Mygon investe 2,5 milhões de euros na internacionalização

A empresa portuguesa tem um guia online com informações e descontos.

Protocolo prevê um contacto regular entre os operadores e a Procuradoria-Geral da República
Foto
Protocolo prevê um contacto regular entre os operadores e a Procuradoria-Geral da República Pedro Cunha/Arquivo

A empresa portuguesa Mygon, um guia local do mercado na Internet com informações e descontos, investiu 500 mil euros na internacionalização para Espanha e quer aplicar mais dois milhões em 2016 em mercados como o Reino Unido e Holanda.

“Após o investimento em Espanha prevemos um outro de dois milhões de euros, a realizar durante 2016, para o lançamento em novos mercados europeus”, informa o co-fundador e presidente do conselho de administração da Mygon, Ricardo Vilares.

Apontando o Reino Unido e a Holanda como os próximos mercados de aposta após o lançamento em Espanha, que ocorre este mês, Ricardo Vilares destacou ainda o interesse da empresa nos EUA, onde admite entrar “nos próximos anos, mas não antes de 2017”.

Criada em 2012, a Mygon pretende assumir-se como “o guia local mais completo do mercado” online, estando acessível de forma gratuita através de uma aplicação móvel e via website com “promoções e descontos, informações, fotografias, opiniões e preçários de milhares de restaurantes, estéticas, spas e outros serviços locais e experiências”.

Face a concorrentes como a Groupon, Tripadvisor ou Zomato, esta aplicação/plataforma diz distinguir-se pelo facto de os utilizadores não terem “necessidade de pagar antecipadamente, contactar o comerciante para reservas ou imprimir ‘vouchers’".

“O processo de obtenção de um desconto é muito simples. Por exemplo, no caso de um restaurante, o utilizador escolhe a campanha que pretende usufruir, reserva grátis na Mygon, depois enviamos um SMS e um e-mail ao comerciante a avisá-lo da reserva com os contactos do utilizador. No dia e hora agendados, o utilizador dirige-se ao comerciante dizendo que fez uma reserva pela Mygon e, após a refeição, paga directamente ao comerciante o valor com o desconto, cobrando a Mygon por cada utilizador uma taxa directamente ao comerciante”, explica Ricardo Vilares.

Convicta de que a agregação de “todos estes serviços e funcionalidades” fazem da empresa “um caso pioneiro e único de toda a concorrência do sector a nível nacional e internacional”, a Mygon lançou-se este mês na internacionalização, tendo optado pela estreia no mercado espanhol pela proximidade, “mas também pelo facto de ser um país com uma taxa de penetração de smartphones bastante elevada”.

“Era o mercado mais lógico de arranque, mas queremos rapidamente escalar para outros países na Europa e também entrar nos EUA, porque acreditamos ser o guia que mais facilita o utilizador a escolher a que restaurante ir jantar, que atividade fazer no fim de semana ou onde ir fazer uma massagem”, revela.

Para a Mygon, a presença em todo o mercado ibérico é agora “uma oportunidade para empresas, marcas e comerciantes dos dois países divulgarem os seus serviços junto dos consumidores, numa divulgação directa do comerciante para o utilizador não só do ponto de vista presencial, mas, e sobretudo, promocional”.

A equipa ibérica inicial da Mygon terá 40 colaboradores e pretende alcançar, no primeiro ano, cerca de 300 mil utilizadores registados e 1500 prestadores de serviços parceiros em Espanha, “replicando o sucesso” dos últimos três anos em Portugal, onde diz já ter atingido “mais de um milhão de visitantes e 4000 prestadores de serviços parceiros”.