Apreendida mais de uma centena de aves ilegais no Algarve

"Três importantes apreensões” relativas à “captura ilegal de aves selvagens” realizadas no “espaço de 15 dias no Algarve”.

As aves de rapina nocturnas, como este mocho-galego, têm os olhos grandes, redondos e virados para a frente
Foto
As aves de rapina nocturnas, como este mocho-galego, têm os olhos grandes, redondos e virados para a frente Tony Hisgett

O Serviço de Protecção da Natureza e Ambiente (SEPNA) da GNR apreendeu, no Algarve, mais de uma centena de aves selvagens capturadas ilegalmente para fins gastronómicos ou cativeiro, anunciou nesta quinta-feira a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

Este foi o resultado de “três importantes apreensões” relativas à “captura ilegal de aves selvagens” realizadas no “espaço de 15 dias no Algarve”, sublinhou a SPEA num comunicado, lamentando que a GNR tenha encontrado 38 pássaros já mortos, a par de outros 84 vivos, na maioria já “devolvidos à natureza”.

“A importância destas apreensões vai ao encontro aos objectivos da campanha ‘Diga NÃO aos passarinhos no prato e na gaiola’, que decorreu durante o ano de 2015”, acrescentou a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.

A mesma fonte precisou que, na primeira operação da GNR, a 26 de Novembro, em Faro, foram apreendidas as 38 aves mortas, pertencentes a “quatro espécies diferentes de passeriformes” da fauna portuguesa, nomeadamente “13 piscos-de-peito-ruivo, uma toutinegra-de-cabeça-preta, uma ferreirinha comum e 23 toutinegras-de-barrete-preto”.

“Alguns dos indivíduos já estavam depenados e eram bastante visíveis os danos causados pelas armadilhas utilizadas”, censurou a SPEA.

A Sociedade referiu que a segunda apreensão, realizada em Portimão, no dia seguinte, “não teve um final tão triste” e os 84 animais, de 24 espécies, foram encontrados “numa gaiola em situação de cativeiro ilegal”.

“Além de espécies habitualmente mantidas em cativeiro ilegal, como pintarroxo-comum, pintassilgo, lugre, verdilhão, tentilhão-comum e chamariz ou milheirinha, foram também encontradas na gaiola aves como chapim-rabilongo, calhandrinha-comum, bico-grossudo, escrevedeira-dos-caniços, alvéola-amarela ou trepadeira-azul”, precisou.

O Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens (RIAS), localizado em Olhão, recebeu os animais apreendidos para proceder à avaliação das condições físicas e posterior libertação, o que já se verificou com mais de 70 aves.

A terceira apreensão foi realizada pelo SEPNA em Tavira e permitiu a recuperação de oito pintassilgos, também devolvidos à natureza, referiu ainda a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.

“Estas apreensões revelam a importância da intervenção das autoridades no combate a este crime ambiental, mas são também prova que todos temos um papel fulcral nesta batalha, uma vez que ambas as apreensões resultaram de denúncias”, considerou a SPEA, referindo-se às primeiras operações.