Lisboa vai ser a capital ibero-americana da Cultura 2017 e Pinto Ribeiro será o seu programador

O programa a divulgar no Verão olha para o presente da criação artística sem ignorar um passado que também é feito de colonizadores e colonizados. E sem esquecer que a cultura ajuda a pensar a política e as cidades.

Foto

É a segunda vez que Lisboa é Capital Ibero-Americana da Cultura, mas da primeira vez ninguém, ou quase ninguém, deu por isso. Estávamos em 1994, ano da Lisboa Capital Europeia da Cultura e do seu programa “avassalador”. Catarina Vaz Pinto, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, fala da disparidade de forças entre as duas “capitais” e da simplicidade do modelo ibero-americano para justificar o “esquecimento”. “As capitais europeias têm modelos mais rígidos, regulamentos complicados e são muitíssimo mais disputadas entre os países. As capitais ibero-americanas ficam mais a cargo de cada um dos países, que podem inventar os formatos que mais lhes convierem, adaptando os objectivos de difusão da cultura deste espaço geográfico à sua realidade e à oferta que já têm”, explica ao PÚBLICO.<_o3a_p>

Lisboa voltará a ser Capital Ibero-Americana da Cultura em 2017. A candidatura apresentada na qualidade de membro da União das Cidades Capitais Ibero-Americanas (UCCI), foi feita em Novembro e aprovada terça-feira, por unanimidade, pelos órgãos competentes, embora só venha a ser formalmente ratificada no próximo mês de Junho, na cidade boliviana de La Paz. É também no Verão que a autarquia conta apresentar em detalhe a programação que promete envolver boa parte dos seus equipamentos culturais – além dos teatros da esfera da EGEAC, a empresa municipal encarregue da animação cultural da cidade, implicará museus, monumentos e bibliotecas – e outros a que está associada, como a Casa da América Latina.<_o3a_p>

“Queremos envolver os agentes culturais da cidade e não apenas os municipais”, argumenta Catarina Vaz Pinto, dando o exemplo da Feira do Livro, a cuja organização já lançou o desafio de se associar ao universo da cultura ibero-americana na edição de 2017. “Esta capital permite-nos posicionar Lisboa como destino cultural nesta esfera geográfica mas também nos permite, partindo da criação, chegar a outras áreas do espaço ibero-americano. Este não é um projecto da vereação da Cultura, é de toda a câmara, envolve economia, relações internacionais.”<_o3a_p>

Explica a vereadora que a multiplicidade e a variedade de estruturas associadas a este projecto implicavam a existência de uma figura capaz de articular “as valências e expectativas de cada um” e que, ao mesmo tempo, conhecesse muito bem o espaço ibero-americano. A escolha de António Pinto Ribeiro para coordenador da programação desta capital foi, por isso, “óbvia”. “É uma área geográfica que o António domina, do ponto de vista cultural e histórico. É uma área que já trabalhou muito no passado e, por isso, ele é a pessoa indicada para dar coerência programática a tudo isto”, defende Vaz Pinto, lembrando que a experiência do consultor cultural que até Abril de 2015 dirigia o programa Próximo Futuro da Fundação Gulbenkian, função que deixou em ruptura com o conselho de administração da casa, lhe permite relacionar, sem esforço, “as relações histórico-culturais entre os países do espaço ibero-americano” com um olhar sobre o que de mais interessante tem para oferecer a sua produção contemporânea.<_o3a_p>

Pinto Ribeiro aceitou o convite da autarquia em Dezembro e começou a trabalhar na programação no início de Janeiro, tendo já viajado para o Chile para assistir ao Festival Santiago a Mil, plataforma que diz ser “fundamental” para conhecer os projectos e as produções das Américas (e para as Américas conhecerem o que se passa na Europa).<_o3a_p>

Depois de deixar a Gulbenkian, o programador chegou a ponderar partir para o estrangeiro, mas acabou por ficar porque a capital ibero-americana representava uma oportunidade “estimulante” de trabalhar, num contexto complexo de multipolaridades à escala mundial, uma programação que envolve vários equipamentos, directores artísticos e públicos, repensando a “redefinição do papel das cidades e da relação das políticas culturais com as questões políticas e ambientais”.<_o3a_p>

O mundo ibero-americano vinha já merecendo a atenção de Pinto Ribeiro na oferta cultural do Próximo Futuro, sobretudo nas últimas edições, mas o programador prefere não estabelecer nenhum elo em especial com os seus últimos anos de Gulbenkian. Respondendo ao PÚBLICO por email, fez questão de sublinhar que levará para estas novas funções as suas experiências anteriores na Culturgest e na fundação, bem como a sua vida académica. O que lhe interessa hoje, como no passado, são as questões que envolvem a produção artística, a sua apresentação, difusão e debate: “Esta programação de Lisboa herdará com o meu contributo as experiências de programação anteriores mas – e esta sim é uma situação menos habitual [para mim] – herdará também os passados e as experiências e a comunidade heterogénea de imaginários que resulta dos contributos dos programadores e responsáveis dos outros equipamentos culturais.”<_o3a_p>

Isto porque o programa que Pinto Ribeiro vai coordenar, precisa a vereadora da Cultura. Não parte do zero, mas das “dinâmicas já instaladas nos vários equipamentos e iniciativas” da câmara: “Não é uma programação geral de raiz, isolada. O que se vai fazer é trazer novas propostas e combiná-las com o que os programadores já têm delineado para os seus teatros. E envolvendo possivelmente, até, as festas da cidade.”<_o3a_p>

Com o “título” Passado e Presente a anteceder a sua designação formal enquanto capital ibero-americana de cultura 2017, Lisboa assume, escreve Pinto Ribeiro no texto que estabelece as balizas conceptuais da programação, a sua condição de “cidade de asilo”, de hospitalidade, aberta à diversidade e capaz de repor um “projecto político da interculturalidade”. Como? Apostando numa oferta “que evite generalizações e modos neo-coloniais”, mas que não fuja ao debate e à reflexão sobre um passado comum, em que muitas vezes se apagou, com violência, o outro, a diferença.  E isto “[…] num contexto em que se confrontam cidades com passados colonizadores e cidades que têm a sua origem na colonização”, numa altura em que se assume que o mundo é plural e que a modernidade europeia há muito que deixou de ser vista como “o único modelo do conhecimento e do progresso”.<_o3a_p>

Lembra Pinto Ribeiro ao PÚBLICO que poucos saberão que “América Latina” é uma designação recente, do século XIX, criada por intelectuais franceses, e que é importante acompanhar o debate que hoje se faz nos lugares que no passado foram territórios de impérios europeus. As Américas são hoje “dos índios, dos afrodescendentes, dos descendentes da colonização europeia, dos imigrantes italianos, japoneses, croatas… É poder contribuir para a reescrita das histórias das Américas iniciadas pelos seus autores e, simultaneamente, apresentar o que é incontornável, urgente nas criações artísticas, o ‘presente’ que esta programação pretende realizar”. Uma programação que, diz, é ainda prematuro divulgar.<_o3a_p>

António Pinto Ribeiro lança para já um desafio – que se olhe para esta programação sem as limitações de uma história escrita ou de uma fronteira. “Em vez de países e de continentes pensemos em lugares”, escreve, “lugares da América, lugares do sul da Europa, lugares que se encontram na diáspora. Em vez de Histórias definitivas e totalizadoras, procuremos narrativas, testemunhos e fragmentos luminosos”.<_o3a_p>