O que terá levado o rei a arriscar tanto numa aventura africana?

O espírito de cruzada; o ouro e os cereais; a vontade de mostrar poder a Espanha. A discussão sobre as causas da conquista é interminável. À margem do motivo, Ceuta foi um risco que poderia ter afundado o país.

Fotogaleria
D. João I DR
Fotogaleria
Ceuta numa gravura da época DR

Há mais de cem anos que os historiadores procuram uma resposta para as causas que levaram um reino pobre, com menos de um milhão de habitantes e a braços com um grave surto inflacionário a ousar uma expedição que visava a conquista de uma cidade que, nos seus tempos áureos, tinha a dimensão de Lisboa (uns 30 mil habitantes no final do século XIV).

O único ponto de consenso neste debate é que não houve certamente uma única causa, mas muitas causas. O que esteve seguramente longe de acontecer foi uma acção impulsiva, voluntarista ou irreflectida. Raras vezes na história de Portugal uma acção desta envergadura foi objecto de tanta meditação, de tanto planeamento e de tanto zelo na guarda dos segredos do Estado. Ceuta é por isso um atestado de maioridade política do país, interpretada por uma geração que chegou e se firmou no poder após uma revolução de cariz popular, em 1383, e uma longa guerra com um vizinho mais poderoso que atingiu o seu zénite na vitória de Aljubarrota, a 14 de Agosto de 1385.

No início do século XV, a guerra com a Espanha ficou suspensa e Portugal estava condenado a viver o que o historiador Bernardo Vasconcelos e Sousa designou na História de Portugal dirigida por Rui Ramos como o “impasse ibérico do reino”. “D. João I conseguiu estabilizar o país depois de vencer a ameaça castelhana e percebeu que tinha de projectar a capacidade de intervenção militar do reino até às suas fronteiras estratégicas”, nota o historiador João Paulo Oliveira e Costa. “Exibindo os músculos”, Portugal impunha respeito a qualquer veleidade de conquista vinda de Castela, escreve Luís Miguel Duarte, historiador da Universidade do Porto. Como sublinha João Paulo Oliveira e Costa, os portugueses “ganhavam um novo protagonismo nas relações entre o Mediterrâneo e o Atlântico norte por criarem uma nova escala para a navegação cristã num ponto crítico das rotas navais”. No mesmo contexto, Jorge Borges de Macedo sublinhava a conquista como uma forma de garantir o equilíbrio com Castela e Aragão no contexto peninsular.

Depois de atravessar as interrogações de várias gerações de historiadores, a tese de que a dinastia de Avis se procurava consolidar no quadro peninsular e europeu através de uma acção militar capaz de amainar as ambições da nobreza parece assim ter ganho avanço sobre todas as outras causas esboçadas em quase cem anos de debate historiográfico. Mas neste debate nenhuma dos argumentos anteriores foi liminarmente rejeitado. Investigadores como Oliveira Marques, João Paulo Oliveira e Costa ou Luis Filipe Reis Thomaz reconhecem que, de alguma forma, Ceuta é um capítulo tardio da Reconquista Cristã, embora com matizes que os separam dos argumentos espirituais de Joaquim Bensaúde e, numa outra dimensão, Jaime Cortesão. “A conquista de Ceuta é um segundo episódio da “Reconquista” – com aspas, como diz o José Mattoso – cristã da Península Ibérica”, sublinha o historiador Amândio Barros.   

Se há teses que, sem se extinguirem, perderam fôlego foram as que apontam Ceuta como uma Cruzada destinada a impor o império da fé ou como uma operação destinada a obter proveitos económicos. Já no século XIX Oliveira Martins indicava que Ceuta abria a Portugal “as portas douradas do Oriente vago e misterioso”, onde havia cristãos perdidos mas também ouro, tecidos preciosos e especiarias. António Sérgio mencionava a necessidade de controlar os cereais de Ceuta, como se Ceuta fosse uma zona produtora e não apenas um mercado de destino que podia ser facilmente substituído. Da mesma forma, as rotas do ouro ou das sedas estariam condenadas a extinguir-se quando os portugueses dominassem a praça. As causas económicas, que também atraíram Jaime Cortesão ou Vitorino Magalhães Godinho, deixaram de ter o ascendente no debate que tiveram na segunda metade do século XX.  

Certo é que Ceuta nasce de um impulso interno, de uma necessidade de encontrar “uma saída” para um impasse, na reflexão de Bernardo Vasconcelos e Sousa. Não é ainda um impulso movido pela necessidade de abertura ao mundo, de conhecimento ou de qualquer instinto progressista que determinaram o espírito do Renascimento. “A expansão portuguesa em Marrocos antes de D. João II é muito mais um derradeiro episódio da história medieval do que o primeiro episódio da moderna”, nota Luis Filipe Reis Thomaz nessa obra extraordinária da História portuguesa contemporânea que é o livro “De Ceuta a Timor”. Até porque, como escreveu em 1985 Alexandre Lobato (citado no livro de Paulo Drumond Braga), o móbil principal da aventura foi o espírito de cavalaria na sua vertente de honra e proveito. “Não há razão imperativa alguma, nacional, peninsular ou internacional para se conquistar Ceuta. Trata-se de uma inutilidade grandiosa, qualquer coisa como o feito da construção de Mafra no século XV”, escreveu este autor.

À margem das motivações, consolida-se também a ideia de que o risco da conquista de Ceuta raiou os limiares da insensatez. António José Saraiva, no seu essencial estudo “O Crepúsculo da Idade Média em Portugal” explicou porquê: “Tudo poderia ter acabado num desastre total, como, vinte anos depois, o mostraria a derrota de Tânger, que é um aviso de Alcácer-Quibir. O rei arriscou nela a vida, o exército e a independência do Reino. Os que vêem nesta aventura o plano sensato de um mercador ‘de claro entendimento’, como seria o vedor da fazenda João Afonso, mostram como são escravos de esquemas pré-concebidos”. Para Saraiva, “a verdade é que Ceuta foi uma das mais perigosas e bem-sucedidas aventuras da história portuguesa, própria de cavaleiros temerários que punham as suas vidas na balança do ‘juízo de Deus’. Este episódio de maneira nenhuma abona o famoso despertar do espírito científico e mercantil que alguns historiadores e ensaístas viram na origem da expansão portuguesa. Parece mais um feito de vikings”. O historiador Luís Miguel Duarte, um dos investigadores que mais estudou esta fase da história nacional, subscreve “totalmente” esta opinião.