Governo de “iniciativa presidencial” não, o resto talvez…

Cavaco Silva prepara-se para ouvir os partidos, pela segunda vez desde as eleições. As hipóteses do Presidente são limitadas.

Foto
Petição foi lançada após polémicas declarações de Cavaco sobre as suas remunerações Nuno Ferreira Santos

Sem o poder máximo de que dispõe no sistema político português – o de dissolver o Parlamento , Cavaco Silva tem tentado conquistar espaço político comprando tempo. Ouvindo figuras que escolheu, e que na sala das bicas do Palácio de Belém transmitem à opinião pública, em conferências de imprensa sucessivas, as suas dúvidas e os seus anseios. Algumas e alguns coincidirão com os do próprio Presidente. Mas restam-lhe poucas alternativas para lidar com um Parlamento que parece disposto a levar o braço-de-ferro até ao fim.

É mais seguro analisar o que Cavaco Silva recusa, do que aquilo que tenciona fazer. Em 2013, durante a crise provocada pela demissão de Paulo Portas, Cavaco mostrou-se favorável a um Governo de entendimento entre os então três maiores partidos: PSD, PS e CDS. Enquanto duravam os encontros entre as direcções de Pedro Passos Coelho, António José Seguro e Paulo Portas, ganhou espaço um rumor. Cavaco poderia indigitar um Governo de iniciativa presidencial que materializasse esse entendimento, mesmo que os partidos não chegassem a qualquer acordo. Cavaco foi rápido a desmentir a possibilidade, em declarações à RTP, em Julho de 2013: “Se um Governo que passa na Assembleia não responde perante o Presidente mas só perante a Assembleia, então não faz qualquer sentido um Governo de iniciativa presidencial.”

Para o efeito, o Presidente citou a revisão constitucional que retirou ao chefe de Estado a tutela política sobre o Executivo e a possibilidade de o exonerar: “É um plano que está totalmente excluído, porque desde 1982 com a revisão constitucional os Governos deixaram de responder politicamente perante o Presidente da República.”

Por isso, os deputados que se opuseram a esta diminuição dos poderes presidenciais criticaram, na altura, como Vital Moreira, a limitação: “Cortam-lhe o braço direito e acrescentam-lhe um dedo à mão esquerda”, ironizou o constitucionalista. Outros, como André Gonçalves Pereira viram nesta alteração uma mudança de regime, do semi-Presidencialismo para um “parlamentarismo regulado”.

Em troca, o Presidente recebeu a tal “bomba atómica”, a dissolução, que Cavaco Silva não pode usar (porque o Parlamento só pode ser dissolvido seis meses após a sua posse).

Esse é o poder que permitiu, por exemplo, a Jorge Sampaio impor limites ao Governo de Pedro Santana Lopes. Cavaco não pode, como Sampaio, invocar o poder de dissolver o Parlamento para fazer cumprir aquilo que considera ser obrigatório na actuação do Governo.

Parecem restar-lhe, então, apenas duas alternativas: indigitar António Costa, que dispõe de uma maioria parlamentar que viabiliza o seu Governo, ou manter Pedro Passos Coelho em “gestão”, com poderes limitados e em minoria no Parlamento.

Cavaco Silva ainda não convocou o seu órgão consultivo, o Conselho de Estado. Mas se o fizer, provavelmente ouvirá dos seus 19 conselheiros a mesma conclusão. Costa ou Passos.

Mas, tal como em 2013, Cavaco pode surpreender.

Presidente recebe os partidos na sexta-feira e começa pelo PSD