Sensor de papel detecta bactérias produtoras de electricidade

O dispositivo, que recorre a nanopartículas que mudam de cor em contacto com as bactérias, foi desenvolvido por uma equipa portuguesa.

Foto
Em presença de certas bactérias, o sensor de papel torna-se azul DR

Cientistas liderados por Elvira Fortunato e Carlos Salgueiro, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, criaram um teste rápido, feito à base de vulgar papel de fotocópia, para detectar a presença de Geobacter sulfurreducens, uma bactéria que vive nas lamas e sedimentos e pode ser usada na produção de energia. Os resultados acabam de ser publicados na revista Nature Scientific Reports.

O sensor de papel funciona à maneira de um teste de gravidez. Em contacto com a bactéria, nanopartículas de trióxido de tungsténio, que foram adicionadas ao papel, mudam de cor – de esbranquiçadas passam a azuis.

A importância deste tipo de bactérias, ditas “electroquimicamente activas”, reside na capacidade que têm de "transferir electrões para o exterior” das suas células, podendo assim "ser utilizadas para a produção de electricidade", explicou à Lusa Elvira Fortunato, que dirige o Centro de Investigação de Materiais/CENIMAT e o Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação/I3N.

Segundo a investigadora, bactérias como a Geobacter sulfurreducens podem ainda ser usadas "no tratamento de águas poluídas", uma vez que "conseguem reduzir a matéria orgânica" presente nos efluentes. O sensor de papel fornece assim um teste rápido, simples e barato para a detecção destas bactérias.

Carlos Salgueiro, que lidera a equipa de investigação da Unidade de Ciências Biomoleculares Aplicadas/UCIBIO, adiantou que o sensor de papel foi testado com êxito num modelo de bactéria, mas que a ideia é usá-lo com outras bactérias do mesmo tipo, mas que possam ser mais eficientes do que Geobacter sulfurreducens na produção de energia.

Numa fase mais avançada da experiência, os cientistas tencionam isolar as bactérias no seu habitat natural, como água ou lamas, e utilizá-las no tratamento de esgotos, na descontaminação do solo e água e na produção combustível para baterias.

"Actualmente, é consensual que a produção contínua de energia a partir de matéria fóssil conduzirá ao esgotamento destes recursos. A procura de formas alternativas de produção de energia a partir de fontes renováveis e limpas é cada vez mais importante", assinalou o cientista à Lusa, apontando o recurso "a células de combustível microbianas, nas quais os microrganismos crescem produzindo corrente eléctrica".