Foto Mino Andrade
Foto
Foto Mino Andrade

Megafone

Regressar a Portugal? Já estamos muito bem instalados, muito obrigado

Não, senhor Secretário de Estado, não somos calões, nunca o fomos, somos professores, enfermeiros, engenheiros, pescadores, operários, trabalhadores da construção civil, etc

Ouvi dizer em como por essas bandas de Portugal existe agora um Secretário de Estado interessado em ter os emigrantes de volta. Quais emigrantes, senhor Secretário de Estado? Porque, afinal, ninguém emigrou do país, não, isso de as pessoas terem tido que emigrar por causa das políticas de tantos governos, incluindo o vosso, são tudo falsidades difundidas por um sem número de media sedentos de sangue e sedentos de vendas no intuito único de maldizer o bom nome de quem fez, e faz, tanto por Portugal. Não. Ninguém emigrou e não só eu não estou a escrever esta crónica de Inglaterra, como aquilo que eu agora vi passar nem sequer é um "double-decker" com destino a Charing Cross.

Não, isso são tudo invenções do meu cérebro, porque o Alzheimer não tarda em atacar e o senhor doutor já me disse para pôr o comprimido debaixo da língua. Porque, senhor Secretário de Estado, ninguém emigrou “derivado“ dos milhares de empregos criados pelo seu Governo na presente legislatura. "Or so I’ve been told". Não.

Mas se nos querem tanto de volta, comecem desde já por reconhecer os vossos erros. Comecem desde já por admitir a vossa responsabilidade no exílio, perseguição e expulsão de seiscentos mil portugueses, assim desmembrando, dedo a dedo, braço a braço, sem anestesia nem dó, o som dos ossos a partir e a carne a rasgar de seiscentas mil famílias, as quais não nos terão de volta, mesmo sabendo ser esse o desejo de Vossa Excelência: o senhor Secretário de Estado. Porquê? Porque já estamos muito bem instalados, muito obrigado, empregados, remunerados, reconhecidos, com direito a férias, subsídios de doença, licenças de maternidade e paternidade, pensões de reforma e tudo o mais quanto o governo de Portugal tem insistido em atacar sob a égide da calonice nacional.

Não, senhor Secretário de Estado, não somos calões, nunca o fomos, somos professores, enfermeiros, engenheiros, pescadores, operários, trabalhadores da construção civil, empregadas domésticas e empregados de hotel, erigimos países inteiros e Portugal é demasiado pequeno para todos nós. Porque se nos querem de volta, saiam vocês primeiro, mas de joelhos. E, ao saírem, não se esqueçam de bater nas portas de todas as casas de todas as ruas de todas as vilas e cidades de Portugal pedindo perdão por todo o sofrimento causado. Não o terão, mas o que conta é a intenção.