António Zambujo, Raquel Tavares, Simone de Oliveira e Kiko: os primeiros nomes do Caixa Ribeira

Festival regressa ao Porto a 3 e 4 de Junho. Quarenta fadistas ocuparão dez lugares emblemáticos da cidade.

Foto
António Zambujo é um dos primeiros nomes anunciados para o Caixa Ribeira de 2016 MIGUEL MANSO

O festival Caixa Ribeira, a versão portuense do Caixa Alfama, regressa a 3 e 4 de Junho para uma segunda edição em que irão actuar 40 fadistas em dez sítios diferentes. Os quatro primeiros nomes do cartaz foram anunciados esta quarta-feira por Luís Montez, responsável da Música no Coração: Simone de Oliveira, António Zambujo, Raquel Tavares e Kiko. 

A própria Casa do Infante, onde decorreu a conferência de imprensa desta quarta-feira, é outra das novidades para 2016: ali decorrerão alguns dos concertos do festival, que também passará pelas duas salas do Hard Club, pela Igreja de São Francisco (e respectiva escadaria) e pelo Cais da Estiva. Tal como há um ano, o Palácio da Bolsa voltará a ser um dos centros de gravidade do Caixa Ribeira, com concertos no Salão Árabe e no Pátio das Nações; o palco principal do festival regressa ao estacionamento da Alfândega, junto ao rio Douro.

Tal como Kiko, jovem portuense de 15 anos que irá aproveitar esta oportunidade para apresentar o seu novo álbum e mostrar-se ao público, também Raquel Tavares apresentará disco novo  Raquel, com lançamento previsto para o final deste mês. A fadista tem sido uma presença recorrente no festival: esteve na edição portuense do ano passado, foi duas vezes ao Caixa Alfama e também integrou o cartaz da extensão do festival em Luanda, que se realizou no passado mês de Novembro. Afirmou que neste regresso ao Porto irá prestar homenagem à recém-falecida Beatriz da Conceição, que afirmou ser uma das suas “fadistas de maior referência”.

Também o regresso de Simone ao Porto promete ser emocional: a cidade, disse, relembra-lhe momentos marcantes da sua vida, tanto bons como maus. Para a actriz e fadista, faz “todo o sentido” existir um festival de fado: nestes últimos dez anos, defendeu, “tem-se cantado o fado como nunca se cantou”.

Os nomes dos restantes 30 artistas que compõem o cartaz irão ser divulgados ao longo das próximas semanas, a um ritmo de quatro de cada vez, até ao final de Março. “Devo dizer que temos a maior armada de fado. Os grandes fadistas vão cá estar todos”, assegurou Luís Montez, sublinhando a recepção “muito calorosa” do público portuense, que no ano passado esgotou o festival "apesar da chuva".

A organização anunciou também uma parceria com dez restaurantes das redondezas, que vão garantir um Menu Caixa Ribeira com preço e ementa fixos. “Ver fado com barriga vazia não calha bem”, gracejou Luís Montez. O objectivo é juntar a gastronomia local à experiência.

Até ao dia anterior ao festival, o preço do bilhete geral custará 28 euros, subindo para os 35 nos dias do festival. Francisco Viana, director de comunicação da Caixa Geral de Depósitos, que patrocina o festival, recordou que os clientes deste banco terão direito a um desconto de 10%. 

Texto editado por Inês Nadais