Grafeno permite a criação de roupas electrónicas em Aveiro

Carregar o telemóvel com o calor do corpo ou vestir uma camisa que muda de cor ao longo do dia vai ser possível no futuro.

Foto
Helena Alves, coordenadora da investigação DR

Helena Alves, cientista da Universidade de Aveiro (UA), juntamente com uma equipa internacional, desenvolveu uma técnica que permitirá no futuro carregar um telemóvel com o calor do corpo ou vestir roupa com sensores médicos.

A técnica inovadora, no âmbito da investigação internacional liderada pelo Centro de Investigação em Materiais Cerâmicos e Compósitos (Ciceco) – Instituto de Materiais da UA, permitirá no futuro a criação de roupas com computadores, telefones, leitores mp3, receptores GPS e muitos mais dispositivos electrónicos incorporados no próprio tecido. Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports.

A investigação consiste numa electrónica transparente, onde são incorporados eléctrodos de grafeno, uma nova forma de carbono, descoberta em 2004, com a espessura de um só átomo, quase transparente, denso, resistente, condutor da electricidade e do calor e tão elástico que pode ser esticado até 20% do seu tamanho original.

A cientista explica ao PÚBLICO que ainda levará alguns anos até se iniciar a confecção das roupas, estando esse processo neste momento em estudos.

Um das primeiras peças idealizadas é uma camisa que “muda de cor durante o dia, de manhã é vermelha e à tarde pode ser azul”, adianta a cientista, argumentando que não será preciso comprar várias camisas de cores diferentes, pois será possível ter “20 camisas diferentes numa só”, graças aos componentes electrónicos.

Até agora, a electrónica transparente incorporada na roupa era impossível devido à fragilidades dos materiais têxteis e pelo facto de não suportarem as temperaturas elevadas ou os processos agressivos a que estavam sujeitos. Para além disso, “os tecidos são fibrosos, o que torna difícil a adesão de outros materiais”, diz a cientista.

No entanto, esse problema foi contornado pela equipa liderada por Helena Alves, que usou grafeno em monocamada, suspenso numa solução aquosa e transferido para as fibras, permitindo aos investigadores tratar o material a uma temperatura ambiente.

Graças à transparência e flexibilidade do grafeno, o toque, a maleabilidade e cor dos tecidos permanecem inalterados, não sendo possível a sua distinção de uma peça de roupa normal.

Além de Helena Alves, do Ciceco, estiveram envolvidos na investigação cientistas da Universidade de Exeter (Inglaterra), do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores para os Microssistemas e as Nanotecnologias (Lisboa), da Universidade de Lisboa e do Centro Belga de Investigação Têxtil.

Sugerir correcção