"Lama", "cabecita" e "expressões arruaceiras" em discussão acesa no Parlamento

Sociais-democratas admitiram dificultar representação parlamentar do Partido Ecologista Os Verdes.

José Luís Ferreira, um dos dois deputados d'Os Verdes
Foto
José Luís Ferreira, um dos dois deputados d'Os Verdes Daniel Rocha

Decorriam as declarações políticas desta quinta-feira à tarde quando as bancadas parlamentares se exaltaram. “Meta uma coisa nessa cabecita: não é o senhor deputado que decide a forma como Os Verdes vão a eleições”, disse o deputado José Luís Ferreira. A afirmação do parlamentar d'Os Verdes, dirigida a Luís Montenegro, líder da bancada PSD, acendeu o rastilho, provocando muito ruído nas bancadas da maioria.

Montenegro, no seguimento de uma intervenção dura do Partido Ecologista Os Verdes (PEV) para o Governo, tinha questionado a legitimidade democrática daquele grupo parlamentar de dois deputados que “nunca” se sujeitou a eleições senão em coligação com o PCP. "Talvez o episódio de hoje nos deva forçar a fazer esta reflexão e a tomarmos decisões para adequar o funcionamento da Assembleia com a representação da vontade popular”, afirmou o social-democrata.

Antes, já o líder parlamentar comunista, João Oliveira, saíra em defesa do PEV e atacara a “sanidade mental” dos deputados da maioria PSD/CDS.

Nuno Magalhães, do CDS, também pediu a palavra para defender que “esta Assembleia da República atingiu o grau zero”, assumindo a disponibilidade dos centristas para levar a discussão à conferência de líderes parlamentares. Depois, Magalhães criticou as “expressões arruaceiras” dos comunistas, que atira os deputados para “a lama”. Com um aviso: “Ou bem que a conferência de líderes trata disto, ou a democracia tratará de todos nós e esse será um dia muito triste”.

Apesar de Assunção Esteves ter pedido reflexão e reconhecer que a emoção travou o “rigor das palavras” e a “contenção”, a presidente do Parlamento disse manter a opinião da primazia da “liberdade” dos deputados intervirem, por oposição a um regime de “tutela” da mesa.

O debate prosseguiu com outros temas. Mas os dois deputados do PEV e os deputados do PCP não voltaram a estar todos sentados nos longos minutos que se seguiram.

Crato e o único que o elogia

Os socialistas, que se mantiveram à parte desta inflamada troca de acusações, preferiram voltar a focar o discurso no ministro da Educação. Referindo o “esgotamento” geral do Governo, o deputado Acácio Pinto criticou o “estado de negação” que o Executivo vive, em particular, em relação à educação e ao ministro Nuno Crato.

“Há milhares de alunos sem aulas quando se vai iniciar a sétima semana lectiva, 50% do primeiro período, numa demonstração da completa incompetência técnica e política de Nuno Crato”, disse Acácio Pinto.

O socialista lamentou depois que “o único português” que concorda com Nuno Crato e que o elogia seja justamente Passos Coelho, "o único que pode propor a nomeação ou a exoneração de ministros”.

Rita Rato, do PCP, não poupou, no entanto, o PS nas críticas à política seguida nos últimos anos no sector: “Muitas das políticas que criaram os actuais problemas tiveram origem nos governos do PS e foram agora aprofundadas pelo actual Governo", disse a deputada comunista.

Luís Fazenda, do Bloco, registou que Crato já não tem quem o defenda nem no Parlamento, dirigindo-se aos partidos da maioria. Pelo CDS, Michael Seufert preferiu apostar no contra-ataque, ao realçar que os socialistas “já estão na fase de puxar da pistola” com eleições à vista.