Coligação está perplexa com viragem política, mas espera formar governo

PSD e CDS ainda não sabem se o eventual executivo tem viabilidade.

Foto
Daniel Rocha

Os dirigentes do PSD e do CDS estão perplexos com a possibilidade de o PS vir a liderar um executivo, depois de ter perdido as legislativas. É quase dado como certo que Passos Coelho será indigitado primeiro-ministro, que o novo governo toma posse e logo a seguir apresenta o seu programa na Assembleia da República. A partir daí, o que acontece é ainda uma incógnita.

A coligação PSD-CDS tem dado sinais de estar surpreendida com o comportamento de António Costa e não descarta a possibilidade de o PS vir a derrubar um governo liderado por Passos Coelho ao aprovar a moção de rejeição ao programa. O líder do CDS-PP, Paulo Portas, deixou um aviso. Esse executivo do PS, se vier a existir, tem o apoio de “uma maioria relativa mais pequena do que a da coligação, que é a maioria relativa de quem perdeu “está ferido de legitimidade”, afirmou na Rádio Renascença. Portas disse que a formação do novo governo – que espera que venha a ser liderado pelo líder do PSD – levará o tempo que for necessário. Mas outros dirigentes na coligação assumem que “não se pode perder mais tempo”.

A ideia de que Passos Coelho será indigitado primeiro-ministro é a convicção mais forte entre os dirigentes do PSD e do CDS que lembram o perfil “institucionalista” do Presidente da República. E essa vertente da vitória eleitoral nas urnas de 4 de Outubro foi sendo bastante sublinhada nos últimos dias, à medida que fracassavam as negociações do PS com a coligação e progrediam com os partidos mais à esquerda.

No dia em que foi recebido em Belém, Passos Coelho pediu uma clarificação ao PS sobre o que vai fazer. Pouco tempo depois, Costa respondeu ao assumir que tem condições para formar governo com apoio do BE e PCP. Mas os dirigentes da coligação ainda se interrogam sobre como é que a bancada socialista se vai comportar, se tiver de votar uma moção de rejeição ao programa de um governo liderado por Passos Coelho. Se a opção for a de deitar abaixo esse executivo, os sociais-democratas e democratas-cristãos dizem-se preparados para fazer oposição.

Para já um novo governo só pode tomar posse depois de sexta-feira, dia em que está previsto o início da nova legislatura na Assembleia da República. Após entrar em funções, o executivo tem até um máximo de dez dias para apresentar no Parlamento o programa de governo. No caso de ser Passos Coelho o primeiro-ministro, esse prazo não deve ser esgotado. O programa é discutido, mas não é votado. Só será, se alguma bancada parlamentar solicitar uma moção de rejeição. Aí será precisa uma maioria absoluta (116) de deputados para ser aprovada. A rejeição do programa implica a queda do governo.

Sugerir correcção