Autarca quer ecopista no canal da antiga linha do Sabor

A linha ferroviária desactivada ligava Miranda do Douro ao Pocinho
Foto
A linha ferroviária desactivada ligava Miranda do Douro ao Pocinho Nelson Garrido/Arquivo

O presidente da câmara de Miranda do Douro (PS) defendeu esta segunda-feira a recuperação do património da antiga linha do Sabor, de forma a criar um canal de ligação entre o Douro Internacional e Douro Vinhateiro através de uma ecopista.

A linha ferroviária do Sabor ligava o concelho de Miranda do Douro, no distrito de Bragança, ao Pocinho, no concelho de Vila Nova de Foz Côa (Guarda) e atravessava Mogadouro, Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo.

Em declarações à agência Lusa, Artur Nunes disse que a recuperação do património é um dos fatores de desenvolvimento económico da região do Douro Internacional, já que a região duriense não é só o Alto Douro Vinhateiro. “O Douro Internacional e o Alto Douro Vinhateiro têm de se unir para desenvolver projectos conjuntos, tais como o aproveitamento do canal ferroviário da antiga linha de caminho-de-ferro do Sabor que ligava Duas Igrejas (Miranda do Douro) ao Pocinho (Vila Nova de Foz Côa) “, afirmou o autarca.

Um dos exemplos é a recuperação da antiga estação de comboios de Sendim, onde foram investidos cerca de 90 mil euros financiados pela Corane - Associação de Desenvolvimento do Municípios da Terra Fria Transmontana. De acordo com o presidente da União de Freguesias de Sendim e Atenor, José Almendra, o imóvel, que esteve ao abandono “muitos anos”, volta agora a recuperar a sua “dignidade” e vai funcionar com um ponto de venda de produtos da terra e outras valências culturais e sociais.

Só no concelho de Miranda do Douro, está orçada em um milhão de euros a recuperação do canal ferroviário e consequente transformação numa ciclovia verde entre a recuperada estação de Sendim e Duas Igrejas, num percurso de cerca de 14 quilómetros.

A empresa Infraestruturas de Portugal, que resulta da fusão da Refer com a Estrada de Portugal, pretende avançar com a concessão da totalidade do canal ferroviário da antiga ferrovia do Sabor, tendo em vista a sua transformação num corredor destinado a uma Via Verde que englobe ecopistas e ciclovias.

A ideia começa a ganhar forma e passa por criar “um corredor verde ao longo de todo canal ferroviário”, já que a linha atravessa o Parque Natural do Douro Internacional, havendo por isso “mais-valias turísticas e ambientais que terão de ser exploradas”.

Outro dos projectos passa pela recuperação dos cinco imóveis e área envolvente da estação de Duas Igrejas, mas terá se esperar por fundos comunitários. Os serviços ferroviários da linha do Sabor foram encerrados em 1988, ficando o seu património ao abandono.

A Refer já havia afirmado, em 2012, que pretendia avançar com formas de persuadir os concelhos espalhados um pouco por todo o país e que são atravessados por estes tipos de canais ferroviários desactivados, a aderirem ao movimento das designadas “Vias Verdes Europeias”.