eventual manipulação de dados nos artigos de Sónia Melo, aquele organismo de âmbito europeu investigou “de forma cuidadosa e abrangente” o caso, avança ao PÚBLICO o director de comunicação da EMBO, Tilmann Kiessling. “O nosso comité concluiu que no corpo do trabalho em que se baseou a atribuição da bolsa de instalação há provas de negligência no manuseamento e na apresentação de dados que o excluíram de uma recomendação para um prémio”, acrescentou Tilmann Kiessling.

A sua actividade no laboratório I3S, no Porto, onde estava a instalar o seu grupo de investigação, também foi suspensa até à conclusão de um inquérito, que será feito por uma comissão externa. Esse grupo já nomeado pela direcção daquele instituto emitirá um parecer com base no qual será tomada uma decisão sobre o vínculo da cientista com esta unidade de investigação. Sónia Melo terá ainda de produzir memorandos regulares para o I3S dando conta de eventuais processos desencadeados e outros desenvolvimentos deste caso.

Esta suspensão de funções “afecta os actos inerentes à função de investigador principal”, mas não afecta “a actividade corrente da investigadora no seio do grupo de investigação onde está inserida”, esclarece ao PÚBLICO a Unidade de Comunicação do I3S. A mesma fonte garante que o instituto “esteve sempre atento, desde que tomou conhecimento, às alegações feitas à integridade científica nos trabalhos de Sónia Melo”. Porém, uma vez que os trabalhos em causa não foram realizados na instituição, aquele organismo “não tem legitimidade formal para lançar uma auditoria sobre trabalhos realizados e afiliados a outras instituições”.

Em menos de um ano, a vida de Sónia Melo deu uma volta radical. Em Janeiro de 2015, foi uma das cientistas distinguidas na 11ª edição dos prémios L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, recebendo 20 mil euros. Meses antes, tinha regressado ao Porto, onde se tinha licenciado em Bioquímica, para liderar uma equipa de investigação no Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup) – entretanto integrado no I3S –, depois do doutoramento em Barcelona e de um pós-doutoramento nos EUA, dividido entre a Faculdade de Medicina de Harvard e o Centro para o Cancro MD Anderson, na Universidade do Texas.

O seu percurso até então era brilhante, o que levou o PÚBLICO a escolhê-la como um dos “11 portugueses fora do tempo” numa edição especial sobre o Futuro, publicada há um ano. A sua investigação dedicada aos exossomas, umas vesículas minúsculas, 100 mil vezes mais pequenas do que um centímetro, que se encontram no sangue, prometia a detecção precoce de cancros e um aumento da eficácia dos tratamentos já existentes.

Outros casos desde 2013
Um caso como este em Portugal é raro ter tanta atenção da comunidade científica internacional. Além da situação de Sónia Melo, na base de dados do site Retraction Watch há, desde Janeiro de 2013, outros cinco casos de retirada de artigos científicos envolvendo investigadores ou grupos de investigação portugueses. Os contornos de cada um destes casos são, contudo, muito diferentes entre si.

O mais recente foi noticiado por aquele site em Janeiro deste ano e diz respeito ao artigo The role of maternal attachment in the experience of labor pain: a prospective study, que tem como autor principal José Manuel da Costa Martins, do Departamento de Anestesiologia da Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, bem como outros investigadores das universidades do Porto e de Coimbra. O artigo foi publicado em duas revistas científicas, The Journal of Pain e Psychosomatic Medicine, quase ao mesmo tempo, acabando por ser retirado da primeira destas publicações, uma vez que os artigos editados em publicações científicas devem ser originais. O caso foi sanado com um editorial conjunto das duas publicações.

Do Japão à Suécia, casos recentes de fama mundial

Em Outubro de 2014, uma equipa do Instituto de Bioengenharia e Biociências do Instituto Superior Técnico de Lisboa teve de retirar um artigo publicado no Journal of Bacteriology que continha imagens já usadas num artigo na revista Microbiology and Microbial Pathogenesis. O problema foi então atribuído a um “erro de funcionamento do computador e do armazenamento de imagens e [a] um erro de identificação” pelo investigador principal Jorge Leitão.

Um erro de descrição das figuras que acompanhavam um artigo levaram também um grupo de investigadores liderados por Ana Sebastião, do Instituto de Medicina Molecular, em Lisboa, a retirar dois artigos de publicação da revista Journal of Neurosciences. Quando o assunto chegou ao Retraction Watch, em Janeiro de 2013, a investigadora garantiu que os problemas detectados não podiam ser atribuídos a uma “fabricação ou falsificação intencionais”: “Pelo contrário, estes erros ocorreram de boa-fé e de maneira alguma afectaram o conteúdo científico dos artigos e as suas conclusões.”

Um artigo publicado em Agosto de 2011 por Rodrigo Lopes e Rosa Quinta Ferreira, do Grupo de Engenharia da Reacção, Separação e Ambiente do Departamento de Engenharia Química da Universidade de Coimbra, foi retirado depois de a revista Chemical Engineering Journal ter determinado que os cientistas “tinham inventado os dados”. De acordo com a revista científica, “os investigadores não tinham o equipamento laboratorial adequado para o estudo que diziam ter feito”.

Também um grupo de físicos, liderado por Carlos Marques, do Instituto de Telecomunicações, viu um artigo científico seu, de 2013, ser retirado da revista Journal of Optics, depois de esta publicação ter reparado que o mesmo artigo já tinha sido publicado antes em duas outras publicações.