Lá vai o Vodafone Mexefest ao ritmo dos Chairlift

Esta sexta, o Coliseu de Lisboa vai ser um pouco Brooklyn. É a energia nova-iorquina dos Chairlift a contaminar um festival em trânsito entre a Avenida da Liberdade e a Rua das Portas de Santo Antão. Com Benjamin Clementine, Patrick Watson, Ariel Pink, Ducktails, Petite Noir, They're Heading West...

Fotogaleria
Ao contrário dos anteriores discos, desta feita os Chairlift começaram por sessões de improviso, sem saberem muito bem o que iria acontecer DR
Fotogaleria
Quem os viu no único concerto que deram em Portugal – no festival Primavera Sound, em 2012 – sabe do que são capazes DR

Foi há cerca de dez anos que Caroline Polachek, Patrick Wimberly e Aaron Pfenning chegaram a Nova Iorque, vindos da bucólica Bouler, no Colorado, onde se haviam conhecido na universidade local. Como tantos outros aspirantes a artistas que afluem quotidianamente à cidade, tinham a ambição de aí se estabeleceram. “No início, não foi fácil”, diz-nos a cantora Caroline. “Nem sequer entendia o que atraía tanto os meus amigos para aquela cidade, mas depois, aos poucos, fui percebendo. A verdade é que ao fim de algum tempo estava submersa no ambiente artístico e isso é contaminador. Ou seja, de repente estamos rodeados de pessoas que desejam o mesmo que nós, e isso por um lado pode ser aflitivo, mas por outro pode ser muito sugestivo.”

No caso deles, esse poder de sugestão funcionou. Aaron separou-se profissionalmente do projecto, depois de se ter separado sentimentalmente de Caroline, mas os outros dois continuaram mergulhados na atmosfera produtiva de Brooklyn, que então começava a dar sinais de ser o pulmão criativo da cidade, ao lado de projectos musicais como os MGMT, Yeasayer, Vampire Weekend ou Dirty Projectors, que iriam marcar os anos vindouros. Ao contrário destes, a sua postura era assumidamente pop, embora contaminada por uma estética indie. Com os anos, foram criando o seu espaço: lançaram dois álbuns, e agora, quase uma década depois de terem chegado a Nova Iorque, têm um álbum pronto, Moth – a editar em Janeiro – que está totalmente fecundado pela cidade. “É o nosso álbum nova-iorquino”, acaba por dizer-nos Patrick Wimberly.

Será, em parte, sobre esse disco que o concerto desta sexta-feira, no Coliseu dos Recreios, incidirá, sem esquecer obviamente os álbuns Does You Inspire You (2008) e Something (2012). Há dias tocaram, pela primeira vez, na Cidade do México, tendo apresentado algumas das canções do novo álbum, e o resultado deixou-os esfuziantes. “Nunca tínhamos tocado no México, não sabíamos o que iriamos encontrar, mas ficámos rendidos porque as pessoas reagiram bem às novas canções”, refere Patrick, enquanto Caroline sublinha que este regresso aos palcos com novo repertório a fez recordar dos primeiros tempos. “Estávamos ansiosos porque temos uma nova formação  um guitarrista, um percussionista, eu nos teclados, por vezes e o Patrick nas electrónicas  que foi concebida a pensar neste álbum, e ver a reacção das pessoas foi óptimo, pela excitação e porque conseguimos criar uma atmosfera positiva, com toda a gente relaxada. Foi uma experiência libertadora, que é aquilo que, no fim de contas, desejamos sempre.”

PÚBLICO -
Foto
DR

A costela da cidade
Ao contrário dos anteriores discos, em que existia uma ideia global subjacente desde o início, desta feita os Chairlift começaram por sessões de improviso, sem saberem muito bem o que iria acontecer. “Neste caso tomámos uma decisão que acabou por ser determinante para a feitura do disco: termos o nosso próprio espaço e montarmos um estúdio”, revela Patrick. “Corri a cidade à procura desse lugar, mas em Nova Iorque não é fácil encontrar um lugar onde se possa fazer barulho durante o dia”, ri-se ele, acrescentando que acabaram por descobrir uma velha fábrica abandonada recuperada onde se alugavam pequenos espaços. “Quando nos mudámos e começamos a compor, percebemos de imediato que iria ser um disco muito nova-iorquino, no sentido de traduzir as nossas vivências mais quotidianas da cidade”, expõe.

