Torne-se perito

Neste sábado (não) há festa na Voz do Operário em Lisboa

Iniciativa quer juntar os que não ligam aos "arranjinhos" do Dia dos Namorados aos que não acham piada ao Carnaval. Entrada é gratuita.

Fotogaleria
DR/Radio Royale/André Pires - New Vintage Photo
Fotogaleria
DR/Radio Royale/André Pires - New Vintage Photo
Fotogaleria
DR/Radio Royale/André Pires - New Vintage Photo
Fotogaleria
DR/Radio Royale/André Pires - New Vintage Photo
Fotogaleria
DR/Radio Royale/André Pires - New Vintage Photo
Fotogaleria
DR/Radio Royale/André Pires - New Vintage Photo

Um salão de baile à antiga, uma orquestra no palco e bailarinas que dançam como nos filmes a preto e branco. São estes os ingredientes da Empresa de Gestão de Equipamentos de Animação Cultural (EGEAC) para uma festa improvável no sábado à noite, que junta o espírito romântico do Dia dos Namorados à folia do Carnaval.

“Aqui (não) há festa” é o nome da iniciativa organizada pela EGEAC neste sábado, 14 de Fevereiro, no edifício da Voz do Operário, no bairro da Graça, em Lisboa. O objectivo é juntar os que não ligam aos “arranjinhos” do São Valentim aos que não acham piada à ideia de “dançar samba semi-nú com 0 graus na rua”. Em suma, este é um evento para “namorados, solteiros, mascarados e não-mascarados” ou mesmo para “aqueles que procuram apenas uma noite diferente”, explica a empresa numa nota.

A noite começa às 21h com sons de outros tempos pela mão da Orquestra Ideal, do projecto Rádio Royale, uma espécie de rádio ao vivo com músicas dos anos 40 e 50, cantadas pelas "Meninas da Rádio". A orquestra tem Gimba como director musical e "mestre de cerimónias", compositor de todos os temas originais, Vicente Valentim no piano, António Quintino no contrabaixo, Mário Santos na bateria, e Marta Hugon e Samuel Úria como convidados especiais.

À volta, haverá todo um circo montado: as Royalettes, raparigas vestidas a rigor - saias rodadas ao estilo dos anos 50, estolas, cintos de ligas - que trocam de roupa ao longo do espectáculo, e bailarinas de burlesco. “Cheias de humor e glamour, a Orquestra Ideal e as Royalettes prometem arrasar a plateia com as coreografias dos filmes a preto e branco, os clichés dos anúncios e das rádios antigas e o burlesco, num espectáculo com um repertório original”, diz a EGEAC. O grupo promete uma verdadeira viagem no tempo, com as bailarinas vestidas de cor-de-rosa a sairem de um bolo, vestidas de pasta de dentes Couto ou de latas de fermento Royale.

Segundo a empresa municipal, a festa continua com a dupla feminina DJ Fina&Segura, “uma loira e uma morena”, cujo reportório vai do rock’n’roll ao pop, passando pelo swing, twist, garage, indie e electrónica, desde os anos 50 até à actualidade.

Antes disso, a tarde é dedicada às crianças, com animação de Radio Show, Oly&Mary, Manas Toca Toca e Marietta&Olivetti, a partir das 15h.

Tanto à tarde como à noite, a entrada na Voz do Operário é livre e está sujeita à lotação das salas. A organização promete “uma noite cheia de brilho, música e um cheirinho dos anos loucos”.

Sugerir correcção