Mais dois aviões russos interceptados em espaço aéreo internacional sob responsabilidade portuguesa

Aeronaves foram escoltadas nesta sexta-feira por dois F-16 portugueses na zona terminal da aproximação dos voos comerciais a Lisboa.

Uma das imagens hoje divulgadas pela Força Aérea da operação da última quarta-feira
Foto
Uma das imagens divulgadas esta sexta-feira pela Força Aérea da operação da última quarta-feira Força Aérea Portuguesa

Mais dois aviões militares russos foram escoltados na manhã desta sexta-feira em espaço aéreo internacional sob responsabilidade portuguesa. Ainda que a Força Aérea Portuguesa (FAP) se tenha recusado a confirmar o episódio, a agência Lusa adiantou que o sucedido era já do conhecimento do Governo português. O jornal i adiantou na sua edição online que estavam em causa mais dois bombardeiros russos Tupolev TU-95.

De acordo com aquele jornal, as aeronaves foram acompanhadas por dois caças F-16 portugueses, nas proximidades da zona terminal da aproximação de Lisboa dos voos comerciais.

Há dois dias, dois caças F-16 portugueses interceptaram, identificaram e escoltaram dois aviões militares russos em espaço aéreo internacional sob a responsabilidade de Portugal. As autoridades portuguesas tinham sido alertadas pela estrutura operacional da NATO que coordenou o acompanhamento dos aviões desde que estes surgiram nos radares a partir da Rússia.

Esta nova intercepção surge no mesmo dia em que a FAP divulgou no seu site as primeiras fotos dos aviões militares russos que na passada quarta-feira foram interceptados e escoltados por caças F-16 portugueses no “espaço aéreo de responsabilidade nacional”.

“Duas aeronaves da Força Aérea Portuguesa realizaram uma missão de defesa aérea em espaço aéreo de responsabilidade nacional no dia 29 de Outubro. Durante a manhã de quarta-feira, o Sistema de Defesa Aérea (DA) da FAP detectou duas aeronaves não identificadas na zona noroeste de Portugal e com rumo sul, voando alto, rápido e sem comunicações com o Controlo de Tráfego Aéreo”, diz a FAP num texto que acompanha as imagens.

A FAP revela ainda que o seu Centro de Relato e Controlo “reportou de imediato para a estrutura militar NATO da qual depende, tendo sido decidido activar a parelha de aeronaves F-16 Fighting Falcon, em alerta na Base Aérea de Monte Real, para interceptar e identificar as aeronaves”.

“Após realizado o reconhecimento visual, as aeronaves foram identificadas como sendo bombardeiros TU-95 Bear, de nacionalidade russa, que, entretanto, mudaram o rumo para norte, tendo sido escoltados até à sua saída do espaço aéreo de responsabilidade nacional”, conclui.

Segundo o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), foram "detectadas duas aeronaves não identificadas em espaço aéreo de responsabilidade portuguesa" e "accionados os meios de alerta previstos neste tipo de situações no quadro da NATO, tendo dois caças F-16 portugueses identificado duas aeronaves militares russas, que encaminharam para fora do espaço aéreo de responsabilidade nacional".

Ontem, a chanceler alemã desvalorizou as movimentações aéreas dos militares russos sobre o Atlântico. “Não estou muito preocupada”, disse numa reacção às operações que nos últimos dias sofreram uma escalada e levaram mesmo a NATO a reportar o conjunto de intercepções realizadas anteontem.

Numa frase, a responsável alemã resumia a leitura feita no Velho Continente no rescaldo dos voos militares detectados e que foram associados à “crise política” gerada pela situação ucraniana. "O sistema [de vigilância da NATO] funcionou na normalidade", resumiu também ontem o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, a partir da Colômbia.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, sublinhou, no entanto, o aumento recente das intercepções de aviões russos no espaço aéreo dos países da Aliança Atlântica "no mar do Norte, no Báltico e até no mar Negro", que são "mais de 100".