Carrilho acusa Governo de acto “ilegal e inconstitucional” ao convidar ex-mulher para jornadas de violência doméstica

O docente já pediu aos advogados para analisarem o que considera ser um “acto sem precedentes no regime democrático [português]”. Fala em “trapaça política” e sente-se atingido “de um modo absolutamente maquiavélico”.

Foto

O docente já pediu a advogados para “analisarem os factos”, no sentido de “serem apuradas as responsabilidades", e "actuarem em conformidade”. Numa conferência de imprensa realizada no Hotel Altis, em Lisboa, afirmou que o que se passou é “uma intolerável intromissão do Governo na esfera da Justiça, em matérias e processos judiciais” nos quais está envolvido, que "atinge directamente” a sua “honra e dignidade”.

Carrilho diz-se indignado por a Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares e Igualdade ter convidado Bárbara Guimarães para participar nas jornadas contra a violência doméstica, a 4 de Novembro. Não gostou do convite, nem do eco e da cobertura mediática que teve o encontro. Considera que foi “um exercício de manipulação política, grave e cruel, para além de ilegal e de inconstitucional” que visou atingi-lo e que o Governo saltou “fora da órbita de competências que lhe são definidas pela Constituição”.

O ex-ministro considera “absolutamente intolerável” que o executivo tenha organizado aquele evento, “escolhendo a pessoa de Bárbara Guimarães como grande destaque” para “dar a cara a favor das vítimas da violência doméstica”. As jornadas decorrem até 5 de Dezembro, incluem várias iniciativas e várias mulheres conhecidas da esfera pública foram convidadas a participar – Fátima Campos Ferreira, Fátima Lopes, Mariza, Sílvia Alberto e Tânia Ribas de Oliveira são só alguns exemplos. Bárbara Guimarães participou na leitura dramatizada de um texto de Serena Dandini sobre o tema. Mas o ex-marido considera que a ideia que passou foi a de que estava a “falar da sua própria situação pessoal” e a acusá-lo “subliminarmente”. Carrilho sente-se atingido “de um modo absolutamente maquiavélico” e fala ainda de “uma verdadeira tentativa de linchamento público” da sua pessoa.

“Encontrar o Governo associado a uma coisa destas permite concluir que existe o objectivo político de atacar alguém que se encontra ligada ao mais importante partido da oposição, do qual foi dirigente e por escolha do qual exerceu as funções de deputado, de ministro e de embaixador de Portugal, sabendo-se que nos encontramos já em contagem decrescente para o combate político que irá ter lugar no próximo ano de 2015.” O Governo, insistiu, decidiu “tomar publicamente partido num litígio judicial, num acto sem precedentes no regime democrático [português]”.

Na análise de Carrilho, que frisa que o primeiro-ministro e outros governantes, como a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e Igualdade, Teresa Morais, assistiram à cerimónia, em causa está “um exercício de trapaça política e social” do Governo que pretende, de forma “oportunista, retirar dividendos políticos”. Contactada pelo PÚBLICO, Teresa Morais não quis comentar. Nem Bárbara Guimarães.