O Pássaro de Fogo da CNB vive num tempo que ainda há-de vir

Nova produção segue de perto a história que conta o original de Fokine e é uma longa reverência à música de Stravinsky.

Fotogaleria
Um pássaro de poderes sobrenaturais interpretado pela bailarina Filipa de Castro Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
O vídeo mapping de Nuno Maya Daniel Rocha
Fotogaleria
Os figurinos são de José António Tenente Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

É o primeiro Stravinsky que faz e no início, só a ideia de pegar numa partitura do compositor russo, deixava-o aterrorizado. Hoje, a obra daquele que é considerado um dos maiores e mais revolucionários músicos do século XX continua a deixá-lo pouco à vontade, inquieto, mas a barreira do medo foi vencida: “Agora conheço-a melhor e, talvez por isso, seja capaz de a aceitar de outra maneira, ainda que não tenha sido nada fácil lidar com o ritmo alucinante, às vezes mesmo eufórico, com as melodias sobrepostas e as surpresas constantes.” Fernando Duarte, o mestre de bailado que assina a coreografia de O Pássaro de Fogo que a Companhia Nacional de Bailado (CNB) acaba de estrear no Teatro Camões, em Lisboa, foi cauteloso, explica, porque Stravinsky intimida, é certo, mas sobretudo porque a proposta do original já é, em si, profundamente inovadora: “Esta é uma peça histórica que ensinou à dança como mostrar um clássico condensado, que criou um novo estilo a partir de uma partitura corrida, sem pausas.”

O Pássaro original, o que subiu pela primeira vez ao palco em Junho de 1910, em Paris, é um marco da história da dança e um paradigma das produções e do método de trabalho da mítica companhia do empresário Sergei Diaghilev, os Ballets Russes. É a peça que marca o início de uma colaboração que daria origem a outras duas obras de referência do património balético – Petrushka e A Sagração da Primavera – e que tornaria Stravinky, então um compositor que ainda não tinha feito 30 anos, famoso. A nova produção da CNB segue de perto a original - Michel Fokine na coreografia em que junta dois contos populares russos,  servida pela cenografia de Aleksandr Golovin e pelos figurinos de Léon Bakst, ambos pintores -, mas procura afastá-la do universo de príncipes e princesas, sem retirar o que tem de fábula a esta história de um pássaro de poderes sobrenaturais (a bailarina Filipa de Castro), que ajuda Ivan Tsarevich (Carlos Pinillos), símbolo do bem, a resgatar das mãos de Köstchei, o mágico, o rosto do mal, a bela Tsarevna (Yurina Miura). Simples.

Fernando Duarte, também bailarino da companhia, nunca dançou O Pássaro de Fogo e trata a partitura de Stravinsky com reverência. Classifica-a muitas vezes como “pujante” e “sublime” e garante que jamais se atreveria a impor-lhe cortes. No guião de Fokine, que aqui se apresenta numa cenografia em vídeo mapping  de Nuno Maya e com figurinos de José António Tenente que nada devem à tradição do folclore russo, ao contrário dos originais de Bakst, o jovem coreógrafo também não fez alterações. “Quando trabalho tento sempre respeitar a forma como o compositor imaginou a peça do princípio ao fim”, diz, referindo-se aos outros dois trabalhos que assinou para a companhia, em especial a O Lago dos Cisnes, a sua estreia. “E aqui, como o trabalho do músico e do coreógrafo, que junta as duas histórias numa só, está muito colado à partitura, porque foi desenvolvido praticamente ao mesmo tempo, também não faria sentido alterá-lo muito.”

O que Fernando Duarte e Carlos Pimenta (dramaturgia) fazem é colocar a acção num tempo indistinto. “O nosso Pássaro vive num tempo por vir porque não queríamos fechar o conto, não queríamos que as pessoas sentissem que ele tem um prazo de validade”, explica o encenador, para quem o cenário imersivo de Maya (a projecção das imagens é feita a 270 graus) funciona como um livro de histórias ao vivo. “Não queremos que o cenário seja a estrela, porque num bailado a estrela deve ser a dança. Mas aqui ele funciona sobretudo como um instrumento para arrastar o público para dentro do espectáculo, um público que, por causa do número de músicos necessários para a partitura, está muito afastado do palco.” Nesta nova peça da CNB, que envolve 34 bailarinos, a Orquestra Sinfónica Portuguesa, sob a direcção de Joana Carneiro, actua com uma formação de 86 elementos.

Com uma estrutura pesada como esta, “era importante que o bailado fosse mais íntimo, mais humano”, acrescenta o coreógrafo. “Este nosso pássaro mágico nunca deixa de ser, também, uma mulher. Com toda a sua fragilidade e beleza. Eu não podia sujeitá-la ao mero esbracejar da ave que quer fugir.” Ela tem, afinal, a força de quem resiste e “uma imensa graciosidade”. É por isso, diz Fernando Duarte, que o Pássaro é capaz de garantir a vida eterna e é por isso, também, que Ivan nunca tem ao longo desta coreografia gestos largos: “Ele está quase sempre muito voltado para dentro, como se se mexesse com muito cuidado.” Exactamente o que fazemos quando temos um pássaro nas mãos e as fechamos em concha, para que não fuja.

A CNB dança O Pássaro de Fogo até 28 de Junho.