Esta é a fotografia do "naufrágio da humanidade"

Um barco naufragou com 12 pessoas a bordo ao largo da Turquia.

Fotogaleria
Morreram 12 das pessoas que iam no barco que se afundou esta quarta-feira, incluindo uma mulher e cinco crianças, uma delas o menino que este polícia leva no colo Nilufer Demir/DHA/Reuters
Fotogaleria

Os dois barcos partiram com refugiados, separadamente, de Akyarlar, perto da península turca de Bodrum. Um afundou-se — o menino afogado ia nesse barco. As imagens do seu pequeno corpo na praia, de barriga para baixo, começaram a correr mundo, nas manchetes dos jornais online e nas redes sociais. Num instante, tornaram-se as fotografias mais partilhadas com a hashtag KiyiyaVuranInsanlik — o naufrágio da humanidade.

Segundo a polícia turca, morreram 12 das pessoas que iam no barco que se afundou esta quarta-feira, incluindo uma mulher e cinco crianças, uma delas o menino que o polícia que parece engolir em seco leva no colo. Sete pessoas foram salvas, duas estão ainda desaparecidas. A polícia turca disse que estava a perder a esperança de encontrá-las com vida.

O destino das duas embarcações, com um total de 23 pessoas, era a ilha grega de Kos, no outro lado do Mediterrâneo. Ali, as autoridades disseram estar convencidas de que os mortos são sírios, oriundos de uma zona controlada pelo Estado Islâmico.

Kos tornou-se um íman para milhares de pessoas que arriscam a vida para chegar à União Europeia, fugindo de guerras, conflitos e perseguições. Também outras ilhas gregas os recebem: esta quarta-feira, 2500 refugiados, provavelmente também sírios (segundo a polícia), chegaram a Lesbos, dentro de 60 botes e outras embarcações frágeis.

Os números oficiais dizem que só este Verão no Mediterrâneo morreram 2500 pessoas que tentavam encontrar uma vida melhor na Europa.