As personagens de Nuno Baltazar e uma retrospectiva no último dia do Portugal Fashion

No final do 36.º Portugal Fashion foi a vez de a casa-mãe receber silhuetas e cores de Inverno. Organização faz balanço dos últimos 20 anos numa edição por onde passaram 25 mil pessoas.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Com a Primavera a despontar, as frias Furnas Poentes da Alfândega do Porto foram o palco escolhido para as mulheres de Nuno Baltazar desfilarem cobertas com mantas de fazenda a fazer de casacos – a proposta para o próximo Inverno. Noutra sala, mais quente, a veterana Fátima Lopes encerrou o evento que passou por oito passerelles em quatro dias.

Nuno Baltazar foi buscar às personagens do filme Um Homem Chora (2000) a inspiração para o seu Inverno 2016. Na película de Sally Potter há uma russa, uma judia e um cigano. O designer pegou nos estilos diferentes dos três – sofisticado, discreto e rústico – e criou uma mulher “algo sofisticada mas com conforto”, com a utilização de tecidos como o jacquard, acabamentos em foil e bordados brilhantes em contraste com fazendas com acabamento rústico. A sua paleta de cores dividiu-se em nudes, preto, dourado, cobre e azuis.

O criador que em Outubro faltou à apresentação na ModaLisboa e apresentou no Porto – “é um regresso para ficar”, reforçou no final do desfile –, assumiu a direcção criativa da Riopele Fashion Solutions, uma empresa dentro do grupo Riopele, e espera nos próximos tempos ver as suas criações fora de Portugal. “É um desafio complementar e é interessante ver, ainda que não em nome próprio, o meu trabalho em cadeias internacionais e de grande difusão”, diz, lembrando que “o futuro de um designer de moda são seis meses” e que a internacionalização da marca Nuno Baltazar apesar de ser um objectivo, “não é uma urgência vital”.

Noutro piso, numa passerelle envidraçada, a TM Collection de Teresa Martins materializou árvores nas cabeças das manequins e criou sobretudos, túnicas ou golas em lã, algodão, veludos e sedas enquanto o designer de calçado Luís Onofre mostrou sandálias com saltos vertiginosos e botas de cano alto com atilhos.

Coube, mais uma vez, a Fátima Lopes encerrar o evento com o seu Black Rainbow de formas curvilíneas e assimetrias em jumpsuits e casacos e uma novidade: coordenados masculinos desde blazers até golas em pêlo, sempre em tons escuros.

Sábado, último dia do 36.º Portugal Fashion, desfilaram ainda quatro nomes da plataforma Bloom, num dia dedicado também à indústria. Em desfile colectivo, seis marcas de calçado e depois sete de vestuário (umas em colectivo, outras com honra de desfile próprio, caso da Vicri, Lion of Porches e Dielmar) tiveram grande afluência e trouxeram consigo figuras conhecidas – os actores Diogo Morgado e José Fidalgo, a apresentadora Raquel Strada, a actriz Jessica Athayde – e um modelo com trissomia 21.

Uma alteração de paradigma
Vinte anos depois da primeira edição, em Julho de 1995, “é preciso olhar para trás e perceber que o paradigma da moda nacional mudou radicalmente”, reflecte Rafael Rocha, director de comunicação do Portugal Fashion, em conversa com o PÚBLICO. “A incorporação do factor tecnologia na indústria têxtil portuguesa, tanto nos produtos como nos processos, e a criatividade dos novos designers que o Portugal Fashion apresentou foi essencial e acrescentou mais-valias”, defende.

Pensado para fazer uma ponte entre o tecido industrial e o design de autor, o Portugal Fashion – “um projecto eminentemente comercial” que esta edição voltou a trazer 75 jornalistas internacionais e agentes de compras – quer dar aos novos criadores “um conjunto de ferramentas e apoios para que consigam, o mais rapidamente possível, vender lá para fora”. Luís Buchinho, que festejou 25 anos de carreira esta estação e apresenta semestralmente em Paris com o apoio do Portugal Fashion, é, aliás, um dos que já exporta mais de 50% das suas criações.

“Em 20 anos voltámos a ter sector têxtil e hoje já deixámos de ser apenas as fábricas procuradas pelas grandes marcas para produzir as suas colecções. Crescemos na cadeia de valor, já não é só ‘corta e cose’. Até nos desfiles dos criadores nacionais lá fora podemos notar isso. Já não é um desfile colectivo como em 1999 [primeiro ano em que a organização levou criadores nacionais a Paris], temos desfiles individuais”, exemplifica Rafael Rocha.

A celebração dos 20 anos do Portugal Fashion continua em Outubro, com a apresentação de ilustrações dos desfiles feitas durante os quatro dias desta edição, em colaboração com o mestrado de Ilustração do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, e de um vídeo-documentário.

A jornalista esteve hospedada a convite do Portugal Fashion