Um filme voltou a mostrar ao Porto o coração do rei D. Pedro

Filmagens para O Sentido da Vida, de Miguel Gonçalves Mendes, levaram à reabertura do cofre onde está o coração de D. Pedro IV, entregue à cidade pelo papel desta contra o absolutismo.

Fotogaleria
A 7 de Fevereiro de 1835, a relíquia entrava no Douro e foi levada para a Igreja da Lapa MARIA JOÃO GALA
Fotogaleria
Rui Moreira, enquando presidente da Câmara, é o guardião das chaves do cofre onde está guardada a relíquia. MARIA JOÃO GALA
Fotogaleria
Nos ultimos anos a irmandade tem mostrado menos o coração, para tentar que se degrade o menos possível MARIA JOÃO GALA
Fotogaleria
O realizador Miguel Gonçalves Mendes vai abrir o seu novo filme com estes planos sobre o coração do rei MARIA JOÃO GALA
Fotogaleria
A Câmara do Porto está interessada em apoiar mais filmes que tenham a cidade como palco MARIA JOÃO GALA

A realidade não é, infelizmente, um filme. Mas o filme que esta quinta-feira levou a Câmara do Porto e a Irmandade da Lapa a reabrirem o cofre que guarda o coração de D. Pedro IV, símbolo das lutas do Porto contra o absolutismo, não escapou à realidade dos bárbaros acontecimentos de quarta-feira, em França. Num momento em que a liberdade foi atacada, Rui Moreira deu a mostrar à equipa do realizador Miguel Gonçalves Mendes uma relíquia, o “maior tesouro de uma cidade” que, cercada pelos miguelistas, entre Julho de 1832 e Agosto de 1833, soube resistir.

Um dia antes de morrer, em 24 de Setembro de 1834, em Queluz, D. Pedro IV fez questão de indicar que o seu coração fosse entregue à cidade do Porto, como agradecimento pelo empenho dos seus cidadãos no cerco. A 7 de Fevereiro de 1835 – fará 180 anos no próximo mês – a relíquia entrava no Douro, e foi levada para a igreja da Lapa, por indicação da filha, a rainha D. Maria. Todos os anos, recordou o historiador e mesário desta irmandade, Francisco Ribeiro da Silva, a 24 de Setembro realizavam-se nesta igreja prédicas com os melhores palestrantes. E um tema obrigatório era… a liberdade.

Foi-o ontem de novo. Tudo por causa de um filme “O Sentido da Vida”, de Miguel Gonçalves Mendes, para o qual o coração voltou a ser mostrado, e por causa também do crime sem sentido, que roubou a vida a 12 membros da equipa do jornal satírico francês Charlie Hebdo. “Em tempos em que a liberdade volta a ser questionada, é bom lembrar D. Pedro”, afirmou o historiador. A seu lado, Rui Moreira, que como representante do povo do Porto guarda as chaves do cofre que preserva esta relíquia, lembrou a seguir que os portuenses resistiram, quando a liberdade estava em causa. E insistiu que hoje, a Europa e o Ocidente não podem desistir também.

Miguel Gonçalves Mendes não imaginaria, há umas semanas, quando pediu ao vereador da cultura, Paulo Cunha e Silva, que o ajudasse nas autorizações para conseguir filmar o coração, que a cena ganharia estes contornos paralelos. Coisas da realidade, a entrar pelo cinema. O seu propósito, neste documentário era pôr Giovane Brisoto, jovem brasileiro com a doença dos pezinhos em busca do sentido da sua vida, em contacto com o coração do homem que fundou o Brasil independente.

A produção luso-brasileira abrirá com estas imagens do Porto, uma cidade pouco presente na filmografia mundial, apesar de estar por estes dias nas bocas – e nos olhos – do mundo. A Câmara do Porto pretende aumentar, na medida das disponibilidades orçamentais – o apoio à produção de filmes que tenham a cidade como palco, ligando esta associação a um produto cultural ao impacto que essa visibilidade pode ter no turismo. O novo projecto do realizador de José e Pilar, que será rodado em seis países, e que inclui protagonistas como o escritor Valter Hugo Mãe ou Juíz Baltazar Garzón, entre outros, foi visto como uma oportunidade. E Miguel Gonçalves Mendes agradeceu.

As dezenas de pessoas presentes nesta cerimónia solene, que implicou a retirada da lápide que na lateral do altar-mor, escondia o cofre com o coração, acabaram por se tornar figurantes deste O Sentido da Vida, que não tem nada de Monty Pithon. O filme levou Giovane a Vila do Conde que, com a vizinha Póvoa de Varzim, foi o ponto de origem e disseminação pelo mundo, nas naus e caravelas, da doença que ele começou a sentir há três anos. A degeneração progressiva dos seus membros está a ser retardada por um medicamento, o Tafamidis, até que lhe seja possível fazer um transplante. O jovem de 28 anos, descendente de portugueses e italianos, precisa de um fígado novo, que lhe garantirá que o seu coração há-de continuar a bater.