Amadora-Sintra ainda não conseguiu contratar médicos, mesmo a mais de 30 euros por hora

Caos do Natal pode repetir-se na passagem de ano no Hospital Amadora-Sintra. Basta que afluência à urgência volte a ser anormal. Por enquanto só há seis médicos escalados para o balcão de observação.

Os médicos serão contratados em regime de prestação de serviços
Foto
Serviços disponibilizados pelas plataformas ainda se concentram nos grandes centros urbanos Foto: Fábio Teixeira

Depois do caos do Natal, em que cinco médicos estiveram escalados para a primeira observação de quase 500 doentes por dia, o Hospital Amadora-Sintra tem, para já, a garantia de que na passagem de ano contará com seis clínicos para o balcão do serviço de urgência, revelou ao PÚBLICO uma fonte da unidade de saúde. Se não houver uma procura “inusitada” como a que ocorreu no Natal, se alguns médicos escalados não adoecerem como sucedeu então, e se a afluência for a normal (cerca de 300 doentes por dia), no reveillon não haverá problemas. Mas são muitos “ses” e pode repetir-se o cenário de ruptura.

Tanto o presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo como o assessor de imprensa do Hospital Fernando da Fonseca (conhecido como Amadora-Sintra) não querem fazer previsões para a passagem de ano, agora que a situação no serviço de urgência se encontra normalizada, até porque a vaga de frio prevista para os próximos dias pode alterar de novo o cenário.

Entretanto, foram tomadas algumas medidas para evitar que a situação caótica se repita. No domingo, o hospital abriu 20 camas de internamento e esta segunda-feira mais dez, para desentupir o serviço de urgência. A unidade de saúde foi também autorizada pela tutela a contratar de imediato dez médicos a empresas de prestação de serviços (os chamados “tarefeiros”) e, se for necessário, até poderá pagar valores superiores aos máximos previstos na lei (30 euros por hora, o que daria 720 euros por uma escala de 24 horas na urgência), soube o PÚBLICO. Mesmo assim, pelo menos até ao meio da tarde de segunda-feira, ainda não havia resposta das empresas de prestação de serviços. “Não conseguimos contratar médicos de um dia para o outro”, explicou o assessor de imprensa, Paulo Barbosa.

Foi justamente a falta de médicos, agravada ainda pela ausência de dois profissionais por doença, e aliada à enorme afluência de doentes mais idosos e com muitas patologias, que contribuiu para tempos de espera que chegaram às 20 horas, na noite de 25 para 26 de Dezembro. “Em dois dias a urgência recebeu 980 doentes. É perfeitamente anormal, habitualmente é procurada por um máximo de 320 [pacientes/dia]”, acentua Paulo Barbosa. Com os centros de saúde fechados (o Governo deu tolerância de ponto), o serviço de urgência ficou repleto, tanto com casos muito urgentes, sobretudo pessoas de idade avançada com insuficiências respiratórias, como por casos de doentes com problemas pouco graves, descreve. Aliás, mais de 65% dos doentes tinham pulseiras verdes (pouco urgentes). "Num quadro destes, qualquer hospital estouraria, até o de S. José [em Lisboa] ficou completamente lotado", lamenta o assessor.

Na passagem de ano, Paulo Barbosa espera que a situação seja bem diferente: “Garantimos a presença de seis médicos por dia nos balcões [os que fazem a primeira observação], e estes em 24 horas vêem bem até 400 doentes”. O problema é que a afluência pode voltar a ser fora do comum, até porque os centros de saúde estarão de novo fechados. 

“Estamos a tentar maximizar a resposta, mas esta é finita. Todos os hospitais fizeram um reforço  para a passagem de ano, mas não há garantias [de que não haverá problemas nas urgências], até porque vem aí uma vaga de frio”, admitiu o presidente da Administração Central de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Cunha Ribeiro. A agravar, o hospital Amadora-Sintra dá resposta a uma população socialmente desfavorecida, de cerca de 650 mil pessoas, com 37 nacionalidades diferentes. Porque não abrem, então, os centros de saúde nestas alturas? "Não faz sentido, até porque por enquanto não há surto de gripe e os centros de saúde nestas situações [dos idosos com várias patologias, os que demoram mais tempo a ser vistos nas urgências] não resolvem nada”, responde o responsável.

Os protestos sucederam-se, entretanto. As comissões de utentes de saúde da Amadora e de Sintra lembraram que "a iminente ruptura dos serviços de urgência e o colapso do SO [serviço de observação]” do hospital apenas reflectem um cenário há muito denunciado e reclamaram a contratação de mais profissionais e o bastonário da Ordem dos Médicos defendeu que a falta de capacidade de resposta do Amadora-Sintra é culpa do Governo. Criticando o que classificou como “insensibilidade" do Ministério da Saúde, “que conseguiu desorganizar” os hospitais, obrigando-os a recorrer a empresas de trabalho temporário, o bastonário José Manuel Silva defendeu, em declarações à TSF, que a solução passa pela admissão de mais médicos para os quadros dos hospitais. 

Ao final da tarde, a Entidade Reguladora da Saúde anunciou também que vai analisar a situação vivida no Hospital Fernando da Fonseca. A ERS precisou que vai averiguar o que se passou no âmbito de um inquérito sobre o acesso dos utentes que já tinha sido instaurado ao hospital Amadora-Sintra.