Passos Coelho faz apelo directo a eleitores do centro-esquerda

No encerramento da Universidade de Verão, líder social-democrata dirige-se aos "que não são do PSD e do CDS" e coloca desigualdades sociais no topo das prioridades.

Foto
Miguel Madeira

A pouco mais de um mês das eleições legislativas, Passos Coelho fez um apelo aos eleitores do centro-esquerda – que não são do “PSD e do CDS” – para pensarem mais no futuro dos próximos quatro anos do que nas dificuldades por que passaram nos últimos anos. Foi um discurso também dirigido aos desiludidos com o Governo PSD-CDS que marcou a intervenção de encerramento da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide.

“Tenho apelado a muitos que, não sendo do PSD e CDS, que acham, num cálculo egoísta, que passaram dificuldades muito grandes que associam ao Governo que lidero, que pensem não apenas no período por que passámos mas no futuro que estamos a construir”, afirmou o líder do PSD, perante uma plateia de cerca de cem jovens da JSD. Pelo CDS-PP estava João Almeida, vice-presidente do partido e secretário de Estado da Administração Interna.

Falando de improviso, como é hábito, Passos Coelho sublinhou a necessidade de manter acima dos interesses pessoais – aquilo que “nos toca directamente” – o interesse colectivo. “Não é uma escolha partidária, do interesse pessoal de cada eleitor, é uma escolha de toda a sociedade portuguesa. E por isso não são apenas os interesses pessoais e partidários que convocamos para a reflexão dessa escolha, queremos falar com todos, independentemente das barreiras ideológicas”, disse Passos Coelho, referindo-se ao que está em causa nas legislativas de 4 de Outubro. E associou a essa reflexão a “prioridade de combater as desigualdades sociais” proposta pela coligação PSD-CDS.

“Temos condições para aspirar a um regime de maior justiça social”, frisou, assumindo que “Portugal tem muitas assimetrias” que não foram causadas “pela crise”. “Temos de colocar as desigualdades sociais e económicas no topo da nossa agenda política para os próximos anos”, afirmou, salientando, no entanto, que esta mensagem é típica dos partidos mais à esquerda. “Claro que os nossos adversários não pensam assim. Pensam que alguém do PSD e do CDS não pode querer combater as desigualdades sociais”, disse no palco do cine-teatro remodelado de Castelo de Vide.

Sem nunca se referir ao PS ou ao seu líder, António Costa, Passos Coelho gastou boa parte do discurso a criticar a opção dos governos anteriores de insistirem num modelo económico baseado no estímulo ao consumo interno (que é uma das ideias chave da actual proposta socialista), na promoção do investimento em obras públicas e na dependência da construção civil e na área imobiliária na economia. Ainda na terça-feira o líder socialista assumiu o “objectivo quantificado” de disponibilizar mil milhões de euros para a reabilitação urbana no país. 

Passos Coelho não fez apenas uma crítica a este modelo. Lembrou as transformações lançadas na economia nos últimos quatro anos para se dirigir aos que, com essas mudanças, perderam o emprego. “Muitas pessoas trabalhavam nessas áreas. Hoje estão pior. O nosso objectivo é que possam encontrar oportunidades no futuro. Não dar-lhes o passado. É assim. Temos de andar para a frente”, afirmou. Apesar de assumir que “muitas” dessas pessoas “têm baixas qualificações”, o tom foi de esperança, ao dizer que “é indispensável que novas oportunidades possam aparecer para aqueles que querem mudar de vida”. E insistiu que nesta “mudança histórica” não se pode voltar para trás. “Isso seria um erro grave”, disse, num recado que é dirigido aos socialistas.

Bancos e governo não são "para amigos"
Sem dizer a palavra troika ou "programa de ajustamento" em toda a intervenção, Passos Coelho lembrou que “o próximo governo terá mais liberdade para fazer escolhas boas e escolhas más”, ressalvando que espera que “sejam boas”.

Elegeu como fundamentais nessa “consolidação das mudanças” para o futuro a aposta na formação e qualificação, mas também a existência de uma economia “aberta e não protegida”. E de um sistema financeiro que financie as empresas à luz de critérios honestos: “Se as empresas são mal geridas, então têm de mudar de dono. Não podemos canalizar o financiamento para empresas só porque têm gente amiga, com quem andaram na escola, ou que conheceram no partido. Não é para isso que existem os bancos. É para trazer as pessoas competentes.”

Mais uma vez, o líder social-democrata defendeu o financiamento como condição para o crescimento económico. E voltou a fazer depender do financiamento a necessidade “ter as contas em ordem”. “O resto, como se recordam, é uma história para crianças", observou, numa alusão à expressão que o próprio usou no início do ano quando criticou o irrealismo das propostas do partido grego Syriza.

Falando no palco decorado com as cores da coligação (laranja e azul), apesar de a 13.ª Universidade de Verão ter sido organizada apenas pela JSD, como é habitual, Passos Coelho justificou a aliança com o CDS/PP com a necessidade de consolidar um “regime com mais liberdade económica e financeira” e “um futuro com mais prosperidade”.

Foi neste momento que começou então a dirigir-se aos eleitores que não são de nenhum dos dois partidos e a recusar as “trincheiras do nós e eles”. “Esta coligação tem de funcionar com abertura para todos os portugueses, para os que acham que o mundo não é a preto e branco.” O líder do PSD empenhou-se em tentar retirar a carga ideológica e partidária das legislativas, ao dizer que o que está em causa no futuro “não são convicções ideológicas, nem dogmatismos partidários”, mas sim “coisas muito concretas”.

Passos Coelho optou por não fazer um balanço dos quatro anos de governo – dizendo apenas que “não fez tudo bem” – mas no final deixou um desabafo: “Foi difícil, mas valeu a pena.”

A visita do líder do PSD a Castelo de Vide foi curta. À chegada ao cine-teatro, ao final da manhã, eram muito poucos os populares que o esperavam. Só à saída Passos Coelho cumprimentou algumas pessoas que se aproximaram antes de entrar no carro e seguir viagem para as festas de Campo Maior.