Assembleia da República recebe exposição do espólio pessoal de Salgueiro Maia

Foto
Alfredo Cunha/ Arquivo

Uma mostra do espólio pessoal doado pelo "Capitão de Abril" Salgueiro Maia ao município de Castelo de Vide, onde nasceu, vai estar patente ao público na Assembleia da República.

Subordinada ao tema Salgueiro Maia: Contributos para uma biografia de um Herói de Abril, a exposição vai ser inaugurada esta quarta-feira, às 14h, e ficar patente até ao dia 28 deste mês.

Segundo o município, entre as peças expostas no Parlamento figura o "célebre" megafone com que, a 25 de Abril de 1974, no Largo do Carmo, em Lisboa, o então capitão Maia intimou Marcello Caetano a render-se e "a entregar o poder às forças da democracia", bem como o testamento lavrado pelo cunho do oficial de cavalaria.

O uniforme que Salgueiro Maia envergava no 25 de Abril e outras fardas do seu percurso militar são outras das peças incluídas na exposição, que ilustra uma carreira militar de três décadas, com vários louvores e condecorações.

Na exposição vão ser também apresentadas várias divisas, flâmulas, estandartes e pendões, insígnias, diplomas e louvores, documentos militares, fichas escolares, cartazes, fotografias e uma colecção de miniaturas de carros de combate (a sua especialidade como oficial de cavalaria e a sua grande paixão profissional).

Para o município de Castelo de Vide, a exposição no Parlamento é composta por uma "sugestiva selecção" de objectos de Salgueiro Maia, quando se assinalam os 70 anos do nascimento do capitão e os 40 anos da Revolução.

Natural de Castelo de Vide, onde nasceu em Julho de 1944, Salgueiro Maia deixou ao município daquela vila alentejana um importante espólio pessoal, constituído, em grande parte, por objectos ligados à sua carreira militar. Por sua vontade expressa, Fernando Salgueiro Maia foi sepultado no cemitério de Castelo de Vide, em campa rasa e ao som de Grândola, Vila Morena.