Quando montaram o estúdio, a sua relação com a própria cidade transformou-se. “De repente, é como se tivesse um trabalho das nove às cinco, o que nunca me aconteceu. Tomo café, vou para o estúdio às 10h ou 11h, fico por lá a trabalhar, e regresso a casa lá para as 19h ou 20h, para jantar com a minha mulher.” Já Caroline salienta que “apanhava o comboio todas as manhãs para o estúdio, andava pelas ruas de maneira descontraída", e que "isso tornou-se parte integrante da feitura do disco”. E acrescenta: “Eu sei que é difícil de compreender em abstracto, mas é como se o disco acabasse por representar para mim o que significa ser uma jovem mulher em Nova Iorque em 2015. Quando começámos a trabalhar, tinha este sentimento de que gostava que Nova Iorque fosse o centro do que iríamos fazer, mas era qualquer coisa de subconsciente. Não o digo tanto ao nível das letras, mas da emoção, do espírito da música, qualquer coisa positiva e calorosa, mas que também que capta a coexistência no caos. Mas foi apenas depois de começarmos a trabalhar a sério que percebemos que era um disco sobre a cidade.”

Fala-se com eles e percebe-se que a criação do novo álbum é recente, e que as suas reflexões acerca do mesmo ainda são imprecisas. “É verdade que ainda não tivemos muito tempo para ponderar sobre o que fizemos, ainda não ganhámos o distanciamento suficiente”, ri-se Caroline, “talvez porque desta feita tenhamos operado de forma diferente. Os nosso primeiro e segundo álbuns foram feitos em Nova Iorque, mas parece-me que o sentimento do lugar nunca foi transposto para a música. Quando olho para esses discos, é como se vislumbrasse uma espécie de colagem de diversos lugares. Com este disco foi diferente. Sentimos que a energia da cidade, a sua costela multicultural, está lá.”

O single de avanço já conhecido, Ch-ching, é uma espécie de R&B digitalizado de sensibilidade pop, que parece evocar algumas das produções do último álbum de Beyoncé, a celebridade com quem colaboraram no final de 2013. “Foi uma magnífica experiência”, recorda Patrick, “conhecia a sua irmã Solange e às tantas a Beyoncé veio ver um espectáculo nosso, falámos sobre o facto de estarmos a montar um estúdio e ela virou-se para nós e disse-nos que gostava de trabalhar connosco. Na semana seguinte estávamos todos em estúdio.”

“Ela convidou-nos porque gostava da nossa música, é simples”, resume Caroline, recordando a história à volta da canção No angel, que integra o último álbum de Beyoncé. “Na altura em que estávamos a falar sobre o trabalho que havíamos feito com ela naquela semana, recordei-me que tinha uma canção no meu computador, que havia composto num hotel em digressão por Inglaterra, e à qual faltava apenas um verso. Pensei que poderia ser um bom tema para os Chairlift, mas seria incrivelmente sensual na voz de Beyoncé, e assim acabou por acontecer. Foi um pouco estranho, aquela canção, criada no meu computador, na privacidade, acabar assim”, ri-se ela, “mas foi também um orgulho.”

Química
No ano passado, Caroline dedicou-se a um projecto a solo, a que deu o nome de Ramona Lisa, lançando o álbum Arcadia, disco que a própria descreve como “intimista, caseiro, feito no computador.” Patrick, por sua vez, também não parou depois da última digressão, produzindo, misturando e tocando para outros artistas como Solange, Tune-Yards, Kelela ou os Wet. Quando voltaram a trabalhar juntos, a química regressou. “Depois desse projecto sem instrumentos, amplificação e homens por perto”, ri-se ela, “soube-me bem mergulhar em algo completamente diferente, vibrante, multidimensional e futurista, como são os Chairlift. Ao mesmo tempo foi óptimo voltar aos instrumentos acústicos e sentir essa vibração. Este não é um disco computorizado.”

“Os dias iniciais em estúdio foram retemperadores”, acrescenta Patrick. “A Caroline ia improvisando com o seu teclado e eu ia introduzindo ritmos, sem sabermos muito bem o que dali iria resultar, mas na semana seguinte percebemos que tínhamos a base para um futuro trabalho. Conseguimos criar de novo um lugar onde nos podíamos divertir e isso é óptimo. Gostava que essa alegria e essa satisfação passassem para as pessoas quando nos ouvirem em disco ou no palco.”  

Quem os viu no único concerto que deram em Portugal – no festival Primavera Sound, em 2012 – sabe do que são capazes. A sua música tanto pode ser elegante como exuberante, movendo-se por entre dinamismos rítmicos eficazes e arranjos nada óbvios, mas em palco o que fica é o som orgânico pop e a vocalização magnífica de Caroline, algures entre a expressividade luxuriante e o charme mais contido.

Cada canção é povoada por muitos elementos, mas o que sobressai no final é o lado mais empírico, como se o duo se libertasse de qualquer constrangimento de criar pop de uma forma emocional directa. “Patrick tem uma aproximação diferente à música, é mais tecnicista e cuidadoso, está sempre a tentar fugir das coisas mais imediatas, enquanto eu sou mais intuitiva e gosto do impacto directo”, diz Caroline. “No fim de contas, parece-me que é por isso que funcionamos bem os dois.”