Esta é a foto mais nítida de sempre de Plutão… por enquanto

A sonda New Horizons da NASA, que passou nesta terça-feira pelo seu ponto mais próximo do planeta-anão, já enviou esta madrugada o primeiro sinal para a Terra.

Fotogaleria
Plutão fotografado a 13 de Julho (um pixel corresponde a quatro quilómetros) AFP/NASA
Fotogaleria
Imagens em falsas cores de Plutão (à esquerda) e Caronte NASA

“3-2-1 – UAU!!!!” Eram 12h49 (hora de Lisboa) desta terça-feira quando os aplausos e os gritos de alegria explodiram no centro de controlo da missão New Horizons da agência espacial norte-americana NASA, na Universidade Johns Hopkins (EUA) – com o mundo inteiro presenciar o acontecimento via Web.

Nesse preciso instante, a New Horizons, que há nove anos e meio iniciou a sua viagem em direcção ao mais longínquo grande corpo do Sistema Solar – o planeta-anão Plutão, situado a 4800 milhões de quilómetros de nós –, estava, segundo os cálculos dos cientistas, a passar a toda a velocidade a apenas 12.500 quilómetros de distância de Plutão (a distância entre Lisboa e Honolulu, Havai).

Porém, todos sabiam que ainda iriam ter de esperar umas 13 tensas horas (até às duas da manhã desta quarta-feira em Lisboa) para ter a certeza de que tudo tinha corrido como previsto – isto é, de que a sonda tinha conseguido realizar o seu programa de observação de Plutão, do seu companheiro Caronte e de mais duas luas antes de seguir disparada para os confins do nosso sistema planetário. E o sinal chegou de facto e a sonda sobreviveu a este encontro histórico com Plutão, confirmou já a NASA. "Temos uma sonda em forma, registámos dados e agora estamos de saída de Plutão", disse Alice Bowman, responsável operacional da missão. "Não consigo dizer o que sinto. Foi tudo como planeámos."

A sonda vai agora ocupar-se nos próximos 15 meses na seguinte tarefa: depois de virar a sua antena para a Terra, começará a enviar fotografias de Plutão com resoluções muito maiores do que a da que ilustra este texto, bem como uma bateria de dados que deverão permitir perceber melhor este misterioso astro.

“Esta imagem é a primeira de muitas recompensas que iremos receber”, disse nesta terça-feira John Grunsfeld, da NASA, no início da primeira conferência de imprensa após o “encontro” da sonda com Plutão.

“Faz hoje 50 anos que os EUA embarcaram na exploração do Sistema Solar, quando a Mariner IV passou ao pé de Marte”, salientou Alan Stern, investigador principal da missão. “Agora, exactamente 50 anos depois, completámos a nossa missão de reconhecimento de todos os planetas.”

“O que está a acontecer é realmente fantástico”, acrescentou Alice Bowman, na conferência de imprensa de terça-feira. “Quase não consigo esperar por amanhã (da parte da tarde em Lisboa), quando começarmos a receber mais imagens. Não tenho dormido muito desde que perdemos o contacto com a sonda, na noite de segunda-feira para terça [pelas 4h17 da manhã hora de Lisboa]. Sinto-me nervosa, mas acredito que ela se vai virar para nós e enviar dados.”

Entretanto, a primeira comunicação, de 20 minutos, deverá ser estabelecida com a sonda e o sinal (o seu “telefonema para casa”, nas palavras de John Grunsfeld) captado por uma antena de observação do espaço profundo que a NASA tem na Austrália e reenviado para os EUA.

Esse ‘aperto de mão’ entre a antena terrestre e a sonda permite avaliar o estado da comunicação, localizar a sonda e ainda avaliar em tempo real o estado de todos os instrumentos de bordo, nomeadamente do computador principal e dos controlos de navigação. “São sequências de 0 e 1 que surgirão nos ecrãs transcritos em mensagens [em inglês]”, especificou Alice Bowman.

Alan Stern descreveu mais precisamente o que se via na imagem. Para além da grande mancha, que já é informalmente chamada "o coração", existem zonas escuras perto do equador. "Mas o que queremos fazer a seguir é analisar a topografia, a composição química, as variações de temperatura – e também ver imagens de alta resolução", disse Alan Stern. "Amanhã [quarta-feira] elas já vão ser dez vezes mais nítidas do a primeira e a seguir muito mais ainda."

“Neva em Plutão?”, perguntou alguém da assistência. “Parece mesmo que sim”, respondeu sem hesitar Alan Stern. Recorde-se que Plutão possui uma ténue atmosfera de azoto – que neste momento é transparente, o que facilita aliás as observações da superfície.

Algo que surpreendeu os cientistas é que Plutão parece ser muito mais novo do que Caronte, uma vez que apresenta menos sinais de impactos. “Espero que sejamos capazes de determinar as idades de ambos e de perceber se é mesmo assim e porquê”, frisou Alan Stern.

Outra coisa que a equipa quer fazer é estudar as faces dos dois corpos que se encontram sempre à sombra. Foi para isso que a New Horizons foi programada para, depois da sua passagem, se virar e olhar a contraluz para as silhuetas de ambos. “Escolhemos a data para beneficiar da reflexão da luz do Sol sobre Caronte, que assim ilumina Plutão", disse Alan Stern. “Mas mesmo assim, ainda não sabemos qual vai ser a resolução final das imagens."

A New Horizons tem energia para durar cerca de 20 anos e dirige-se para o espaço intersideral, “tal com as Voyagers, mas com instrumentos muito mais modernos", salientou o cientista. “E talvez até consiga um dia enviar dados do espaço situado para lá do fim do Sistema Solar.”

Notícia actualizada às 11h20 de 15 de Julho de 2015.