Ao minuto: Parlamento grego aprova referendo e Tsipras apela a um "grande não"

Acabou a segunda reunião dos ministros das Finanças do Euro. Ministro francês sublinha que o destino da Grécia é continuar na moeda única.

Fotogaleria
Yves Herman/Reuters
Fotogaleria
AFP/LOUISA GOULIAMAKI
Fotogaleria
AFP/Sakis Mitrolidis
Fotogaleria
AFP/LOUISA GOULIAMAKI
Fotogaleria
REUTERS/Yannis Behrakis
Fotogaleria
AFP/LOUISA GOULIAMAKI
Fotogaleria
REUTERS/Alkis Konstantinidis
Fotogaleria
AFP/ARIS MESSINIS

O dia está a ser agitado em Atenas e em Bruxelas, depois de o primeiro-ministro grego ter anunciado para 5 de Julho um referendo às propostas dos credores. O Governo grego propôs uma extensão do programa por "algumas semanas" para acomodar a realização da consulta popular, mas a zona euro não concordou com um prolongamento para além de 30 de Junho, o dia em que termina o prazo do reembolso ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Resumo dos principais acontecimentos do dia:

– Já na madrugada de domingo, o Parlamento grego aprovou a proposta de referendo e Tsipras apelou a um "grande não"

– Eurogrupo rejeita estender programa de assistência à Grécia para lá de 30 de Junho;

– Ministros das Finanças suspenderam reunião e voltaram a debater já sem a presença do ministro grego Yanis Varoufakis. A conclusão é que serão usados todos os instrumentos para manter a estabilidade da zona euro.

– O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, foi questionado sobre que matéria irão votar os gregos no referendo, que está marcado para depois de o programa de assistência caducar: "Tem de perguntar isso ao Governo grego."

– Parlamento grego discute a realização do referendo, com a presença do primeiro-ministro, Alexis Tsipras. Os dois partidos que governaram a Grécia alternadamente nos últimos 40 anos (os conservadores da Nova Democracia e os socialistas do Pasok) estão contra a realização da consulta popular;

– À entrada do Eurogrupo, a decisão de realizar o referendo foi fortemente criticada pelo ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, que acusou Atenas de ter posto "fim às negociações" de forma unilateral. Apesar do tom optimista do comissário Pierre Moscovici, que ainda acreditava ser possível alcançar um acordo, o ministro finlandês Alexander Stubb já antecipava: "O plano B pode tornar-se no plano A";

Da Grécia chegam imagens de filas de pessoas à espera para levantar dinheiro nas caixas multibanco. Até os deputados acorreram às caixas multibanco do Parlamento